SIN CITY
Música composta por Robert Rodriguez, Graeme Revell e John Debney, regida por
John Debney e Bruce Babcock

Selo:
Varèse Sarabande
Catálogo:
302 066 644 2
Ano: 2005

Faixas:
1. Sin City (Rodriguez)  
2. One Hour to Go (Rodriguez) 
3. Goldie’s Dead (Revell) 
4. Marv (Revell/Rodriguez) 
5. Bury the Hatchet (Revell) 
6. Old Town Girls (Revell/Rodriguez) 
7. The Hard Goodbye (Revell) 
8. Cardinal Sin (Revell/Rodriguez) 
9. Her Name is Goldie (Revell) 
10. Dwight (Debney) 
11. Old Town (Debney/Rodriguez) 
12. Deadly Little Mino (Debney/Rodriguez) 
13. Warrior Woman (Debney) 
14. Tar Pit (Debney) 
15. Jackie Boy’s Head (Debney) 
16. The Big Fat Kill (Debney) 
17. Nancy (Rodriguez) 
18. Prison Cell (Rodriguez) 
19. Absurd (Fluke) 
20. Kiss of Death (Rodriguez) 
21. That Yellow Bastard (Rodriguez) 
22. Hartigan (Rodriguez) 
23. Sensemaya (Silvestre Revueltas) 
24. Sin City End Titles (Rodriguez)
Duração: 58:14
Cotação:


Comentário de
J
orge Saldanha

 

A adaptação cinematográfica de Robert Rodriguez (Um Drink no Inferno, as trilogias Mariachi e Spy Kids) da graphic novel de Frank Miller possui três histórias. Rodriguez e Miller co-dirigiram os segmentos, com a ajuda de ninguém menos que  Quentin Tarantino, creditado como "diretor convidado". Apesar de possuírem histórias distintas, os segmentos deste filme, que realmente parece uma história em quadrinhos trazida à vida, compartilham o mesmo estilo de narrativa, locação e mesmo alguns personagens.

Algo parecido pode ser dito a respeito da trilha sonora original de Sin City. O filme recebeu um score noir e jazzístico interpretado pela The Hollywood Studio Symphony, cortesia de três compositores: o próprio Rodriguez, Graeme Revell e John Debney. Esta parceria, que continuará no próximo filme de Rodriguez (
The Adventures Of Shark Boy And Lava Girl In 3-D), funciona muito bem, baseada em saxofone (que chega a ser sensual), piano, percussão e orquestra (onde se destacam as cordas em registro grave), que ajudam a fornecer ao ouvinte uma música dramática e sombria nos momentos certos. Apesar dos três compositores trabalhando em três histórias à parte, cada seção da trilha sonora, retendo sua própria identidade e estilo, complementa uma à outra. Rodriguez compôs um score incomum (para ele) no segmento de Hartigan/Nancy Callahan, além do tema principal do filme, ao passo que Revell musicou a história de Marv/Goldie e Debney a de Dwight/Jackie Boy. 

Este álbum com a trilha sonora apresenta as faixas na ordem cronológica em que são ouvidas no filme, iniciando com "Sin City Theme", uma vívida composição conduzida por linhas de baixo e saxofone, que a tranformam numa espécie de versão dark do clássico tema "Peter Gunn", de Henry Mancini. Segue "One Hour to Go", baseada em cordas e percussão, também composta por Robert Rodriguez, que brevemente introduz a história de Hartigan no início do filme. Na continuação temos o score de Graeme Revell para o segmento de Marv/Goldie, que começa com a faixa "Goldie's Dead". "Marv" usa o tema principal de Rodriguez como linha mestra, enquanto a percussiva e ameaçadora "Bury the Hatchet" apresenta um interessante uso do piano e vocais femininos, que trazem ao ouvinte uma efetiva sensação de solidão. O sax sexy conduz a curta "Old Town Girls", que rapidamente a "The Hard Goodbye", a composição mais longa de Revell onde os vocais femininos retornam, seguidos por um efetivo conjunto de violinos, sopros, piano, metais e percussão. Até o seu fim ("Her name is Goldie"), a porção de Revell do score faz o menor uso da orquestra, o que lhe dá um senso de solidão e frieza, um complemento perfeito para o personagem de Marv. 

Com
"Dwight", tem início o trabalho de John Debney, que ao contrário da contribuição de Revell, que soa fria e metálica, é um esforço mais temático e orquestral, que emprega ritmos jazzísticos acelerados, bongôs e a seção de cordas, como ouvimos em faixas como "Old Town" and "Jackie Boy’s Head". Também, esta abordagem mais tradicional com o uso da orquestra faz esta parte do score soar bem mais dramática, com os pontos altos orquestrais encontrados em "Warrior Woman" e "The Big Fat Kill". Além da orquestra, Debney faz um uso bem eficaz do sax e do trompete, como em "Deadly Little Mind" e "Tar Pit". A parte da história que coube a Robert Rodriguez começa com as faixas "Nancy" e "Prison Cell." No começo deste comentário, disse que este é um score incomum para o realizador/compositor: ouça aos violinos, harpa e notas de piano destas músicas e você descobrirá porque. A próxima faixa é a dark-techno "Absurd", interpretada por Fluke, diferente de todas as outras composições do disco mas uma interessante adição para os fãs do filme. 

Após esta pausa Rodriguez retorna para as próximas três faixas. "Kiss of Death" é uma ultrajantemente (e muito legal) composição romântica com pianos e cordas, que encerra-se com violinos afiados e "herrmannescos". "That Yellow Bastard" é música de ação, que termina em suspense. Finalmente, as dramáticas cordas ascendentes e descendentes de "Hartigan" levam o score de Rodriguez a uma conclusão mais do que satisfatória. Também foi incluída na trilha original a cinemática peça clássica de Silvestre Revueltas "Sensemaya", interpretada pela New Philharmonic Orchestra regida por Eduardo Mata. O tema principal de Rodriguez faz a sua última aparição em "Sin City End Titles", numa versão mais longa e orientada para o rock.

Como o filme a que serve, a  trilha sonora de Sin City é um trabalho que possui um sabor único. Isto pode ser considerado como uma surpresa genuína para muitos fãs da música de cinema, mas o fato é que Rodriguez combinou três diferentes estilos em um todo harmônico e coesivo, fazendo deste um score acima da média.

CDs COMENTADOS