DIE HARD (LIMITED EDITION)
Música composta e regida por Michael Kamen

Selo:
Varèse Sarabande CD Club
Catálogo:
 02021004  
Ano: 2002
21 Faixas:
Duração: 76:51
Cotação:


Comentário de
J
orge Saldanha

 

Por anos, todos aqueles que apreciam trilhas sonoras e assistiam Die Hard (Duro de Matar no Brasil), filme de grande sucesso que consagrou Bruce Willis como herói de ação, se perguntavam quando aquele vibrante score, uma das melhores obras do compositor Michael Kamen, iria merecer uma edição em CD. Nos últimos anos, dele somente alguns temas surgiram em coletâneas de cinema. A antologia da própria Varèse Sarabande "Screen Themes" (VSD 5208) apresentava a faixa "The Terrorist", com John Scott regendo a Royal Philharmonic Orchestra. Já em “Michael Kamen Opus”, o próprio compositor apresentou a faixa "Tagaki Dies", uma variação orquestral de "The Nakatomi Plaza", que abre este álbum. Meros aperitivos para fãs do filme e da música de cinema, que por anos esperaram um álbum dedicado exclusivamente a este score.

A espera foi parcialmente recompensada há alguns anos, com o lançamento de Die Hard em edição promocional. Mas que, indiscutivelmente, não se compara a este lançamento limitado (3.000 cópias) da Varèse Sarabande em seu CD Club, que possui mais de 20 minutos adicionais de música e qualidade de som superior. Finalmente ouvindo a partitura na íntegra, é fácil de se constatar porque ela se encaixa tão bem no filme, mesmo que seu único tema recorrente seja um mero motivo de quatro notas. É uma trilha coesa e interessante, apropriadamente "musculosa" nas seqüências de ação, mas que adicionalmente conta com alguns inspirados recursos.  É  predominantemente orquestral, com trechos atonais e marcadamente percussivos, porém à orquestra são combinados efeitos e instrumentação eletrônicos leves mas efetivos ao extremo, notadamente nas porções iniciais em que o suspense é construído.

O filme possui algumas características que, à época, o diferenciaram de outras produções no gênero, como um herói capaz de grandes façanhas, mas que está longe de ser frio ou invulnerável; também, a exemplo de Lethal Weapon, a ação transcorre no Natal, época incomum para os atos de violência que vemos na tela, o que gera um admirável contraste dramático. A humanização da trama reflete-se na partitura: acordes de violão remetem ao herói e cowboy contemporâneo John "Roy Rogers" McClane (Willis); sinos e outros efeitos natalinos nos lembram das festividades; a 9ª Sinfonia de Beethoven surge como inesperado motivo para os vilões ("Gruber's Arrival", "Ode to Joy") e clássicos da canção norte-americana, como "Let it Snow! Let it Snow! Let it Snow!", pontuam momentos leves e o final feliz. Para as cenas de ação, Kamen reserva suas composições "musculosas", em faixas como "The Fight" ou as longas "Assault on The Tower" (mais de oito minutos!) e "The Battle" (mais de dez minutos!). Em determinados momentos os 76 minutos de duração do CD poderão parecer excessivos, devido à estrutura intrínseca da partitura e à organização das faixas no álbum, mas este é um preço menor a se pagar para que sejam usufruídos em disco, finalmente, alguns dos melhores momentos da música de ação dos anos 80.

No entanto, este é mais um exemplo de partitura original que sofreu mudanças na montagem final do filme, com faixas sendo recortadas e utilizadas em trechos diferentes daqueles para os quais haviam sido compostas, outras sendo eliminadas e substituídas por composições de outros autores. Assim, para aqueles que estranharão a ausência, no CD, da música ouvida ao final, quando o policial Powell mata o terrorista Karl,  informamos que ela foi retirada da trilha original de Aliens, de James Horner. O que aconteceu é que a composição havia sido utilizada como temp track, e o diretor John McTiernan gostou tanto do resultado que ela permaneceu na montagem final... De fato, a última composição de Kamen a se ouvir no filme é "Gruber´s Departure", a penúltima do CD, que sela o destino final do vilão interpretado por Alan Rickman. Nos momentos seguintes foram utilizados trechos de Man on Fire, de John Scott, até chegarmos ao "momento Horner" acima citado.

O CD encerra com um arranjo instrumental e leve de Kamen para "Let it Snow! Let it Snow! Let it Snow!", utilizado no filme como source music (nos créditos finais ouvimos a gravação original cantada por Vaugh Monroe). Como bônus, o encarte do CD apresenta um longo comentário do especialista Nick Redman sobre Kamen e o filme, e que se detém principalmente na concepção original do score. Sem dúvida, este álbum é um dos melhores lançamentos da gravadora em 2002.

CDs COMENTADOS