NORTH BY NORTHWEST
Música composta e regida por Bernard Hermann


Selo: Rhino Movie Music
Catálogo: R272101
Ano: 1995
Faixas:
1. Overture
2. The Streets (Outtake) 
3. It's A Most Unusual Day 
4. Kidnapped 
5. The Door 
6. Cheers 
7. The Wild Ride 
8. Car Crash 
9. The Return 
10. Two Dollars 
11. Rosalie 
12. In The Still Of The Night 
13. The Elevator 
14. The U.N. 
15. Information Desk 
16. The Knife 
17. Fashion Show 
18. Interlude 
19. Detectives 
20. Conversation Piece 
21. Duo 
22. The Station 
23. The Phone Booth 
24. Farewell 
25. The Crash 
26. Hotel Lobby 
27. The Reunion 
28. Goodbye 
29. The Question 
30. The Pad & Pencil 
31. The Auction 
32. The Police 
33. The Airport 
34. The Cafeteria 
35. The Shooting 
36. The Forest 
37. Flight 
38. The Ledge 
39. The House 
40. The Balcony 
41. The Match Box 
42. The Message 
43. The T.V. 
44. The Airplane 
45. The Gates 
46. The Stone Faces 
47. The Ridge 
48. On The Rocks 
49. The Cliff 
50. Finale 
Duração: 64:15

Cotação:


Comentário de
Jorge Luis Viera

 

Ao longo da história do cinema, houve ocasiões em que a música foi a tal ponto determinante na filmografia de um diretor que, caso não estivesse acompanhando o filme, este não teria a mesma qualidade e prestígio. Assim, quatro binômios (compositor/diretor) podem ser considerados paradigmáticos: Steven Spielberg e John Williams, Federico Fellini e Nino Rota, Francois Truffaut e Georges Delerue e, aquele que agora nos interessa, Sir Alfred Hitchcock e Bernard Herrmann. Intriga Internacional (North by Northwest, 1959), foi para o diretor inglês uma espécie de resumo de sua obra na América do Norte, assim como The Thirty Nine Steps (em sua primeira versão) o foi de sua obra original inglesa.

Hitchcock não conseguiu trabalhar com o talentoso compositor de Citizen Kane até 1956 (três anos antes deste filme). Hitchcock sabia que com Herrmann tinha muitos pontos em comum: ambos eram inteligentes e sensíveis acima da média, mas também melancólicos e mal-humorados na mesma proporção. A admiração pessoal mútua que nutriam serviu para o trabalho em conjunto; mas enquanto o inglês era frio e reservado, Herrmann - o norte-americano - era um apaixonado que não hesitava nem um segundo em expandir-se conforme seu estado de ânimo, coisa que Sir Alfred não via com bons olhos. M
esmo assim,
Hitchcock e Herrmann, no fundo, haviam nascido artisticamente um para o outro. O Mestre do Suspense delegou grande parte da responsabilidade de seus filmes ao compositor, e este desempenhou a tarefa como nunca ocorreu, antes ou depois, na  indústria do entretenimento.

North by Northwest, a quinta colaboração entre ambos, oculta sob sua aparência de simples diversão uma segunda leitura sumamente interessante. Trata-se de uma idéia que o diretor iria desenvolver plenamente em seu filme de 1960, Psycho. A casualidade substitui sempre a causalidade e o mundo se diverte às custas das expectativas de nós, os seres humanos, a quem o destino comanda. Esta segunda leitura não está, na realidade, nos diálogos ou nos elementos de comédia que tem o filme, mas sim na constante sensação de ameaça que gera a música de Bernard Herrmann. O tema dos créditos principais ilustra musicalmente o trabalho gráfico do grande Saul Bass, onde uma série de linhas oblíquas e horizontais se entrecruzam até formar a estrutura de um arranha-céu, que logo torna-se real. Ambos os artistas - Bass e Herrmann - entenderam o pano de fundo do filme, já que as linhas que se entrecruzam representam esse destino caprichoso que nos encontra em um dia qualquer, para mudar nossa vida.

No filme, Cary Grant, um publicitário bem sucedido, verá como se torce o seu destino, ao ser confundido por engano com um agente secreto.
Neste contexto, igualmente Herrmann se permite a um que outro momento de lirismo, muito ao seu estilo, ao apresentar musicalmente a relação de Grant com Eve Marie Saint, interesse amoroso tanto do protagonista como do vilão (James Mason). Na faixa “Mount Rushmore”, a perseguição ao final do filme, Herrmann recorre a uma solução atípica, o uso do fandango - um furioso ritmo espanhol que funciona como base de uma orquestração para metais e percussão. Esta referência não busca uma caracterização de local (a ação transcorre somente nos EUA), é apenas uma abstração que representa a louca corrida do protagonista, sobre quem o mundo literalmente "caiu em cima".

Para quem quiser obter esta trilha sonora, North by Northwest foi disponibilizada em duas versões: a completa (da RHINO Movie Music, que apresenta as gravações originais) e a regravação regida pelo compositor Laurie Johnson, o criador musical do score da série de TV dos anos 60 Os Vingadores (The Avengers) e amigo pessoal de Herrmann, editada por dois selos: o norte-americano Varèse Sarabande (VCD 47205) e o inglês Unicorn Kanchana (UKCD 2040). Estas são as opções para desfrutar da partitura original de uma comédia de ação que diverte, mas também faz pensar. O que não é incomum, tratando-se de Hitchcock e muito menos de Bernard Herrmann.

 

 

 

 

 

 

 

CDs COMENTADOS