Gore Vidal's Billy the Kid
Música composta e regida por Laurence Rosenthal. Orquestrações de Laurence Rosenthal e Steven Bramson


Selo:
Windemere Music Publishers
Catálogo:
42351
Ano: 1998
Duração: 36:00
Faixas:
Cotação:

Comentário de
Miguel Andrade

 

Para mim, musicalmente falando, a visão de Billy the Kid foi sempre a de Aaron Copland, no seu bailado escrito em 1938 para a Lincoln Kirstein's Ballet Caravan. Outras interpretações, musicais, literárias e fílmicas abundam, mas para mim o mito de Billy the Kid (aliás William H. Bonney) vive na música que Copland compôs, já lá vão mais de 60 anos. Recentemente encontrei outras interpretações da vida e morte desta figura da história norte-americana, nomeadamente "Sallie Chisum Remembers Billy the Kid", para soprano e piano (ou orquestra) do compositor e maestro André Previn (gravação disponível em edição da Deutsche Grammophon 471 028-2), e a música para um telefilme, baseado no livro do ensaísta e escritor Gore Vidal, composta pelo veterano de Hollywood Laurence Rosenthal. Sem grandes surpresas, muito da música deste último, uma confluência entra a palavra escrita, o cinema e a música para descrever a personagem, parece seguir algumas das mesmas escolhas que Copland havia feito cinco décadas antes.

O tema que abre o CD, "Billy the Kid", começa com uma melodia elegíaca no trompete, a fazer lembrar o "The Open Prairie" de Copland. Passa rapidamente para um segundo tema, o que representa a jovem personalidade de Billy, desta feita mais próximo de um tema de Indiana Jones do que da visão de Copland. Estes dois temas permeiam toda a partitura, e Rosenthal apresenta numerosas variações sobre eles, trabalhando principalmente o tema mais alegre, das formas mais variadas: em "Billy Escapes" ou "Judas" o tema é apresentado de forma mais atmosférica, contribuindo para adivinhar o destino de Billy; em "Billy's Revenge", surge de uma forma mais dramática, juntamente com o tema para trompete. Por sua vez, "Tunstall's Death" desenvolve o tema elegíaco para trompete e introduz alguma música mais agitada. Material adicional é apresentado no quase folclórico "Rattlesnake", e no mais romântico "Celsa", este último com um som mais mexicano. Um tema secundário para Billy é ouvido brevemente em "Pat and Billy". Num par de faixas ainda ouvimos, por entre momentos mais atmosféricos a canção tradicional "Shenandoah" ser citada na harpa.

O álbum conclui com "The Legend", a faixa mais longa (6:26), que musica o duelo final de Billy, recapitulando os temas principais. Começa com uma breve apresentação do tema romântico ouvido em "Celsea", passando para uma variação, num tempo muito mais lento do tema principal de Billy. Ouve-se um disparo - metais e cordas tem um momento deles, cheio de dramatismo. Regressa depois o tema de Billy, seguido novamente pelo tema romântico, e por uma breve citação de uma lullaby (canção de ninar). O tema elegíaco surge com força, desta vez interpretado pela seção de metais, e a partitura conclui com o trompete, novamente sozinho, a entoar o seu tema, que se perde na pradaria, tal como no bailado de Copland. Ainda que não apague da memória a obra prima de Aaron Copland, a música de Rosenthal é cheia de originalidade melódica, e se muitas opções são idênticas às do seu antecessor, provavelmente devem-se às exigências da história.

Este álbum é também uma forma de recordar como um CD com apenas 36 minutos pode ser completo e absolutamente satisfatório, sem preencher toda a sua capacidade, e é também uma forma de lembrar um dos grandes veteranos de Hollywood, admirado pelos seus pares, mas injustamente esquecido pelos fãs de música para cinema. Se lamento algo, é o fato de este ser um CD promocional, produzido pelo compositor e por Douglas Fake da Intrada Records, como tal caro e mais difícil de encontrar. Ainda assim vale o sacrifício, e espero, do fundo do coração que em breve o interesse na obra deste compositor aumente, permitindo que mais dos seus trabalhos sejam lançados comercialmente, permitindo assim que admiremos a arte de um dos grandes mestres da música para cinema. 

CDs COMENTADOS