Sleepers
Música composta e regida por John Williams. James Tatcher, trompa; Janet Fergurson, flauta

Selo:
Philips Classics
Catálogo:
454 988-2
13 Faixas
Cotação:


Comentário de
Miguel Andrade

 

Para esta adaptação da versão romanceada de acontecimentos verídicos, Barry Levinson realizou um filme razoável, cujo maior mérito está nas sempre brilhantes interpretações de Robert DeNiro e Dustin Hoffmann (aqui na pele de um advogado consumido pelo álcool), e uma surpreendente atuação de Brad Pitt, aqui num papel muito mais maduro. Diria mesmo que o forte do filme está no empenho que todos os atores demonstram para fazer disto algo que valha a pena ver. A segunda razão que torna interessante o filme é a partitura original de John Williams. Este trabalho do compositor veterano contêm uma das suas mais assombrosas melodias, pelo menos dos últimos anos... Há nela uma certa qualidade fantasmagórica, acentuada pelo jogo entre os timbres dos dois instrumentos que a entoam, a trompa e a flauta. O primeiro surge com um tom mais ameaçador e assustador, enquanto que o segundo sugere a inocência na infância dos protagonistas. Esta tema é usado no decorrer da partitura, mas é de salientar as suas aparições em "Sleepers at Wilkinson" , "Hell's Kitchen" e "Reunion and Finale".

A primeira destas (e a primeira faixa do álbum) começa com a apresentação do tema na trompa e depois na flauta. Após esta apresentação a música torna-se movimentada e agressiva, com a forte presença de sintetizadores e baixo elétrico. Este é também parte do som que faz parte de Sleepers, algo mais urbano, escrito sobre camadas de som, apresentando a orquestra em registros quase minimalistas, por baixo das texturas sintetizadas e elétricas. "Hell's Kitchen" começa neste tipo de registro, mas desta feita muito mais atmosférico. Após o primeiro minuto, a flauta vai suavemente surgindo, entoando o tema principal, levando-o para uma apresentação orquestral. A faixa de encerramento do CD, "Reunion and Finale" é bastante semelhante à segunda parte de "Hell's Kitchen" e uma forma satisfatória e positiva de terminar a audição. Há também de realçar a faixa 3, "The Football Game", cuja segunda parte tem uma excelente interligação entre as texturas eletrônicas e orquestrais, com uma agressiva interpretação dos metais.

O grande problema, na minha opinião, com a partitura para Sleepers, prende-se ao fato de a maioria das faixas serem demasiado atmosféricas e impessoais... estas resultam maravilhosamente bem no filme, nele tornando este trabalho extremamente eficiente. Mas como experiência extra-filmica, torna-se um pouco mais penosa. Há algumas passagens interessantes no decorrer das faixas, como em "Saying the Rosary", ao sobrepor sobre um coro a orar suavemente, um motivo que cria um sentimento de urgência. "Time in Solitary" é um longo e penoso adágio, que por vezes parece querer seguir outro caminho, mas que nunca se chega a realizar totalmente. "Revenge" é bastante interessante na forma como Williams consegue acelerar o tempo, criando novamente um sentimento de urgência, mas em vez de ter uma conclusão à altura, a música desvanece para o silêncio. "Learning the Hard Way" tem nos seus mais de cinco minutos de música atmosférica um motivo para percussão que surge sobre as texturas atmosféricas realizadas em sintetizadores. "Father Bobby's Decision" é interessante, na forma como trata um motivo secundário lado a lado com o tema principal.

Mas em geral as faixas são demasiado atmosféricas para suportar audições repetidas, e uma pessoa cansa-se de esperar por uma passagem. No filme a música cumpre a sua função de forma magistral, confirmando mais uma vez Williams como um dos grandes na sua arte, mas no CD torna-se cansativa e aborrecida, apesar do fantástico tema principal e das excelentes variações apresentadas em "Hell's Kitchen" e "Reunion and Finale" - autenticas peças de concerto! Será essencial para os seguidores mais radicais de Williams, para os outros será recomendável esperar e tentar encontrar uma das duas faixas já mencionadas numa compilação.

CDs COMENTADOS