ENSAIO SOBRE A CEGUEIRA
Direção: Fernando Meirelles
Elenco:
Julianne Moore, Mark Ruffalo, Alice Braga, Danny Glover, Gael García Bernal, Sandra Oh, Jorge Molina, Katherine East, Scott Anderson
Distribuidora: Fox
Duração: 121 min.

Região: 4

Lançamento: 06/04/2009

Nº de discos: 1
Cotações:
Filme
DVD

Comentários de
Carlos Dunham

SINOPSE
Em uma grande cidade não identificada, homem perde a visão enquanto dirigia seu carro, sem nenhum motivo aparente e sem que um oftalmologista consiga identificar a causa. A partir daí, todos aqueles que estiveram em contato com ele - da esposa ao próprio oftalmologista, passando pelos pacientes que também aguardavam atendimento com este último - começam a perder a visão, curiosamente enxergando tudo branco, e não escuro, como seria normal. Por ordens governamentais, as vítimas dessa "cegueira branca" são trancadas em regime de quarentena, sendo em seguida abandonadas pelas autoridades. E, para garantirem sua sobrevivência, precisam dominar seus instintos básicos e, principalmente, aprender a confiar uns nos outros - embora alguns internos não mereçam confiança. A esposa do oftalmologista, única pessoa que não foi atingida pela cegueira, é talvez também a única que consiga dominar tal situação.

COMENTÁRIOS
Depois do violentíssimo CIDADE DE DEUS e do belo thriller O JARDINEIRO FIEL - que transcendeu os limites do cinema de espionagem e quase chegou a ser um grande filme - Fernando Meirelles fica no meio do caminho com ENSAIO SOBRE A CEGUEIRA, primeira adaptação cinematográfica de um romance de José Saramago. Tecnicamente, como em seus outros filmes, fotografia, música, efeitos sonoros e direção de arte são de primeiríssima qualidade - merecendo um aplauso extra a forma como o desenhista de produção Tulé Peak transformou, no final do filme, a cidade de São Paulo em um legítimo cenário pós-apocalíptico.

Faltou, porém, um esforço de Meirelles em encontrar respostas para tudo aquilo que abordou na tela. Alguma eventual alegação de que o filme visaria "oferecer mais perguntas que respostas" não teria sentido porque ENSAIO SOBRE A CEGUEIRA não é nenhum 2001. Há boas sacações, como a de mostrar que o presídio (sim, o termo é esse) no qual os personagens estão internos está sem guardas e sem vigilância somente quando estes também o descobrem funciona muito bem, e faz com que personagens e público fiquem se indagando: "Mas somente agora que descobrimos isso?".

Contudo, o filme fica pretensioso a partir do momento em que Meirelles demonstra acreditar que o material abordado (pessoas que sem motivo algum ficaram cegas são arbitrariamente aprisionadas por decisão governamental) seria suficiente para justificar toda e qualquer ação dos personagens - e muita coisa acaba por não soar convincente. Julianne Moore é uma excelente atriz, mas, da forma com que seu personagem lida com tudo e todos na tela, dificilmente conseguiria enganar alguém com a mentira de também ser cega. E, do ponto de vista técnico, há pelo menos um erro grave de roteiro: a repentina morte de um personagem que estava envolvido em duas subtramas: um ferimento cuja gravidade estava auxiliando e muito a criar um clima de tensão entre os internos e o fato de ser este o único a pressupor que a personagem de Moore poderia enxergar. Assim, apesar da excelente qualidade de produção, o somatório de erros de ENSAIO SOBRE A CEGUEIRA revela que houve falta de cuidado em muitos tópicos, e consegue prejudicar consideravelmente o resultado final do filme.

DVD
Um DVD correto da Fox, mas que poderia ser bem melhor. Temos áudio de qualidade muito boa em inglês, espanhol e português - todos em Dolby Digital 5.1, além do recurso de Áudio Descrição em português 2.0 (para deficientes visuais). As legendas disponíveis são português, inglês e espanhol. E agora vem o maior pecado da apresentação do filme: incompreensivelmente, o formato de tela é fullscreen (4x3) letterbox na proporção original 1.85:1. É incompreensível que, em plena era da alta definição e outros aprimoramentos técnicos na área de home video, a major Fox lance um DVD utilizando uma ultrapassada transferência não anamórfica - um retrocesso injustificável.

EXTRAS
O DVD apresenta três extras - um making of sobre o filme, intitulado Uma visão da Cegueira; um breve curta-metragem sobre o grupo Uakti, de música instrumental; e sete cenas excluídas da montagem final.

  • UMA VISÃO DA CEGUEIRA - O making of possui quase 01 hora de duração, mas é muito interessante - nele, Fernando Meirelles e os demais membros da equipe não se limitam a dar depoimentos sobre a oportunidade que foi participar do filme ou a "rasgarem seda" uns aos outros, mas vão além, e revelam informações bastante ricas sobre o processo de ensaio e criação de ENSAIO SOBRE A CEGUEIRA - como os exercícios de interpretação pelo qual passaram os atores, que, de olhos vendados, tiveram que caminhar pelos cenários da mesma forma como seus personagens viriam a fazer, ou localizar aquele que estivesse com um alimento às mãos apenas pelo som e pelo odor. Ou a criação das imagens leitosas que representariam a forma como os personagens acometidos pela "cegueira branca" passariam a não ver o mundo: para atingir tal resultado, Meirelles e o diretor de fotografia Cesar Charlone filmaram um balde cheio de leite e misturaram com imagens de fumaça branca. Apesar da duração elevada para o extra de um DVD, o making of merece ser visto.

  • TRILHA SONORA - UAKTI - Em 12 minutos, o extra faz uma homenagem ao grupo de música instrumental que tem como uma das principais características (além da qualidade de seu trabalho) o hábito de criar seus próprios instrumentos. É interessante observar como o Uakti criou parte dos efeitos sonoros de ENSAIO SOBRE A CEGUEIRA, muitas vezes recorrendo não a instrumentos musicais propriamente ditos, mas a objetos do cotidiano - como um galão de água vazio, utilizado para a cena, no final do filme, em que a personagem de Julianne Moore entra em um supermercado que está sendo saqueado com o objetivo de encontrar comida.

  • CENAS EXCLUÍDAS - São sete as cenas excluídas, não identificadas por títulos e não separadas - nesse ponto o DVD deixa a desejar, pois o espectador é obrigado a assistir a essas de forma contínua, sem poder escolher a ordem de sua preferência; além disso, não há muita clareza a respeito de quando começa e quando acaba uma cena. A metragem cortada é mínima, menos de 10 minutos, e até mesmo por isso bem que algumas cenas (ou, melhor dizendo, trechos de cenas) poderiam ter sido mantidas. O desabafo do personagem de Danny Glover com o oftalmologista sobre a vida e a idade, antes de serem ambos acometidos pela cegueira branca, e o momento em que o personagem de Gael Garcia Bernal descobre-se igualmente cego, são dois valiosos trechos que poderiam ter enriquecido e bem o resultado final do filme.

DVDs COMENTADOS