TRUE BLOOD - PRIMEIRA TEMPORADA
Produção: 2008
Duração:
720 min.
Direção:
Vários
Elenco:
Anna Paquin, Stephen Moyer, Ryan Kwanten, Sam Trammell, Rutina Wesley, Nelsan Ellis, Lois Smith, Jim Parrack, Todd Lowe, Alexander Skarsgård, Lizzy Caplan, Michelle Forbes
Vídeo:
Widescreen Anamórfico 1.78:1 (1080p/AVC MPEG-4)
Áudio: Inglês (DTS-HD Master Audio 5.1), Francês (DTS 5.1), Espanhol (DTS 2.0)
Legendas: Português, Inglês, Francês, Espanhol
Nº de discos: 5
Região:
A, B, C
Distribuidora: HBO
Lançamento:
19/05/2009

Cotações:
Filme -

Imagem:
Áudio:
Extras/Menus:
Média:

Comentários de
Jorge Saldanha

SINOPSE
Vampiros deixaram seus caixões e agora vivem entre nós. Sobrevivendo graças a sangue sintético, eles não mais precisam dos humanos para se alimentarem. Ou assim parece... A pequena cidade de Bom Temps, Louisiana, até que tem uma vida bem agitada graças aos seus excêntrivos moradores. Conheça Sookie Stackhouse (Anna Paquin), uma doce e inocente garçonete que esconde de todos seu poderoso dom, ler as mentes das pessoas; Bill Compton (Stephen Moyer), um vampiro com 173 anos de vida que acaba de se mudar para o local; Jason (Ryan Kwanten), irmão de Sookie, faz muito sucesso com as mulheres e não parece capaz de ficar longe das encrencas; a leal e durona Tara (Rutina Wesley), a melhor amiga de Sookie; Sam (Sam Trammell), proprietário do Merlotte, oculta a atração que tem por Sookie e um outro segredo ainda mais pessoal; Lafayette (Nelsan Ellis), um sujeito que sempre está cozinhando algo ilícito e fora do menu. Confira um elenco de personagens muito interessantes, cada um escondendo seus maiores segredos nas sombras.

COMENTÁRIOS
As séries (ou minisséries) feitas para a TV a cabo americanas possuem várias vantagens em relação às da TV aberta: por não dependerem exclusivamente da audiência, podem se dar ao luxo de ter menos episódios por temporada, o que normalmente significa roteiros de melhor qualidade. Por serem exibidas sem interrupção para comerciais, cada capítulo pode chegar a 60 minutos. E além disso, via de regra essas séries possuem uma abordagem mais adulta, sofrendo menos limitações quanto ao uso do sexo e da violência, quando necessários. Excelentes séries como OS SOPRANOS, BAND OF BROTHERS, A SETE PALMOS, DEXTER e ROMA são alguns dos exemplos, e a elas agora se junta a mais nova sensação da HBO, TRUE BLOOD.

Criada por Alan Ball (A SETE PALMOS) com base em livros de
Charlaine Harris, TRUE BLOOD tem tudo que falta em CREPÚSCULO (filme também baseado em livros, porém direcionado a adolescentes): personagens consistentes, comentário social e, obviamente, violência e muito sexo. A série se passa numa realidade onde os vampiros, após a descoberta do sangue artificial “Tru Blood” pelos japoneses, saem da clandestinidade e passam a lutar por seus direitos, assim como outras minorias raciais ou religiosas. É assim que a rotina de uma pequena cidade da Louisiana, cheia de personagens excêntricos e mistérios (sombras de TWIN PEAKS?) é quebrada pela chegada do vampiro Bill Compton (Moyer), que lá se estabelece. Bill não demora muito para começar um tórrido romance com a garçonete Sookie Stackhouse (Paquin), que possui um dom especial: ela consegue ler os pensamentos das pessoas. O casal tem de enfrentar o preconceito da cidade, e as coisas pioram para Sookie quando pessoas próximas a ela começam a ser mortas, sendo a polícia local incapaz de descobrir a identidade do assassino.

Mas não dá para limitar TRUE BLOOD ao romance de Sookie e Bill e aos assassinatos misteriosos. A série tem bem mais a oferecer, graças aos roteiros meticulosamente construídos por Ball, que mesclam muito humor negro com a violência, o sobrenatural e a sátira social que o programa exige. Tomemos, por exemplo, o fato de que na série os vampiros não são as únicas sanguessugas – os humanos bebem e traficam o sangue dos vampiros, que é um forte afrodisíaco, e isso gera boas tramas paralelas. Adicionalmente, foram criados excelentes personagens para povoar a cidadezinha de Bon Temps e adjacências, trazidos à vida por um talentoso elenco. Assista à série e escolha seus preferidos, mas para mim ela perderia muito da sua força sem Jason, Lafayette e o xerife vampiro Eric (Alexander Skarsgård), ótimos personagens que encontraram atores que parecem ter nascido para interpretá-los. E a eles, mais para o final da temporada, juntam-se a misteriosa Maryann, interpretada por Michelle Forbes, e a neo-vampira Jessica (a ruivíssima Deborah Ann Woll).

TRUE BLOOD (ou, na tradução do Blu-ray, GOSTO DE SANGUE) demora alguns episódios para se firmar, para apresentar e desenvolver os personagens e seus relacionamentos Mas após isso ela alça vôo e torna-se uma delícia, que vicia já desde a pegadiça introdução de cada episódio (“I Wanna Do Bad Things With You”...). A segunda temporada da série está sendo exibida no Brasil pela HBO com um atraso de apenas um mês em relação aos EUA, e simplesmente está cada vez melhor.


O BD
A primeira temporada de TRUE BLOOD já saiu em DVD no Brasil, mas sua edição em alta definição continua exclusiva dos EUA, que no entanto já traz legendas em português do Brasil nos episódios. Os discos do box estão acondicionados em uma embalagem digipack envolta por uma luva de cartolina grossa, que a deixa apertada e demanda uma certa paciência no seu manuseio. Causa estranheza, apesar da existência de material extra embutido em cada episódio, que uma temporada com apenas 12 capítulos esteja espalhada em cinco BDs, que possuem capacidade de armazenamento muito superior à do DVD. Quanto à qualidade da imagem, ela é ótima para os padrões do formato graças às transferências anamórficas 1080p/AVC MPEG-4 na proporção 1.78:1. Percebe-se de vez em quando alguma granulação, e em determinados momentos, principalmente nos de intimidade entre Bill e Sookie, a imagem parece ter sido filtrada (suavizada) – talvez para minimizar as espinhas do rosto de Anna Paquin, em outras cenas destacadas pela imagem em alta definição. Mas fora isso não há muito do que reclamar, já que as cores são deslumbrantes (especialmente nas sequências alucinatórias de Jason) e os índices de nitidez e detalhes são elevados. Para um programa de TV, a qualidade visual da série está acima da média.

Também o áudio original em inglês 5.1 DTS-HD MA está acima da média para uma série de TV. Ele cria uma atmosfera envolvente com os sons das quentes noites de Louisiana, perfeitamente balanceados com os diálogos. A trilha sonora, que traz blues contemporâneos e uma gótica (e premiada) música incidental composta por Nathan Barr, é perfeitamente mixada com os outros elementos sonoros. Os efeitos surround são primorosos, especialmente quando Sookie lê as mentes das pessoas no bar, e os pensamentos ecoam pelos cinco canais. Além da faixa lossless temos dublagens DTS em francês (5.1) e espanhol (2.0), e as legendas disponíveis são português, inglês, francês e espanhol. Os ótimos menus animados estão apenas em inglês.

OS EXTRAS
Há uma considerável quantidade de extras neste box em Blu-ray da primeira temporada de TRUE BLOOD, mas exceto pelas prévias que podem ser acessadas diretamente, eles estão embutidos nos episódios da série. Isso significa que, se você quiser conferir todos os extras, terá de assistir alguns episódios no mínimo duas vezes. E além disso, nenhum suplemento recebeu a opção de legendas em português.

  • True Blood Previews (HD) – Cada disco, além dos episódios, traz suas correspondentes prévias, que podem ser acessadas diretamente no menu em “Next On” e “Previously On”;

  • Comentários em Áudio – Dos 12 episódios da temporada, metade traz comentários em áudio com membros da equipe e do elenco: o produtor e criador da série Alan Ball em "Strange Love"; Anna Paquin (Sookie) e o diretor Scott Winant em "The First Taste"; o roteirista Brian Buckner e o diretor Michael Lehmann em "Escape from Dragon House"; Stephen Moyer (Bill) e o diretor Dan Minahan em "Sparks Fly Out"; o diretor Marcos Siega em "Burning House of Love"; e a roteirista/diretora Nancy Oliver em "To Love is to Bury". São interessantes comentários, em especial os de Ball, que narra a origem da série (antes de ir ao dentista, ele entrou numa livraria, leu um dos livros de Harris e adorou), os clichês de outros filmes e séries de vampiros que procurou evitar, etc. Curiosamente, a participação de Paquin nos comentários de "The First Taste" foram gravados ao telefone. Esses comentários buscam suprir a falta de making ofs nos extras, uma pena que para quem não entende inglês eles são absolutamente inúteis;

  • Enhanced Viewing (HD) – Acionado este recurso, durante os episódios serão mostradas informações sobre personagens e o universo de TRUE BLOOD, parte em uma janela menor (PIP), parte em tela cheia – nesse caso interrompendo a exibição e a ela retornando após o encerramento do vídeo. O material é composto por “fofocas do Lafayette”, mapas animados, falsas entrevistas e trechos de telejornais, comerciais da bebida “Tru Blood”, anúncios de utilidade pública, história dos vampiros e documentários. O problema é que na maior parte do tempo este material é distribuído de forma esparsa, com grandes lapsos entre si. Na média há, para cada episódio de 60 minutos, apenas 10 minutos de extras. E como agravante, este recurso de “Visão Aumentada” desativa as legendas em português dos episódios. O ideal seria que houvesse um menu para acessar os extras diretamente – quem sabe na segunda temporada isso seja possível.

DVDs / BDs COMENTADOS