DOCTOR WHO: THE COMPLETE FIRST SERIES
Direção: Vários
Elenco:
Christopher Eccleston, Billie Piper, John Barrowman
Distribuidora: Warner / BBC
Duração: 585 min.
 

Região: 1

Lançamento: 04/07/2006

Nº de discos: 5
Cotações:
Filme
DVD

Comentários de
Jorge Saldanha

A SÉRIE
Rose Tyler, funcionária de uma loja de departamentos de Londres, leva uma vida típica de uma jovem da classe média baixa - ordinária e rotineira - até que uma noite os manequins da loja ganham vida e tentam matá-la. Ela é salva por um estranho que se identifica  apenas como “Doutor”, que luta para neutralizar uma presença alienígena que pretende aniquilar a raça humana. Ela descobre que seu novo amigo é o último sobrevivente dos Time Lords, raça alienígena capaz de viajar no tempo. Em sua nave TARDIS, que tem a aparência de uma cabine telefônica da polícia, o Doutor combate o Mal onde quer que ele esteja. Fascinada, Rose aceita o convite do Doutor e embarca na viagem de sua vida, na qual testemunhará a destruição da Terra daqui a cinco bilhões de anos, voltará ao passado onde conhecerá o escritor Charles Dickens, encontrará formas de vida e invasores mais estranhos do que jamais poderia imaginar e, é claro, seu verdadeiro amor.

Em 1963 estreou na Inglaterra uma série que se tornaria lendária entre os fãs de ficção científica, apesar de ser praticamente desconhecida em outros países: Doctor Who. Nela acompanhamos as aventuras do misterioso Doutor que, a bordo da sua espaçonave Tardis (que por fora aparenta ser pequena, mas por dentro é enorme) viaja pelo tempo e pelo espaço enfrentando formidáveis inimigos alienígenas e, quase sempre, salvando a raça humana da destruição. Tudo em histórias temperadas com os típicos humor e ironia ingleses. De 1963 a 1989, sete atores deram vida ao Doutor, até que a série (no gênero a de mais longa duração), progressivamente vitimada por roteiros ruins e valores de produção precários, fosse encerrada. Em 1996 foi feita uma tentativa de introduzir o Doutor às novas gerações, num telefilme produzido pela Fox estrelado por Paul McGann, porém ele foi considerado demasiadamente americanizado e o projeto não foi adiante. Finalmente, em 2004, a BBC encarregou Russell T. Davies de escrever e produzir uma nova série de Doctor Who que apresentasse o Time Lord para os espectadores do século 21. O ator Christopher Eccleston (Extermínio) foi contratado para ser o 9º Doutor, e a atriz e cantora Billie Piper foi escalada para interpretar Rose Tyler, sua jovem companheira de viagens. Com Davies comandando uma talentosa equipe de roteiristas, responsáveis por tramas imaginativas enriquecidas por personagens adoráveis e elaborados efeitos CGI e de maquiagem, a série conseguiu o feito de ser fiel às suas origens (ela dá um show de continuidade, resgatando antigos inimigos do Doutor com sua aparência original e até mesmo mantendo o clássico tema musical eletrônico de Ron Grainer, agora enriquecido com samplers orquestrais) e agradar mesmo àqueles que nunca haviam visto sequer um dos antigos episódios. O interessante é que Doctor Who, considerado por muitos um programa para crianças, trata de assuntos relevantes como vida e morte, a ambigüidade entre o bem e o mal, a manipulação de informações pela mídia e a própria cultura da televisão com muita inteligência, ironia, sarcasmo, humor e, por vezes, alto drama, tudo de uma forma raramente vista em séries do gênero. O Doutor virou mania (de novo) na Inglaterra em 2005, porém seus horizontes foram alargados a partir de sua exibição nos EUA no início de 2006. O sucesso de Doctor Who chegou também à América, o que sem dúvida foi um fator decisivo para que hoje o programa seja exibido também no Brasil, pelo canal pago People + Arts. A série ganhou o prêmio máximo da ficção científica, o Hugo, pelos episódios da primeira temporada "The Empty Child" e "The Doctor Dances", e foi tão bem sucedida que o galante personagem Capitão Jack, interpretado por John Barrowman e introduzido no episódio “The Empty Child”, ganhou uma série própria: Torchwood. A partir da segunda temporada da nova versão de Doctor Who, David Tennant substituiu Eccleston no papel principal.

O DVD
Doctor Who: The Complete First Series foi lançada nas Regiões 1 e 2 num box digipack com cinco DVDs que simula o exterior da Tardis, envolto numa luva plástica. Os discos trazem os treze episódios da temporada - "Rose", "The End of the World", "The Unquiet Dead", "Aliens of London", "World War Three", "Dalek", "The Long Game", "Father's Day", "The Empty Child", "The Doctor Dances", "Boom Town", "Bad Wolf" e "The Parting of the Ways" - em vídeo widescreen anamórfico 1.78:1 e áudio original em inglês Dolby Digital 5.1. A imagem das transferências traduz para o DVD o look peculiar da série, apesar de carecer de brilho e contraste. Não sei se isso é problema das transferências ou da própria filmagem, pois na TV já havia reparado este detalhe. Ressalte-se que este box da Região 1 contém conversões para NTSC das transferências originais PAL da Região 2, o que pode explicar a falta de níveis de preto mais sólidos. Porém elas não apresentam as mazelas que assolam os títulos da francesa Studio Canal lançados no Brasil pela Universal, como ghosting perceptível. O áudio multicanal é bom para uma produção para a TV, com um imersivo uso dos efeitos surround. Mas às vezes os diálogos soam um pouco baixos em relação à música e efeitos sonoros, e as freqüências baixas ficam saturadas nos momentos em que o subwoofer é acionado. Os menus, animados, são ótimos e de fácil navegação. Por ser um lançamento R1, este box não traz legendas em português – apenas em inglês. Disponível inicialmente na Inglaterra pela BBC, o box foi lançado nos EUA pela Warner, que pelo jeito dificilmente o colocará no mercado nacional. Portanto se você conhece a série, gosta de sua proposta, entende / lê razoavelmente inglês e pode arcar com o salgado custo da importação, este título é altamente recomendável.

OS EXTRAS
No departamento dos extras, este primeiro box de Doctor Who é impressionante. Os realizadores da série documentaram todas as etapas de sua produção – desde as primeiras reuniões com os roteiristas até a finalização dos efeitos especiais, disponibilizando o material no site da BBC. Infelizmente uma parte interessante dele (como erros de gravação e cenas eliminadas) não foi incluída neste box, e mesmo assim sobrou uma grande quantidade de extras espalhados pelos cinco discos, quase todos em formato de vídeo widescreen anamórfico e com áudio (e legendas) em inglês 2.0:

Comentários em áudio – Cada um dos treze episódios traz comentários informativos e divertidos de Davies e outros envolvidos na produção. Infelizmente Christopher Eccleston não está presente em nenhum, Piper está em apenas um e Barrowman em dois – o que é uma pena já que eles são os três principais membros do elenco na temporada;

Trailers – Há uma variedade de chamadas da série nos quatro discos de episódios;

BBC Breakfast: Entrevista com Christopher Eccleston – Extraído de um programa da BBC transmitido na época da estréia da série, este é o único segmento que traz uma participação significativa do ator. Apesar de ser relativamente curto (não chega aos 12 minutos), é um dos melhores extras por estar focado no cara que, afinal de contas, deu nova vida ao Doutor;

Featurettes de produção – Cada episódio traz pelo menos um featurette a ele vinculado, focalizado em aspectos específicos da produção e com duração variando, aproximadamente, de cinco a 15 minutos. São eles: "Destroying the Lair" (efeitos especiais do primeiro episódio), "Making Doctor Who with Russell T Davies" (depoimento do produtor executivo / redator chefe da série), "Waking the Dead - Mark Gatiss Video Diary" (bastidores das filmagens de "The Unquiet Dead"), "Laying Ghosts -The Origin of "The Unquiet Dead"" (a criação do roteiro do episódio), "Deconstructing Big Ben" (os efeitos da cena da destruição do Big Ben em "Aliens of London"), "On Set with Billie Piper" (bastidores das filmagens de "Dalek" gravados pela própria atriz), "Mike Tucker's Mocks of Balloons" (efeitos especiais da cena dos balões em "The Empty Child"), "Designing Doctor Who" (os vários modelos usados na série) e "The Adventures of Captain Jack" (entrevista com o ator John Barrowman, que premonitoriamente diz que seria uma ótima idéia fazerem uma série só para seu personagem);

Doctor Who Confidencial – Narrado por Simon Pegg, astro e um dos criadores do divertidíssimo Todo Mundo Quase Morto (Shaun of The Dead), este é um grande e excelente making of de 165 minutos dividido em 14 capítulos. Os 13 primeiros tratam de cada um dos 13 episódios, com uma visão geral das histórias, equipes e outros detalhes a eles relativos. O capítulo final mostra os bastidores da filmagem do episódio de Natal "The Christmas Invasion", já com David Tennant como o Doutor. Apenas este making of já daria a este box a nota máxima no quesito dos extras - além de extenso ele é o maior exemplo de que os extras podem ser longos e detalhados sem chegarem a ser cansativos, mantendo o interesse do espectador.

IMAGENS

DVDs COMENTADOS