MATRIX RELOADED
Música composta por Don Davis, Vários


Selo: Warner/Sunset
Catálogo: CDW 48411
Ano: 2003
Faixas:

Disco 1
1.
Session - Linkin Park
2. This Is The New Shit - Marilyn Manson
3. Reload - Rob Zombie
4. Furious Angels - Rob Dougan
5. Lucky You - Deftones
6. The Passportal - Team Sleep
7. Sleeping Awake - P.O.D.
8. Bruises - Unloco
9. Calm Like A Bomb - Rage Against The Machine
10. Dread Rock - Oakenfold
11. Zion - Fluke
12. When The World Ends (Oakenfold remix) - Dave Matthews
Disco 2
1. Main Tiltle - Don Davis
2. Trinity Dream - Don Davis
3. Teahouse - Juno Reactor
4. Chateau - Rob Dougan
5. Mona Lisa Overdrive - Don Davis & Juno Reactor
6. Burly Brawl - Don Davis vs. Juno Reactor
7. Matrix Reloaded Suite - Don Davis

Duração: 90:52

Cotação: Disco 1

Cotação: Disco 2

Comentário de
J
orge Saldanha

 

Tomando o mundo de assalto em 1999, a criação dos irmãos Andy e Larry Wachowski, Matrix, trouxe o merecido reconhecimento ao compositor Don Davis, que criou um score que se destacava da música eletrônica que foi incluída na trilha sonora do filme. Naquela ocasião, dois álbuns da trilha foram lançados separadamente, um mais comercial incluindo canções rock e techno, e outro da gravadora Varèse Sarabande com meros 30 minutos da música de Davis. Para Matrix Reloaded, o consumidor foi beneficiado pela decisão da Warner Records de lançar um CD duplo, onde o primeiro disco contém as canções utilizadas no filme ou por ele inspiradas, e o segundo, as músicas da trilha incidental. E tudo isso com um importante bônus - preço equivalente ao de um CD simples.

O primeiro disco, sem surpresa, é irregular, apesar de na minha opinião ser bem mais satisfatório que a coletânea do filme original, uma vez que inclui algumas faixas instrumentais. Fanáticos do rock provavelmente preferirão as músicas de Marilyn Manson e Rob Zombie, enquanto os adeptos da música techno e eletrônica ficarão satisfeitos com os ritmos de Paul Oakenfold, Fluke e Rob Dougan. Mas para mim e, tenho certeza, a maioria dos Scoretrackers, o melhor está no segundo disco. Mas que infelizmente possui apenas 41 minutos de duração e omite grande parte do trabalho de Davis, a fim de dar espaço para o conteúdo em CD-ROM - dispensáveis prévias de Matrix Revolutions e do game Enter The Matrix. Entre o score incluído, destacam-se os 17 minutos de "Matrix Reloaded Suite", onde Davis reúne os principais temas do filme (com a exceção do "Main Title" e "Trinity Dream", que abrem o CD em faixas próprias). O dinâmico score que Davis compôs para o primeiro filme era realmente muito bom, entretanto sofria de uma limitação conceitual - tinha de ser um tanto quanto frio e pobre em harmonia. Para Reloaded o score é estruturalmente mais rico e complexo, demonstrando que os irmãos Wachowski deram a Don Davis maior liberdade criativa.

Além disso, o compositor não se limitou a retrabalhar os motivos originais e a repetir o padrão musical estabelecido; até certo ponto ele fez isso, mas também desenvolveu seus temas e criou músicas mais elaboradas, épicas e melódicas. Como resultado, esta partitura apresenta um conteúdo mais humano e esperançoso, que sinaliza a futura vitória da humanidade contra a sintética Matrix e seus servos. E mais, há ainda outro fator que distingue este score. No filme original, em nenhum momento a música orquestral foi combinada com os ritmos eletrônicos, ouvidos normalmente nas cenas de luta ou de ação. Desta vez temos tanto orquestra como música eletrônica, juntas, em determinadas faixas. Em "Chateau", Rob Dougan utilizou samples orquestrais em um resultado que me lembrou o trabalho de David Arnold nos filmes recentes de Bond. Porém, o melhor vem depois. Don Davis optou por misturar a orquestra com a música eletrônica em duas composições, nas quais o ritmo techno foi providenciado por Juno Reactor, liderado pelo compositor Ben Watkins.

A primeira faixa desta audaciosa colaboração, que poderia a princípio soar-nos estranha, é "Mona Lisa Overdrive", onde nos seus 10 minutos de duração podemos ouvir afiadas intervenções da orquestra sobre os ritmos e sons proporcionados pelo que de melhor a música eletrônica contemporânea pode oferecer. Adicionalmente, é nesta faixa que o coral é ouvido pela primeira vez no álbum, ajudando a tornar esta criação definitivamente memorável. A combinação de estilos segue na frenética "Burly Brawl", que acompanha o confronto do herói Neo contra o vilão agente Smith e seus mais de 100 clones. Conforme a luta torna-se mais e mais louca (e surrealista), Davis faz sua música seguir o ritmo cada vez mais acelerado da ação, extraindo da orquestra uma performance admirável. Juno Reactor ainda faz mais uma aparição solo na curta (e boa) "Teahouse", onde temos a taiko drum de Gocoo. Por todas estas razões, o score de Matrix Reloaded é uma rica experiência que extrapola as telas e agrada a nós, ouvintes, fazendo-nos reclamar apenas das partes ausentes do trabalho de Don Davis. Quem sabe, talvez algum dia tenhamos uma versão expandida desta trilha original. Comecemos a desejar... e a esperar.

CDs COMENTADOS