MATRIX REVOLUTIONS
Música composta por Don Davis


Selo: Maverick
Catálogo: 48412
Ano: 2003
Faixas:

1. Don Davis: The Matrix Revolutions Main Title (1:19) 
2. Don Davis/Juno Reactor: The Trainman Cometh (2:38) 
3. Don Davis/Juno Reactor: Tetsujin (3:18) 
4. Pale: In My Head (3:50) 
5. Don Davis: The Road to Sourceville (1:23) 
6. Don Davis: Men in Metal (2:16) 
7. Don Davis: Niobe's Run (2:44) 
8. Don Davis: Woman Can Drive (2:39) 
9. Don Davis: Moribund Mifune (2:16) 
10. Don Davis: Kidfried (3:23) 
11. Don Davis: Sawbitch Workhorse (3:56) 
12. Don Davis: Trinity Definitely (4:12) 
13. Don Davis: Neodämmerung (2:36) 
14. Don Davis: Why, Mr. Anderson? (6:08) 
15. Don Davis: Spirit of the Universe (4:48) 
16. Don Davis/Juno Reactor: Tetsujin (9:13)

Duração: 63:28

Cotação:

Comentário de
J
orge Saldanha

 

O compositor Don Davis teve um ano atarefado em 2003. Ele compôs mais de seis horas de música para a franquia Matrix – duas continuações, Matrix Reloaded e Matrix Revolutions, nove curtas de animação reunidos na coletânea Animatrix e o game Enter the Matrix. Para o capítulo final da trilogia de filmes Matrix, Davis criou a mais intensa, épica e tocante música ouvida na série, em uma muito interessante e sólida evolução musical do trabalho originalmente criado para o filme de 1999. Matrix possuía um poderoso score de vanguarda composto por Davis, o qual dividia a tela com música rock-eletrônica. Em disco, foi lançada uma coletânea de canções, além de um CD da Varèse Sarabande contendo unicamente 30 minutos da partitura. Já para Matrix Reloaded Davis compôs um score mais longo e rico (infelizmente o CD duplo omitiu grande parte dele), em alguns casos combinando o coral e a orquestra com os ritmos eletrônicos pulsantes do trio Juno Reactor. Finalmente, em Matrix Revolutions, a luxuriante música orquestral de Davis é o foco central da atenção, com os sons pop e eletrônicos relegados a um plano muito secundário.

O álbum de Revolutions apresenta mais de uma hora de música, com quase 50 minutos da partitura orquestral de Don Davis interpretada por mais de 200 instrumentistas e vocalistas. A única canção incluída é a deslocada "In My Head", interpretada por Pale 3, ouvida no clube do personagem Merovingian. Há duas score tracks de Davis novamente em parceria com Juno Reactor, e uma versão remix do trio para "Neodämmerung" ("Nevra") com nove minutos de duração, ouvida durante os créditos finais, na qual foram utilizados coral e estranhos vocais femininos do Oriente Médio. É necessário ressaltar que, desta vez, mesmo nas faixas em colaboração com Juno Reactor, é o trabalho de Davis que prevalece. O filme narra os últimos esforços de Neo (Keanu Reeves), Morpheus (Laurence Fishburne) e Trinity (Carrie-Anne Moss) contra a Matrix e sua legião de máquinas, a fim de salvar a última cidade do mundo real, Zion. Esta conclusão épica, muito criticada por privilegiar a ação no lugar de uma trama mais inteligente, é largamente beneficiada pelas duas horas de música original escrita por Don Davis. A maior duração da partitura foi necessária devido às épicas seqüências de batalha mostradas ao longo do filme.

Novamente temos muita música faltando no CD, porém o último álbum da franquia é completo o suficiente para satisfazer à grande maioria dos ouvintes. Em "Logos/Main Title", a assinatura musical da série, um motivo de duas notas interpretado por metais, abre o score. Como de hábito, a seqüência dos créditos principais é ligeiramente diferente das que foram vistas nos filmes anteriores, mesmo em termos musicais. Desta vez o tema é mais dramático, representando os eventos capitais que conduzirão a trilogia ao seu final. "The Trainman Cometh" e "Tetsujin", faixas com a colaboração de Juno Reactor, são essencialmente o score de Davis com acompanhamento mínimo de sintetizadores. A primeira faixa marca a curta aparição inicial do conhecido tema de Neo e Trinity, uma das melhores criações de Davis. A segunda nos mostra um atraente uso dos tambores Kodo, antes do ritmo eletrônico começar. "Men in Metal" apresenta uma versão mais militar do motivo de Zion que foi ouvido pela primeira vez em Reloaded, no momento em que vemos os “Mechwarriors” da última cidade humana livre preparando-se para a batalha. "Niobe's Run" é música de ação no melhor estilo Matrix, iniciando com acordes de suspense que logo em seguida são substituídos pelo conhecido motivo das Sentinelas, que se desenvolve em uma estimulante música de perseguição.

"Woman can Drive" é uma faixa de ação soberba que acompanha a agitada corrida da nave pilotada por Niobe rumo a Zion, conduzida por cordas rápidas e metais em alto volume. "Moribund Mifune" e "Kidfried" são os melhores exemplos da música de batalha de Davis, ouvida no grande ataque das máquinas a Zion. A primeira composição inicia com coral e violinos dramáticos, encerrando-se com um triste trompete que anuncia a morte do bravo guerreiro. Na segunda, a música é interpretada com a orquestra a plena força, e atinge níveis intensos de emoção quando alguns atos heróicos são praticados na tela. "Saw Bitch Workhorse" descreve, de forma poderosa, algumas visões de pesadelo na Cidade das Máquinas, além de pontuar o confronto de Neo com as Sentinelas. Mas, definitivamente, a melhor faixa de ação do score é "Neodämmerung", que inicia com o coral entoando cânticos em sânscrito, com um piano percussivo de acompanhamento. A faixa acompanha a luta final entre Neo e o Agente Smith, combinando harmonia e elementos atonais, com a orquestra interpretando de forma brilhante alguns dos temas principais do filme. A faixa seguinte, "Why. Mr. Anderson?", é uma composição dramática que descreve o último destino de Neo e Smith. Em um nível mais melódico, "Trinity Definitely" é uma faixa emocionante que, após uma melancólica introdução, nos presenteia com a mais tocante e triste versão do tema de amor da série, destacando-se as interpretações de violoncelo e trompa.

Outro destaque nesta área é "The Road to Sourceville", que acompanha a jornada de Neo e Trinity até a Cidade das Máquinas, com um belo trabalho de cordas e metais. A última faixa da partitura, "Spirit of The Universe", emprega toda a orquestra com coral. A voz de um garoto soprano e uma harpa ressaltam os tons religiosos da mensagem final do filme, antes que o tema de duas notas nos leve a uma última, e estrondosa, intervenção da orquestra. Em resumo, o trabalho de Davis em Matrix Revolutions combina os já conhecidos sons dissonantes de Matrix com música mais harmônica, melódica e épica, polindo os motivos dominantes da série e, ao final, criando a melhor trilha sonora dos três filmes. Altamente recomendada.

CDs COMENTADOS