Elmer Bernstein: Concerto for Guitar
Christopher Parkening, guitarra. London Symphony Orchestra, regida  por Elmer Bernstein; *Orquestra de Estúdio dirigida por Jack Marshall

Selo:
Angel
Catálogo:
5 56859 2
Ano: 2000

Cotação:

Comentário de
Miguel Andrade

 
 

Como já disse anteriormente, sinto-me muitas vezes mais satisfeito com as peças de concerto de compositores para cinema, do que com a música que compuseram para imagens em movimento. Isso é verdade com Williams, Goldsmith, Waxman, Rózsa, Korngold, etc. Por isso, quando soube que Elmer Bernstein, o compositor que tanto fez pelo avanço da arte da música para cinema, ia gravar o seu recente Concerto para Guitarra, a minha expectativa não podia ser maior. Porém, mal adquiri o CD, tive uma desilusão. Bernstein diz nas excepcionais notas que acompanham o álbum, que "a peça é harmonicamente conservadora" e refere que teve durante muito tempo dúvidas sobre escrever o Concerto. Isso pode explicar parte do problema.

Quando Bernstein diz conservadora, está a ser simplista. Não só o é, como está fundada sobre a tradição do Concerto para Guitarra espanhol. O modelo é demasiado obvio: "Concierto de Aranjuez" de Joaquim Rodrigo, provavelmente o mais famoso de todos os concertos para este instrumento. Se o som que impregna a guitarra já é muito orientado para sonoridades espanholas, toda a estrutura do concerto é demasiado próxima do modelo, para passar despercebida a semelhança ao ouvinte atento. Ainda assim há alguma invenção melódica, próxima do som a que Bernstein nos habituou nas suas partituras cinematográficas. O Concerto não deixa de ser uma peça para virtuoso, exigindo vastas capacidades do seu interprete, e encontrará o caminho para o coração de muitos, já que não é exigente para com o ouvinte.

A única altura em que o concerto parece querer libertar-se das amarras é em algumas passagens para a orquestra, mais notórias nos primeiros e terceiros movimentos, mas nunca chega a deixar as tradições e convenções do início do século. *"La Vega", de Isaac Albéniz, ganha uma nova gravação num arranjo para guitarra e orquestra de Jack Marshall (a peça foi escrita originalmente para piano), e evoca as paisagens castelhanas com grande vivacidade. A popularidade desta peça já lhe tinha dado, de resto, muitas outras transcrições, das quais as para guitarra são as mais famosas, em grande parte pela associação da guitarra à cultura espanhola. A pérola da coleção fica no entanto no curto "Essay for Strings" de Jack Marshall (1921-1973), um célebre guitarrista nos estúdios de Hollywood. Marshall encorajou desde cedo Parkening, e gravou em 1967 com o então jovem guitarrista este ensaio. Em três movimentos, consegue ser mais original e inventivo que o Concerto de Bernstein, afastando-se um pouco da tradição espanhola e entrando na escola de composição do séc. XX, embora ainda próximo das convenções de Hollywood.

No Concerto e na peça de Albeniz, a L.S.O., sob a direção de Bernstein, toca com o seu habitual profissionalismo e arte. Parkening é um solista excepcional e claramente acredita no valor das composições. É curioso ver que em 1967 (data da gravação do Ensaio de Marshall), Parkening já era exímio na sua arte. O som da gravação é bastante bom, mesmo no Ensaio. Em resumo, este é um CD indispensável para os admiradores de Bernstein, mas para todos os outros apenas uma curiosidade.

CDs COMENTADOS