BIG FISH
Música composta por
Danny Elfman, regida por Nick Ingman 

Selo:
Sony Classical
Catálogo:
SK 93094
Ano: 2003

Faixas:
1. Man Of The Hour - Pearl Jam 
2. Dinah - Bing Crosby 
3. Everyday - Buddy Holly 
4. All Shook Up - Elvis Presley 
5. Five O'Clock World - The Vogues 
6. Ramblin' Man - The Allman Brothers
7. Let's Work Together - Canned Heat 
8. Pictures - Danny Elfman 
9. Big Fish (Titles) - Danny Elfman 
10. Shoe Stealing - Danny Elfman  
11. Underwater - Danny Elfman 
12. Sandra's Theme - Danny Elfman 
13. The Growing Montage - Danny Elfman 
14. Leaving Spectre - Danny Elfman
15. Return to Spectre - Danny Elfman
16. Rebuilding - Danny Elfman 
17. The Journey Home - Danny Elfman 
18. In the Tub - Danny Elfman
19. Sandra's Farewell - Danny Elfman 
20. Finale - Danny Elfman 
21. End Titles - Danny Elfman 
22. Jenny's Theme - Danny Elfman 
23. Twice the Love (Siamese Twins' Song) - Danny Elfman
Duração: 61:24
Cotação:

Comentário de
Tony Berchmans

 

O score do filme Big Fish, intitulado no Brasil Peixe Grande e suas Histórias Maravilhosas (o título em português precisa sempre tentar descrever o filme?) marca a décima parceria do compositor Danny Elfman com o diretor Tim Burton. Esta trilha é mais uma evidência de que Elfman mantém com Burton um dos relacionamentos mais bem sucedidos da música de cinema recente. Nos nove trabalhos anteriores, Elfman conseguiu criar um clima musical perfeito para as peculiares histórias do diretor, e em Big Fish esta sintonia alcança o ápice. A adequação da música é indiscutível, e realmente é difícil imaginar este filme com uma trilha musical diferente.

O filme narra a reflexão de um filho sobre a personalidade de seu pai, grande contador de histórias mirabolantes, metáfora do título do filme que se refere às histórias de pescador. O pai está à beira da morte, e o filho, cansado das repetitivas lorotas surreais, tenta descobrir os mistérios e eliminar as fantasias criadas pela vida repleta de "causos" e aventuras improváveis do seu pai. Burton certamente buscou uma abordagem mais humana, mais melodramática para a história. Seguindo esta linha de concepção, Elfman compôs um belíssimo e colorido score, que traduz por um lado a bizarrice das histórias do pai, acompanhando a profundidade emocional das dúvidas do filho. Apesar de ser criticado justamente por ser excessivamente meloso e pela atuação duvidosa do personagem (filho) interpretado pelo ator Billy Crudup, o filme tem em sua partitura um apoio dramático imbatível, num sensível trabalho de composição de Elfman.

O CD tem 23 faixas, das quais apenas 15 representam um resumo da totalidade do score composto para o filme. As primeiras 7 faixas são canções utilizadas no filme, como "Man of the Hour", da banda Pearl Jam, ou "All Shook Up", de Elvis Presley. A última faixa é a canção "Twice the Love", interpretada pelas personagens gêmeas siamesas, composta por Elfman em parceria com John August. O tema "Big Fish" dos créditos iniciais é iniciado por uma rica cama de cordas, piano, harpas e violões, repleta de harmônicos coloridos, que logo ganham um solo de violinos em dueto, apresentando um motivo recorrente ao longo do filme. São harmonias cheias de sentimentos de esperança, com uma sonoridade de sabor folk. Esta sonoridade segue ao longo da faixa seguinte, "Shoe Stealing". O início do cue "Underwater" lembra os acordes suspensos de Thomas Newman ao piano de Beleza Americana ou Six Feet Under, mas logo surge uma misteriosa melodia e soam os inconfundíveis coros ao estilo de Edward Mãos de Tesoura.

Depois do delicado e suave “Sandra´s Theme”, o cue “The Growing Montage” é um poutpourri de cadências sem um compasso repetido sequer, que denota uma forma de composição mais complexa e demonstra a maturidade de Elfman. O suspense se apresenta em plena forma em “Leaving Spectre”, seguida pela melancólica e folk “Return to Spectre”, que agora traz consigo uma rústica percussão. “Rebuilding” é o trecho do disco mais folk tradicional, fazendo de início você pensar que está ouvindo a música de “Cold Mountain”. O naipe de metais acrescenta grandiloquência ao score em “The Journey Home”, mas sempre citando o tema melódico. A faixa mais melancólica e talvez mais sensível de todo o score é apresentada com piano, cordas e violão, no cue intitulado “In the Tub”. Logo no início do longo “Finale” (11 minutos de duração), Elfman apresenta um trecho intenso em que parece descrever um resumo da obra, através de uma colagem de trechos de efeito dramático substancialmente diferentes, em que apresenta motivos melódicos usados nos outros cues. O efeito medley de apresentação de vários temas e motivos percorre toda a faixa, e prolonga-se pelo cue que acompanha os créditos finais, “End Titles”.

Última faixa do score apresentada no disco, “Jenny´s Theme”, é um delicado tema “protagonizado” por um timbre que soa como um piano misturado com celesta, típico dos ostinados de Elfman, composto para uma personagem que participa de uma das histórias de vida do pai. Destaque para o rico trabalho de orquestração (três orquestradores mais o lead orchestrator companheiro de longa data de Elfman, Steve Bartek), que consegue uma variedade de texturas impressionante e necessária para criar o clima de fábula do filme. Como em todo o trabalho de direção de arte dos filmes de Tim Burton, a sutileza, riqueza de detalhes e sensibilidade de composição melódica, descrição narrativa e sonoridade orquestral são atributos mágicos desta belíssima obra de Elfman e seu time de colaboradores. Uma frase do protagonista resume a fabulosa história de pescador: "Most men, they'll tell you a story straight true. It won't be complicated, but it won't be interesting either."

CDs COMENTADOS