A VIEW TO A KILL
Música composta por John Barry


Selo:
EMI / Capitol
Catálogo:
72435-41448-2-0
Ano: 2003

Faixas:
1. Main Title - A View to a Kill - Duran Duran
2. Snow Job
3. May Day Jumpers
4. Bond Meets Stacey (A View to a Kill)
5. Pegasus' Stable
6. Tibbett Gets Washed Out 
7. Airship To Silicon Valley 
8. He's Dangerous 
9. Bond Underwater 
10. Wine With Stacey (A View To A Kill) 
11. Bond Escapes Roller 
12. Destroy Silicon Valley 
13. May Day Bombs Out 
14. Golden Gate Fight 
15. End Title - A View to a Kill - Duran Duran 
Duração: 38:15
Cotação:


Comentário de
Hugo Moya Arancibia

 

O ano de 1985 é um marco para a música de James Bond, já que pela primeira vez na história da série, a canção principal ficou em primeiro lugar nas paradas de sucesso da Inglaterra e dos Estados Unidos. A canção tinha o mesmo título que o filme em inglês, “A View To A Kill”, foi composta por John Barry e Jason Corsaro e interpretada pelo então destacado grupo britânico Duran Duran. Ela se ajusta perfeitamente ao estilo pop predominante da época, que aliás se encaixava absolutamente com o estilo musical e interpretativo do Duran Duran. Esta canção, além disso, tinha algumas reminiscências das primeiras canções da série, como “Goldfinger”, “Thunderball” ou “On Her Majesty's Secret Service”. Seguindo a tendência de canções anteriores, sua letra não tem qualquer relação com o argumento da película. Salvo a transcendência da canção principal e de um apropriado tema de ação recorrente, esta trilha sonora não possui atrativos especiais. John Barry novamente se ajusta à fórmula padrão, mas sem o brilho de ocasiões anteriores.

Com este trabalho, de alguma maneira se regressa à normalidade, já que as duas trilhas anteriores compostas por Barry foram um tanto especiais (leia as análises da música de Moonraker e Octopussy). Novamente o “Tema de James Bond” é utilizado de forma moderada, ainda que neste caso tenha sido ainda menos que isso, já que foi ouvido apenas em uma seqüência (“May Day Jumps”), inserido dentro de outra composição original. Nesta breve aparição do tema, novamente é utilizada sua versão sinfônica, porém de forma menos majestosa que em trilhas anteriores. A canção principal foi utilizada instrumentalmente, mas não em seu espírito original, já que serviu para acompanhar cenas românticas. Esta situação implicou na necessidade de que fosse adaptada para uma interpretação mais lenta, trabalho que resultou surpreendentemente satisfatório (em especial se recordarmos o ocorrido em The Man with the Golden Gun). Se alguém fosse assistir 007 Na Mira dos Assassinos apenas para ouvir Duran Duran, sairia do cinema muito frustrado, já que ele é escutado apenas nos créditos principais e finais, e acredito que a versão instrumental não tenha agradado aos fãs do grupo.

Como Barry quase não utilizou o “Tema de James Bond”, ele compôs o tema que referi ao início, para substituí-lo nas  seqüências principais do filme, denominado genericamente no álbum como “He´s Dangerous”. Esta melodia é ouvida inicialmente na seqüência pré-títulos (“Snow Job”), na cena culminante do filme sobre a ponte Golden Gate, na perseguição pelas ruas de São Francisco e finalmente no enfrentamento dentro da residência de Stacey. Este tema certamente corresponde ao estilo Bond, ainda que se possa discutir se foi apropriada sua utilização. O restante da trilha sonora é constituída de música sem maior importância, a qual estranhamente - dado o estilo musical de Barry – não resulta em uma audição muito agradável, de modo não vale a pena tecer maiores comentários sobre ela.

Como em várias de suas antecessoras, existe música ouvida no filme que não foi incluída no disco original, e tampouco nesta reedição remasterizada. O disco “Bond Back In Action 2” resgata somente uma destas composições (“Fanfare”), uma poderosa fanfarra sinfônica baseada no estribilho da canção principal. Em resumo, se John Barry não estava em sua melhor forma para este trabalho, tampouco o protagonista e o próprio filme.

CDs COMENTADOS