ALIENS VS. PREDATOR: REQUIEM
Música composta por Brian Tyler

Selo: Varèse Sarabande
Catálogo: 302 066 865 2
Lançamento: 2007
Faixas

1. Alien Vs. Predator - Requiem
2. Opening Titles
3. Decimation Proclamation
4. Requiem Epilogue
5. National Guard - Part 1
6. National Guard - Part 2
7. Taking Sides
8. Predicide
9. Kelly Returns Home
10. Coprocloakia
11. Power Struggle
12. Skinned and Hanged
13. Down to Earth
14. Predator Arrival
15. Special Delivery
16. Alien Awakening
17. Striptease
18. Buddy's New Buddy
19. Searching for Poolhouse
20. Gutless and Autosurgiosis
21. Outnumbered

Duração: 77:17
Cotação:


Comentário de
Renan Fersy

 

Se há uma coisa que sempre me preocupa, é quando mudam de compositor para a seqüência de um filme. As vezes trocar de compositor pode ser interessante e gerar boas expectativas, quando a trilha do(s) filme(s) anterior(es) foi um fracasso. Agora, trocar de compositor quando a trilha foi brilhante pode ser arriscado, como é o caso da série Alien Vs. Predador, que teve no seu primeiro filme Harald Kloser como compositor. Harald fez um trabalho primoroso, digno de grandes nomes como Jerry Goldsmith. Não sei qual foi o motivo da substituição, mas creio que provavelmente foi coisa da Fox, pensando: “novo filme, nova direção, novo compositor”. Apesar de ter achado esta mudança um pouco equivocada inicialmente, pois gostaria muito de ver Harald de novo na série, fiquei feliz que o novo compositor tenha sido Brian Tyler, que é um dos meus preferidos particularmente.

Brian tyler é um dos poucos compositores da nova geração de Hollywood que faz música essencialmente orquestral, e faz muito bem. Sem essa de "eletrônica pra lá e sintetizadores pra cá", como fazem Marco Beltrami, Graeme Revell, Charlie Clouser, Hans Zimmer e toda sua trupe da  Media Ventures. Ao contrário das abordagens melódicas e harmônicas sempre dramáticas e exageradas de compositores como Revell e Zimmer, Tyler faz uso de harmonias pós-tonais (oriundas de Richard Wagner). Diferente da trilha de Harald, que tinha momentos mais aventurescos e alguns mais sombrios, mas nunca usando dissonâncias e tensões muito agressivas, a trilha de Tyler é quase sempre tensa e agressiva. O que na realidade foi totalmente necessário, pois Aliens Vs. Predator: Requiem é bem mais tenso que o primeiro - não é a toa que o filme é R-Rated.

Outra coisa que me surpreendeu foi a duração de algumas faixas e do próprio CD - temos faixas de 5, 7 e até uma de 13 minutos, algo um tanto incomum para os dias de hoje, onde muitas trilhas são lançadas com pouco mais de 30 minutos de música. Acho que isso é um ponto positivo e uma vitória para nós, apreciadores de trilhas sonoras. Esta trilha é um pouco chata de se analisar, porque ela possui pelo menos uns 4 temas/motivos principais que se entrelaçam com outros por todo o filme, e por mais que fique bem interessante fica também um pouco misturado demais.

O disco já abre com um faixa super forte, “Aliens Vs. Predator: Requiem” é uma faixa onde o tema principal é apresentado, tema este que estará presente durante todo filme. “Opening Titles” já é mais misteriosa, repetindo o mesmo tema principal visto na faixa anterior, e em seguida um novo motivo é apresentado nas cordas e madeiras. Um motivo simples, construído em cima de uma progressão de acordes menores e com as madeiras fazendo pequenas frases de 3 ou 4 notas em cima de cada acorde, algo que lembra alguns momentos da trilha Basic Instinct (Instinto Selvagem) de Jerry Goldsmith. A faixa termina com um tema bem tenso que também será bem visto no filme. E é em clima tenso que começa a próxima faixa “Decimation Proclamation”, e nesse mesmo ritmo segue até o final de seus 7:42, apenas com uma ou outra breve nuance mais calma.

“Requiem Epilogue” nos traz um tema mais fantástico, com um ar mágico até em alguns momentos, o estilo me lembrou bastante Danny Elfman nos filmes do Tim Burton, principalmente Batman. Essa é um das minhas faixas preferidas. “National Guard - Part 1” é a terceira faixa mais longa do CD com 5:44. É bem mais interessante do que sua segunda parte “National Guard - Part 2”, que é extremamente cansativa e atonal. “National Guard - Part 1” começa com um dos temas de ação do filme, e logo entra num motivo suave mais assustador de cordas. O clima é quebrado pela percussão com uma forte pancada. O próximo minuto será mais de ruídos e efeitos orquestrais, até entrar um rápido motivo bem psicótico nas cordas. A percussão conduz até uma mudança brusca de ritmo, onde tudo fica calmo - fagote, cello, baixo e metais fazem crescendos várias vezes, num estilo que mais uma vez lembra Danny Elfman. Após uma pausa e algumas idéias atonais, temos uma harpa fazendo um arpeggio muito similar com algo da faixa “Chamber of Secrets” de John Williams para a trilha de
Harry Potter and The Chamber of Secrets. Em seguida cellos realizam arpeggios, enquanto violinos cantam um motivo em cima. Novamente o caos toma conta da faixa, com dissonâncias e texturas orquestrais que criam tensão. Uma breve acalmada, onde agora cordas e clarinete tocam uma variação do arpeggio que o cello havia interpretado antes, com metais ao fundo fazendo os acordes. A seguir mais uma dose de dissonâncias e tensões, até acalmar de vez com as cordas tocando mediantes cromáticas, clichê hollywoodiano (oriundo da suíte dos Planetas, de Gustav Holst).

“Taking Sides” começa com um motivo muito interessante nas cordas, muito parecido com um motivo da trilha de Nathan Barr para o primeiro Hostel. Esta é a faixa mais longa do CD, mas acaba se tornando um pouco chata depois dos 6 minutos, vai num ritmo um pouco repetitivo se arrastando até o fim. “Predicide” começa com as cordas fazendo alguns arpeggios bem rápidos, culminando no tema principal do filme. “Kelly Returns Home” é uma faixa com tom mais “amigável”, é uma faixa muito bonita com melodias suaves nas cordas, lembra alguns momentos de Dragonfly (O Mistério da Libélula) de John Debney.

“Skinned and Hanged” começa bem sinistra, com cordas e harpa bem suaves ao fundo, em seguida entram as flautas acompanhando a harmonia, e vai crescendo até cerca dos 50 segundos onde a percussão marca o fim do crescendo, e recomeça o clima com os baixos conduzindo um motivo suave e sombrio até a entrada da percussão, que leva a faixa até o final com ritmo mais dissonante e tenso. “Striptease” é uma faixa mais pop, mesclando orquestra e uma guitarra elétrica cheia de reverb fazendo um solo. O início da faixa parece muito com alguns “Main Titles” de trilhas do Beltrami. “Outnumbered” fecha o disco. O clima global da faixa é suave em ritmo, e tenso em melodia. Tem um momento onde dá até pra ouvir slides de violinos à la Psycho de Bernard Herrmann. A faixa vai se desenvolver em crescendos e tensões até o fim.

AVP: Requiem é uma trilha muito boa, com momentos muito interessantes, mas que perde alguns pontos pelos momentos monótonos onde apenas se ouvem ruídos e texturas orquestrais, e também pelo excesso de faixas atonais onde não há nenhum desenvolvimento motívico ou temático - faixas que, por esta razão, não foram comentadas. Embora isso seja necessário para o filme, não é muito interessante para audição isolada.

CDs COMENTADOS