Trilogia De Volta para o Futuro
Direção: Robert Zemeckis
Elenco:
Michael J. Fox, Christopher Lloyd
Distribuidora: Universal
Região: 4
Lançamento: 2003

Nº de discos: 3
 

Comentários de
Luiz Felipe do Vale Tavares

Finalmente, uma das trilogias mais esperadas em DVD chega ao mercado brasileiro. A trilogia De Volta para o Futuro teve seu lançamento adiado várias vezes, mas valeu a pena esperar. Os consumidores têm duas opções: ou só comprar o primeiro filme ou comprar o pacote com os três. Os fãs sem dúvida devem pegar o pacote, pois é provável que os filmes 2 e 3 não sejam futuramente vendidos separadamente. Além do mais, todos os três filmes são muito bons e valem o valor reduzido pela compra da trilogia completa. Vamos, então, a uma breve análise de cada DVD:

De Volta para o Futuro - Considerado por muitos como um pequeno clássico moderno do cinema, De Volta para o Futuro foi lançado em 1985, sendo um fenômeno comercial e sucesso de crítica e público. Com direção segura de Robert Zemeckis somada à produção de Steven Spielberg, uma ótima equipe e elenco perfeito, o resultado é um filme que se mantém muito bem nos dias de hoje (ao contrário da maioria dos filmes dos anos 80, que envelheceram muito), proporcionando doses exatas de aventura, humor e ficção-científica. A chave do filme é jogar nos anos 50 um típico adolescente dos anos 80 e fazer com que ele atrapalhe acidentalmente o primeiro encontro de seus pais. Caso ele não consiga unir seus pais, sua própria existência será apagada da história. Para complicar a situação, a própria mãe se apaixona por ele. Dá-lhe confusão e momentos hilários. Todos os atores estão perfeitos em seus papéis, sendo que Christopher Lloyd consegue roubar todas as cenas como cientista Emmet " Doc" Brown, que inventa a máquina do tempo.
Imagem: O filme é apresentado em widescreen anamórfico na proporção de 1.85:1. Comparado com a edição antiga em VHS (que era de boa qualidade), o DVD é um grande passo a frente. A imagem tem excelente definição e nitidez, as cores são precisas e bem definidas, e há pouquíssima granulação, salvo nas cenas mais escuras. A película utilizada está em ótimas condições e o resultado é uma apresentação de fantástica qualidade. Esse filme (e os demais da série) foi filmado originalmente em 1.33:1, ou seja, tela-cheia. O diretor Zemeckis sabia que esse filme seria visto por anos na TV e optou por um formato onde a transição para os padrões da TV não prejudicaria a apresentação. Para a exibição nos cinemas, o filme era formatado para 1.85:1, que é o formato desse filme em DVD. A escolha do formato para o DVD é óbvia. Na versão em tela-cheia há espaço inútil demais no topo e na base da imagem. A apresentação em widescreen oferece um enquadramento mais adequado e menos distração. Centralizando a ação, o filme fica mais eficaz.
Áudio: Aqui há opções para agradar aos gregos e troianos. O filme possui três trilhas de áudio. Em inglês nos formatos Dolby Digital 5.1 e DTS, e dublado em português no formato Dolby Digital 5.1. Tanto o áudio em inglês em Dolby como DTS oferecem uma excelente experiência sonora, embora raramente os canais traseiros de áudio sejam utilizados para criação de efeitos sonoros tridimensionais, ficando restritos a reforçar a trilha musical e a proporcionar efeitos de ambientação. O canal em DTS, por usar menos compressão no áudio, proporciona um melhor envolvimento, mas as diferenças com o canal Dolby são muito sutis. Quem assistia esse filme na versão dublada na TV deve se lembrar da pavorosa dublagem, com péssimas vozes que não tinham nada a ver com os personagens e péssimo trabalho de mixagem do som, onde a maioria dos efeitos sonoros e música ficavam com volume baixíssimo. Para o lançamento em DVD a Universal tomou o cuidado de redublar todos os filmes dessa série e remasterizá-los em Dolby Digital. Para quem gosta de filmes dublados (eu não) o resultado é bom, embora inferior ao áudio original em inglês.
Extras: Aqui esse DVD simplesmente brilha. Há material adicional de sobra para satisfazer desde o expectador comum até o fã mais exigente. Contém :

- Making Of original de 1985 : Curto (14 minutos), mas interessante, com entrevistas do elenco e algumas amostras dos efeitos especiais;
- Fazendo a Trilogia, capítulo 1: Com 14 minutos, tem basicamente o mesmo conteúdo do making of acima, porém com entrevistas mais recentes englobando um pouco das continuações também;
-Comentários em áudio do diretor Robert Zemeckis e do produtor Bob Gale: Em alguns pontos é interessante, em outros monótono. De qualquer forma é uma boa adição e há várias histórias interessantes sobre as filmagens;
-Erros de gravação hilários: não são tão hilários assim, mas dá para manter um sorriso durante as poucas cenas aqui apresentadas;
- Cenas Cortadas: há aproximadamente 9 minutos de cenas deletadas do filme finalizado. O segmento mais interessante é a cena em que Marty se veste de alienígena para coagir seu pai a ir ao baile, onde ficamos sabendo como Marty entrou na casa e como convenceu seu pai;
-Truques de maquiagem: interessante amostra dos testes de maquiagem de envelhecimento em Christopher Lloyd, Lea Thompson e Thomas F. Wilson;
-Curiosidades sobre o filme: escolhendo essa opção, pode-se assistir o filme com legendas contando anedotas e demais curiosidades sobre o filme;
-Arquivos da produção: com fotos dos atores, da produção e rascunhos do design do DeLorean;
-Storyboards comparados: Aqui pode-se assistir a uma comparação entre os storyboards e o filme finalizado em duas cenas importantes : a perseguição com o skate e o final na torre do relógio;
-Trailer original: um trailer no mínimo curioso, com péssima música sintética típica dos anos 80.
Cotações: Filme: ; Imagem: ; Som: ; Extras:

De Volta para o Futuro 2: Inferior ao primeiro filme, mas não menos interessante. O problema é a história confusa e o atropelo de situações. Marty McFly e Doc Brown chegam ao ano de 2015, voltam para um 1985 alterado e retornam a 1955 para corrigir a linha do tempo. Explicar tudo aqui é complicado e pode estragar as surpresas nas reviravoltas da trama. Dos três filmes o segundo é o que mais envelheceu, pois cometeu um erro fatal em inúmeros filmes de ficção, ou seja, mostrar um futuro absurdo e por demais próximo de nossos tempos. Certamente em 1989, quando esse filme foi feito, apenas um maníaco poderia imaginar um 2015 como vemos no filme. Pelo menos o efeito é cômico, mas deixa saudades do realismo do primeiro filme em mostrar com perfeição os anos 50. Fica a impressão do segundo filme não ser tão sério como o primeiro. Além disso, a premissa simples (e muito eficiente) no primeiro filme, que se fechava em torno da situação de Marty conseguir unir seus pais, é aqui esquecida em prol de situações que tem o único fim de fazer o expectador rir e vibrar com as cenas de aventura. Se o segundo filme não pretendesse ser tão ousado, teria funcionado melhor. O elenco aqui está perfeito, como antes, mas dá para notar que Michael J. Fox já estava ficando velho demais para interpretar um jovem de 17 anos.
Imagem: O filme é apresentado em widescreen anamórfico na proporção de 1.85:1. Por ser um filme mais recente que o primeiro, a imagem é ligeiramente melhor, com menos granulação e melhor definição.
Som: O filme possui três trilhas de áudio. Em inglês nos formatos Dolby Digital 5.1 e DTS, e dublado em português no formato Dolby Digital 5.1. A qualidade do áudio é superior ao do primeiro filme, com melhor uso dos canais traseiros e maior agressividade pelo subwoofer.
Extras:
-Fazendo a Trilogia, capítulo 2: continuação do documentário do DVD anterior;
-Erros de gravação: com duração de apenas alguns segundos e sem a mínima graça, ainda mais com a péssima qualidade da imagem;
-Cenas cortadas: Com 3 minutos de duração, a cena mais interessante é que mostra o destino do Biff velho após alterar o passado;
-Amostra de efeitos especiais: Com quase apenas 1 minuto, mostra os testes do hoverboard, sem áudio;
-Arquivos da produção: com fotos do elenco, da produção e dos equipamentos futuristas que aparecem no segmento do filme em 2015;
-Comparação com storyboards: aqui pode-se ver a comparação do storyboard com o filme na cena da perseguição de hoverboard;
-trailer original: é basicamente um breve apanhado dos eventos do filme.
Cotações: Filme: ; Imagem: ; Som: ; Extras:

De Volta para o Futuro 3 - Após a correria em viagens no tempo e um roteiro complicado do segundo filme, nada como se estabelecer em apenas um período, 1885. O terceiro filme é muito superior ao segundo, mas ainda assim um tanto inferior ao primeiro. O mérito aqui é jogar nossos heróis em pleno Velho-Oeste e ver as divertidas situações. Além disso, o filme convence mesmo ao mostrar com perfeição a fictícia cidade de Hill Valley em 1885. O humor é inteligente, como no primeiro filme, e há aventura, ação e suspense de sobra. A cena final do trem é um triunfo e está em pé de igualdade com a clássica cena da torre do relógio no primeiro filme. O elenco está perfeito, de novo, e temos a adição de Mary Steenburgen fazendo o interesse amoroso de Doc Brown. Sua inclusão no filme serve inclusive para dar um ar a mais de novidade na trama. Thomas F. Wilson, que interpretava o vilão Biff nos filmes anteriores, está incrível aqui como o bandido pistoleiro ascendente de Biff, Buford "cachorro-louco" Tannen; entra no hall dos vilões mais divertidos do cinema nos últimos tempos.
Imagem: O filme é apresentado em widescreen anamórfico na proporção de 1.85:1. Com a mesma excelente qualidade do segundo filme, mas que ainda se beneficia da melhor fotografia, principalmente nas locações no Monument Valley. Temos aqui, portanto, a melhor imagem dentre os três filmes.
Som: O filme possui três trilhas de áudio. Em inglês nos formatos Dolby Digital 5.1 e DTS, e dublado em português no formato Dolby Digital 5.1. A qualidade do áudio é também superior em relação ao primeiro filme e até um pouco melhor do que o do segundo, devido ao melhor uso de graves e melhor ambientação sonora.
Extras:
-Fazendo a Trilogia, capítulo 3: com 16 minutos, é a última parte do documentário iniciado no primeiro DVD;
-Erros de gravação: não muito interessante e com apenas um pouco mais de 1 minuto;
-Cenas cortadas: apenas uma cena envolvendo Buford "cachorro-louco" Tannen e o xerife da cidade;
-Arquivos da produção: com fotos do elenco e da produção. O mais interessante é a adição de esboços dos posters dos três filmes;
-Comparação com storyboards: há três cenas: o confronto com os índios, duelo na cidade e a seqüência final do trem;
-trailer original: apenas um breve apanhado dos eventos do filme;
- Vídeo musical ZZ Top's "Doubleback": certamente é a pior extra dos três DVDs;
-trailer de E.T. em DVD : mostra uma prévia do DVD a ser lançado em outubro. Apenas será lançada a edição especial, com novos efeitos especiais. A versão original, infelizmente, não acompanhará o DVD.
Cotações: Filme: ; Imagem: ; Som: ; Extras:

DVDs COMENTADOS