THE MAN WITH THE GOLDEN GUN
Música composta e regida por John Barry


Selo: EMI/Capitol
Catálogo: 41424
Ano: 2003

Faixas:
1. Main Title - The Man With The Golden Gun 
2. Scaramanga's Fun House 
3. Chew Me In Grisly Land 
4. The Man With The Golden Gun 
5.
Getting The Bullet
6. Goodnight Goodnight 
7. Let's Go Get Them 
8. Hip's Trip 
9. Kung Fu Fight 
10. In Search Of Scaramanga's 
11. Return To Scaramanga's 
12. End Title - The Man With The Golden Gun 
Duração: 43:16

Cotação:


Comentário de
Hugo Moya Arancibia

 

007 Contra o Homem da Pistola de Ouro é considerado quase unanimemente como o filme mais fraco da série de James Bond, e sua música não tem uma sorte muito distinta. É justo assinalar que esta trilha sonora não é a pior da série, ainda que seja a pior composta por John Barry, que voltou para este filme após Com 007 Viva e Deixe Morrer, cuja trilha  foi de George Martin. Sem dúvida não foi um regresso glorioso de Barry já que, francamente, a música que compôs para este filme foi bastante deficiente, inclusive o próprio compositor evita falar muito a respeito por não sentir que tenha feito um bom trabalho. Igual situação ocorre com o co-autor da canção principal, Don Black. Frente a isto evitamos maiores comentários, afinal, se os próprios autores se autocriticam, o que mais poderia adicionar este simples comentarista?

O problema desta trilha já começa com a canção principal, “The Man with the Golden Gun”, que talvez seja ainda hoje, musicalmente a mais deficiente já composta para a série, por se tratar de uma canção muito pouco atraente e que, fato raro, é muito difícil de classificar. Em que pesem meus limitados conhecimentos musicais, não poderia dizer que se trata de uma balada, ou tampouco que se trata de um rock. O que posso afirmar é que a letra da canção é, definitivamente, um resumo do argumento do filme, que retrata como nenhuma outra o que posteriormente veremos na tela. Nenhuma outra canção da série conseguiu isso, nem a consagrada Goldfinger. Apesar da letra muito apropriada, esta canção não foi acompanhada por uma boa melodia, que é o que finalmente se exige, especialmente para os países onde não se fala inglês. Mesmo a canção sendo débil, o compositor utilizou-a abundantemente como padrão instrumental, e o resultado obtido foi uma trilha sonora ainda mais fraca. Diferentemente de trabalhos anteriores, John Barry utilizou esta canção para todo o tipo de cenas, o que funcionou relativamente bem, exceto nas seqüências românticas. A utilização da canção principal para estas cenas significou forçar ao máximo a situação. Em primeiro lugar porque, ainda que se trate de uma versão instrumental, esta canção não é romântica, e por outro lado, para obter o efeito romântico, foi necessário desacelerar ao máximo seu ritmo, o que provocou sua descaracterização. Talvez o melhor fosse compor um tema especial para estas seqüências, mas que de qualquer modo não foram muitas.

A utilização do “Tema de James Bond” merece uma atenção especial: durante todas as películas anteriores de Bond em que Barry participou, ele sempre incorporou o “Tema de James Bond” em sua versão original, a qual correspondia ao arranjo feito por ele mesmo para Dr. No. Excepcionalmente incluiu algumas variações, as quais nunca repetiu, mas foi em 007 Contra o Homem da Pistola de Ouro que Barry debutou a versão sinfônica do tema, mantida sem maiores variações até sua aposentadoria da série. Nunca mais se ouviu nas trilhas compostas por Barry o típico som da guitarra elétrica utilizado na década anterior. A partir deste filme sempre escutaríamos a versão sinfônica, que em termos gerais era igual à anterior, salvo uma pequena passagem que não altera a essência do tema. Trata-se por certo de uma versão mais elaborada e de melhor sonoridade, e que talvez demonstre a intenção de Barry em criar uma versão mais identificada com ele, e desta forma estabelecer uma diferenciação entre o tema original e esta nova versão. No disco “Moviola II”, que é uma compilação das melhores composições de Barry, a versão incluída do “Tema de James Bond” é a sinfônica. Quanto aos outros compositores que vieram posteriormente, em geral a versão inspiradora era a original.

O resto da trilha não oferece maiores atrativos, por constituir-se de peças bastante obscuras e algumas com clara inspiração étnica (a história se passa principalmente na Tailândia), mesmo assim destaco “Let’s go get ‘em” (que contém a versão sinfônica do “Tema de James Bond”) e “Kung Fu Fight”, ambas por sua grande força. De resto, não se nota uma grande ausência de músicas no disco em comparação ao que ouvimos no filme, ainda que o CD “Bond Back In Action 2” apresente um par de faixas que não foram incluídas nem no disco original e nem nesta reedição remasterizada ("Slow boat from China" / "Nick Nack"). Finalmente, um dado curioso: a canção dos créditos finais (que é a mesma dos créditos principais) começa com uma letra diferente e em ritmo mais lento, para desembocar finalmente na letra e ritmo originais.

CDs COMENTADOS