O Poderoso Chefão - A Trilogia
Produção: 1972- 1974-1990
Duração:
549 min.
Direção:
Francis Ford Coppola

Elenco:
Marlon Brando, Al Pacino, James Caan, Robert Duvall, Diane Keaton, Talia Shire, Robert DeNiro, Lee Strasberg, Andy Garcia, Sofia Coppola, George Hamilton, Bridget Fonda
Vídeo:
Widescreen Anamórfico 1.85:1 (1080p/AVC MPEG-4)
Áudio: Inglês (Dolby TrueHD 5.1, Dolby Digital Mono, Dolby Digital 5.1), Francês, Espanhol (Dolby Digital 5.1)
Legendas: Português, Inglês, Espanhol
Nº de discos: 4
Região:
A, B, C
Distribuidora: Paramount
Lançamento:
14/01/2009

Cotações:
Filme -

Imagem:

Áudio:

Extras/Menus:

Média:

Comentários de
Jorge Saldanha

SINOPSE
O PODEROSO CHEFÃO, de Francis Ford Coppola (1972), é, indiscutivelmente, uma das obras-primas do cinema americano e o ponto alto na carreira de Marlon Brando, que desempenha o papel principal. Baseado no best-seller de Mario Puzo, o elenco de O Poderoso Chefão - verdadeiro fenômeno cultural que ultrapassou US$ 100 milhões de arrecadação - inclui talentos à época emergentes como Al Pacino, James Caan, Robert Duvall, Talia Shire e Diane Keaton. Continuando a saga da família Corleone, em O PODEROSO CHEFÃO 2 (1974) vemos Robert DeNiro como o jovem Vito Corleone, que cresce na Sicília e parte para Nova York no início de 1900. Paralelamente acompanhamos a vida madura do filho Michael (Pacino) nos anos 50. No último filme da trilogia, O PODEROSO CHEFÃO 3 (1990), são retratados o envelhecimento de Don Michael Corleone (Pacino) e a busca pela legitimação dos interesses da família, com a ajuda do sobrinho Vincent Mancini (Andy Garcia) e uma aliança com o Vaticano. Nesse filme também se destacam as participações de George Hamilton, Bridget Fonda, Sofia Coppola e Eli Wallach.

COMENTÁRIOS
Em qualquer conversa que trate sobre a história do cinema norte-americano, é impossível não citar a obra máxima do diretor Francis Ford Coppola, a saga O PODEROSO CHEFÃO. Baseada no best seller de Mario Puzo, ela mostra a trajetória da família de Don Vito Corleone, chefão da Máfia levado às telas magistralmente por Marlon Brando (quando velho) e Robert DeNiro (quando jovem). Após a morte de Vito, a liderança da família e seus negócios passa para o caçula Michael, papel que consagrou o astro Al Pacino. Mas o excelente elenco é apenas a face mais visível de uma produção esmerada que conquistou as platéias e a crítica com suas tramas enfatizando lealdade e traição, paixões, crimes e violência em tons épicos.

O filme original de 1972, em uma época onde as produções européias eram as queridinhas da crítica, mostrou o quão sofisticada, poderosa e elegante podia ser uma realização de Hollywood - elevada à categoria de arte maior, graças ao trabalho de um cineasta diferenciado como Coppola, dotado de uma sensibilidade fílmica ímpar. E, fato raro, em 1974 Coppola conseguiu fazer de O PODEROSO CHEFÃO 2 um filme tão bom (para muitos ainda melhor) como o original. Ambos conquistaram merecidamente o Oscar de Melhor Filme, porém nem precisariam do reconhecimento da Academia para ser o que são – dois filmes essenciais dos anos 1970.

Claro que os elogios não foram unânimes – Coppola recebeu críticas por glamurizar a violência e a corrupção, mostrando os Corleones sob um ponto de vista simpático, apesar de todo o saldo de crimes por eles provocados. Mas ao enaltecer os triunfos, tragédias e ambições da “famiglia”, que possui um código moral muito claro, Coppola pura e simplesmente fez arte dissociada da dicotomia Bem x Mal. Por outro lado, a par de seu escopo grandioso e violento, a saga não deixa de ser um melodrama familiar como tantos que nos são trazidos pela literatura, cinema e televisão. Mas por sorte seu artesão foi Coppola, que soube como ninguém usar melodrama, gângsteres e Máfia para conquistar as platéias e a crítica de todo o mundo montando o painel de uma América em transição – e assim como nas telas mostrava história, ele a fazia fora delas.

Por muito tempo os dois filmes foram considerados a versão definitiva da saga, até que em 1990 Coppola lançou O PODEROSO CHEFÃO 3. Sem dúvida, o segmento mais fraco da trilogia, graças a algumas decisões questionáveis do realizador – como a escolha da filha Sofia, muito limitada como atriz, para um papel de grande relevância; ou ainda colocar o clímax da trama em uma longa seqüência de ópera. Ainda assim o longa conseguiu a façanha de ganhar mais um Oscar de Melhor Filme, e ao seu final, fechando o ciclo dos Corleone com o destino do patriarca Michael, é impossível que o espectador não reverencie, comovido, a obra que o próprio Coppola classifica como um grande filme em três atos.


O BD
A trilogia O PODEROSO CHEFÃO foi lançada em DVD em 2001, em cópias remasterizadas. Aparentemente, Coppola não ficou plenamente satisfeito com o resultado e, para o relançamento em Blu-ray no final de 2008, ele providenciou esta "Coppola Restoration" - também disponibilizada em DVD. No Brasil a trilogia chega agora no início de 2009, num belo box que contém quatro BDs de camada dupla (50 GB) - um para cada filme, e um contendo uma impressionante quantidade de extras. Os filmes receberam uma nova restauração e foram remasterizados para alta definição, em um processo supervisionado pelo próprio Coppola, o diretor de fotografia Gordon Willis, e o especialista em restauração Robert A. Harris. O resultado final impressiona, em que pese o fato deles não terem a imagem cristalina de uma produção de hoje. Aliás, a abordagem de Coppola para esta restauração foi exatamente essa - ele não quis "atualizar" seus filmes, mas sim fazer com que o espectador, em sua casa, pudesse assisti-los da forma mais próxima à qual foram realizados - ainda que haja uma ou outra alteração estilística implementada pelo diretor.

Cada filme é apresentado em uma transferência widescreen anamórfica 1080p/AVC MPEG-4, no aspect ratio 1.85:1. As novas cópias feitas dos negativos originais passaram por uma restauração quadro a quadro, em um processo que levou mais de um ano para ser concluído. Apesar de raros defeitos remanescerem - e para a grande maioria eles passarão despercebidos - as transferências resultantes são claras, limpas e nítidas. A granulação é mais do que aparente, porém nunca é demais lembrar, ela é característica da película original, e inerente à elevada nitidez da imagem. Os pretos são fortes, proporcionando grande profundidade visual e riqueza. O contraste e a claridade são altos, e as cores possuem um tom mais "quente", alaranjado. Algumas cenas aparentemente passaram por um filtro de suavização da imagem, já que elas têm um visual soft, enevoado - mas para afirmar categoricamente teria de comparar com as cópias dos DVDs anteriores. Mas de modo geral o nível de detalhes nos dois primeiros filmes é muito bom. Já o terceiro possui um estilo visual diferente dos outros, mais saturado e sem seus tons sépia e alaranjados. Além do mais, por ser mais recente, tem a melhor transferência do trio em termos de saturação de cores, detalhes e profundidade. As cenas escuras apresentam um melhor delineamento das sombras, e a nitidez e o brilho são sempre estáveis. Também aqui não temos a imagem de um filme feito hoje, mas o resultado é mais do que satisfatório, considerando-se as décadas que se passaram desde sua realização.

Além do vídeo, também o áudio da trilogia foi remasterizado e restaurado, recebendo como upgrade uma nova faixa lossless Dolby TrueHD 5.1 Surround (48kHz/24-bit) em inglês. Nos dois primeiros filmes, cujo som original é mono (tanto que as faixas originais mono também estão disponíveis, para os puristas), o que nela ressalta, mesmo, é o aumento da fidelidade, especialmente na trilha musical. Mas em termos de envolvimento surround, pouco se nota. Os disparos de armas irão ressoar nos canais traseiros, mas ainda assim discretos e sem muito brilho. Notei maior envolvimento na festa que inicia O PODEROSO CHEFÃO 2, onde a música e as vozes das centenas de convidados nos cercam. Os graves também não irão exigir muito do subwoofer, mas quando necessário apóiam bem a ação, como na explosão do carro de Michael, na Sicília. Os diálogos estão sempre bem balanceados na mixagem, e sempre são claros e naturais, porém com alguma distorção em seus tons mais elevados. Também aqui o terceiro filme, por ser mais recente, tem um desempenho superior. Por ter sido realizado já na era do som multicanal nos cinemas, ele traz uma presença mais consistente e pronunciada dos canais surround, além de maior alcance dinâmico e fidelidade. Como no vídeo, nenhum dos três filmes possui um áudio à altura de produções mais recentes, mas ainda assim eles nunca soaram tão bem em seu home theater como neste lançamento em Blu-ray. Fora o idioma inglês, as únicas dublagens disponíveis são francês e espanhol, ambas em Dolby Digital 5.1. Os filmes trazem a opção de legendas em português, inglês, francês e espanhol, e os caprichados menus animados dão um toque de elegância à apresentação.


OS EXTRAS
Além do esmero dedicado à restauração da trilogia O PODEROSO CHEFÃO, este lançamento também providencia um imenso material suplementar, que inclusive inclui os substanciais extras disponibilizados nos DVDs lançados em 2001. Além deles, que estão em resolução 480i/MPEG-2, foram realizados novos extras exclusivos, em vídeo HD (1080i/AVC MPEG-4). Felizmente a maioria possui opção de legendas em português.

  • Comentários em áudio - Cada filme é acompanhado por comentários do próprio Coppola, que por mais de 10 horas detalha a história da produção da trilogia. Ele não se limita a comentar o que surge na tela (o que é mais comum nesses casos), e vai além. São comentários detalhados que tratam da interpretação dos atores, alterações do filme em relação ao livro, filmagens em locação, entre muitos outros aspectos de cada produção. O diretor fala de forma natural, compreensiva e firme, e independentemente do tópico comentado, o ouvinte nunca perderá o interesse. Lamentavelmente a Paramount, como de hábito em seus BDs, não disponibilizou legendas em português para os comentários. Mesmo assim estas faixas de comentários, de um dos maiores cineastas norte-americanos de todos os tempos, já hoje possuem um valor inestimável e valem o investimento do tempo de qualquer cinéfilo;

  • The Masterpiece That Almost Wasn't (HD, 29 min.) - Este ótimo documentário inédito traz depoimentos de pesos-pesados como Steven Spielberg, George Lucas, Walter Murch, dos executivos da Paramount Peter Bart e Robert Evans, entre outros (além, obviamente, do próprio Coppola), que traçam um panorama da época em que os filmes foram realizados e as dificuldades do cineasta em convencer o estúdio a bancar a adaptação do épico de Mario Puzo, que por incrível que pareça, à época era considerado um projeto não comercial;

  • Godfather World (HD, 12 min.) - Mais pesos pesados - Alec Baldwin, Guillermo Del Toro, William Friedkin, Joe Mantanga, Trey Parker - desta vez falando sobre a importância e o legado da trilogia;

  • Emulsional Rescue: Revealing 'The Godfather' (HD, 19 min.) - Outro novo featurette, desta vez focado no extenso trabalho de resgate e restauração dos filmes da trilogia. Aqui ficamos sabendo que, surpreendentemente, os negativos originais de O PODEROSO CHEFÃO foram dados como perdidos, sendo realizados esforços hercúleos para buscar os melhores elementos para a sua restauração. Também, todos os aspectos relativos à abordagem estética de Coppola para a restauração dos filmes são abordados;

  • ...And When the Shooting Stopped (HD, 14 min.) - Filmar O PODEROSO CHEFÃO foi apenas um capítulo da novela. Após as filmagens, Coppola teve de rescindir seu contrato com a Paramount, já que ele previa uma versão bem mais curta do filme. Só assim ele poderia fazer justiça ao épico que criara, mas o processo resultante foi muito difícil para a sua equipe - e muitos dos seus integrantes dão seus depoimentos aqui. O featurette também analisa em detalhes a famosa "cena da cabeça do cavalo";

  • The Family Tree/The Crime Organization (SD) - "The Family Tree" traz informações básicas sobre os personagens e os atores que os interpretaram; e "Crime Organization" segue caminho parecido, relativamente aos elementos criminosos que vemos nos filmes, adicionando mais dossiês e biografias;

  • 'The Godfather' on the Red Carpet (HD, 4 min.) - Montagem de entrevistas de atores na premiére de CLOVERFIELD, sobre os filmes da trilogia. Pelo jeito a Paramount tentou promover o filme produzido por J.J. Abrams nos extras de O PODEROSO CHEFÃO. Uma bizarrice dispensável;

  • Four Short Films on 'The Godfather' (HD, 7 min.) - Outro extra bizarro, que parece ser constituído de material que ficou de fora dos demais suplementos. Nomes como John Turturro, Richard Belzer e Sarah Vowell contam piadas ou falam sobre elementos da franquia que entraram para a cultura pop;

  • 2001 DVD Archive - Por fim, todos os extras dos DVDs de 2001 foram incluídos nesta seção do box de BDs. "Gallery" inclui galerias de fotos, segmentos da cerimônia de entrega do Oscar, lista de indicações e prêmios de O PODEROSO CHEFÃO, a introdução que Francis Ford Coppola gravou para a exibição do filme na TV em 1974, e trailers em HD dos três filmes. Temos os documentários "A Look Inside" (73:29 - realizadores e elenco discutem numerosos aspectos dos filmes e sua produção), "On Location" (6:56 - trata das filmagens em locação da trilogia), "Francis Coppola's Notebook" (10:13 - o diretor nos mostra as extensas anotações que fez enquanto lia o livro de Puzo) e "Music of the Godfather" (8:47 - Inclui uma sessão de gravação da trilha musical com Coppola e o compositor Nino Rota, e uma conversa com Carmine Coppola e Francis Ford Coppola sobre os bastidores de algumas sessões de gravação. Completando o material, biografias em texto de Francis Ford Coppola, Mario Puzo, Gordon Willis, Dean Tavoularis, Nino Rota e Carmine Coppola, e uma cronologia de eventos dos três filmes, no período de 1892 a 1997, além de cenas adicionais distribuídas numa linha de tempo que vai de 1901 a 1979.

DVDs / BDs COMENTADOS