STEALTH - AMEAÇA INVISÍVEL
Direção: Rob Cohen
Elenco:
Josh Lucas, Jessica Biel, Jamie Foxx, Sam Shepard, Richard Roxburgh, Joe Morton, Ian Bliss, Ebon Moss-Bachrach

Distribuidora:
Sony
Duração:
121 min.

Região:
A, B, C

Lançamento:
10/12/2007

Nº de discos:
1

Cotações:
Filme -
BD -

Comentários de
Jorge Saldanha

SINOPSE
Num futuro próximo Henry, Ben e Kara pilotam os mais modernos aviões de caça, em missões de combate ao terrorismo ao redor do mundo. Um novo membro se junta ao time deles - um super-jato invisível aos radares, dotado de uma inteligência artificial tão avançada que torna dispensável o piloto. Mas uma vez que este caça levanta vôo e não retorna, espalhando destruição em segundos por todo o mundo, a equipe tem uma última missão - parar esta máquina a qualquer custo.

COMENTÁRIOS
Rob Cohen nunca foi um diretor de grande destaque, mas tem em seu currículo filmes eficientes e de boa repercussão, como Coração de Dragão e o Velozes e Furiosos original. Mas para mim seu melhor filme ainda é Dragão – A História de Bruce Lee, uma digna biografia do maior astro das artes marciais do cinema. Dito isso, há que se reconhecer que este Stealth – Ameaça Invisível é o seu filme mais fraco, nem tanto por reciclar muitas idéias de filmes de aviação como A Raposa de Fogo, Top Gun, Águia de Aço e mesmo do clássico de ficção científica 2001 – Uma Odisséia no Espaço, mas sim por desperdiçar a maioria delas num roteiro que mais uma vez tenta vender os EUA como a “polícia do mundo” e que, em determinados momentos, exige que o espectador desligue sua inteligência. Os personagens são bidimensionais, e recursos dramáticos como um romance que não deslancha são, simplesmente, tediosos. Sorte que, pelo menos, a ação predomina.

No centro das atenções está a esquadrilha formada pelos pilotos interpretados por Josh Lucas, Jamie Foxx (que assinou para fazer este filme antes de ganhar o Oscar por Ray) e Jessica Biel, que sempre tiveram sucesso nas suas missões contra os terroristas. Seus caças são máquinas futuristas com enorme poder de fogo, e no porta-aviões USS Abraham Lincoln eles são apresentados ao mais novo integrante da esquadrilha, o EDI – uma revolucionária aeronave que é totalmente controlada e pilotada por uma nova forma de inteligência artificial. Após sofrer uma descarga elétrica em vôo, EDI começa a escolher seus próprios alvos e, a exemplo do computador HAL de 2001, acaba se virando contra seus próprios companheiros, que recebem ordens para persegui-lo e abatê-lo.

Durante o filme ouvimos pérolas como esta, dita pelo personagem de Josh Lucas: “a guerra não pode ser transformada num videogame”. Mas o que acontece durante todo o tempo é exatamente isso – nos combates contra inimigos ou no jogo de gato e rato entre os heróis e o EDI, parecemos estar vendo seqüências aéreas retiradas de um game, e que de longe são a maior razão para assistirmos a este filme. Até por isso Stealth não é a tragédia que muitos críticos disseram quando de seu lançamento, há muita coisa pior “voando” por aí e em Blu-ray, indiscutivelmente, o filme é uma festa para olhos e ouvidos. Os efeitos especiais são espetaculares, e resistem muito bem à prova da alta definição. Aqueles aviões futuristas obviamente não são reais, mas eles se apresentam na tela em um foto-realismo glorioso, pousando e decolando do porta-aviões ou envolvidos em velozes e furiosos (!) confrontos aéreos. Algumas seqüências, como a da explosão do dirigível de reabastecimento, possuem uma plasticidade fantástica, que só perdem mesmo para a plástica da “saudável” Jessica Biel.

Se relevadas as tosquices do roteiro, Stealth mostra ser uma aventura movimentada onde seus 121 minutos passam voando. O elenco, que também inclui o respeitável Sam Shepard, claramente está ali para ganhar seu cachê sem se esforçar muito, mas não chega a comprometer. Como já disse, tem muita coisa pior e onde simplesmente nada se salva. Este filme, pelo menos, tem brinquedos impressionantes e uma bela heroína – coisas que merecem ser apreciadas em detalhes de altíssima definição.

O BD
Stealth faz parte da primeira geração de lançamentos em Blu-ray, e por isso traz o filme numa transferência widescreen anamórfica 1080p no formato original 2.40:1, que ainda utiliza o codec MPEG2. Mesmo assim, temos uma imagem impecável em alta definição, com grande detalhamento, cores sempre vibrantes e firmes e ausência total de ruídos ou artefatos. O som está à altura do visual – além de potentes faixas Dolby Digital 5.1 em inglês e francês, há também uma faixa em inglês PCM 5.1 lossless que é simplesmente explosiva. Mesmo que seu receiver decodifique esta faixa apenas em dois canais, estes retumbam sem qualquer tipo de compressão, e se você usar os recursos do home theater para distribuí-los pelos demais canais, terá uma simulação 5.1 não comprimida pelo menos tão boa quanto o Dolby Digital comum. Durante as muitas cenas aéreas o som é completamente envolvente, vindo de todos os alto-falantes, e os graves são retumbantes. A trilha incidental techno-orquestral é de Brian Transeau, a.k.a. BT (Monster), que além de adequar-se perfeitamente ao filme, é reproduzida com excelente fidelidade. Os menus animados são os básicos para um BD – apenas em inglês e flutuantes, podendo ser acessados durante a reprodução do filme. Além do português, o filme pode ser assistido com legendas em inglês, espanhol, francês, chinês, coreano e tailandês.

OS EXTRAS
Anteriormente a Sony lançara Stealth num DVD duplo com vários extras, e surpreendentemente nada deste material foi transportado para o Blu-ray. O único extra, se é que podemos chamá-lo assim, é "Introduction to Blu-ray with 'Stealth' Director Rob Cohen". Trata-se de uma montagem com três minutos, em alta definição, de cenas do filme e da sua premiére - com direito a aviões e pessoas numa praia. Apesar da beleza de algumas tomadas, este é um dos extras mais chatos e inúteis que já vi. Felizmente em lançamentos posteriores a distribuidora redimiu-se – coisas de lançamentos pioneiros do formato...

DVDs / BDs COMENTADOS