KILL BILL VOL. 1
Direção: Quentin Tarantino
Elenco: Uma Thurman, David Carradine, Lucy Liu, Michael Madsen, Sonny Chiba, Daryl Hannah
Duração: 111 min
Distribuidora: Buena Vista

Região: 1

Data de Lançamento: 13/04/2004

Nº de discos: 1
Cotações:
Filme:
DVD:

Comentários de
Jorge Saldanha

o filme
A origem de Kill Bill remonta à época da filmagem do antológico Pulp Fiction, quando "Q" (Quentin Tarantino) e sua estrela "U" (Uma Thurman) esboçaram a história de "A Noiva", uma assassina profissional do grupo Deadly Viper Assassinations Squad - D.I.V.A.S, chefiado pelo misterioso Bill. No ensaio do seu casamento, grávida, ela sofre um atentado de seus ex-colegas. Ela sobrevive mas (aparentemente) perde o bebê, e depois de passar quatro anos em coma inicia sua vingança, eliminando seus antigos companheiros um a um, até finalmente confrontar Bill. Nessa trama de vingança, que foi dividida em dois "volumes" por ter ficado muito longa, Tarantino usa e abusa de uma série de referências pop retiradas do cinema e da TV dos anos 60 e 70, as recicla e o resultado é um Kill Bill Vol. 1 violento, que diferentemente dos filmes anteriores do diretor, dá mais ênfase à ação do que aos diálogos. Se você já é um quarentão como eu, reconhecerá facilmente as homenagens aos filmes asiáticos  de samurai e kung fu, e séries de TV: de cara, o filme começa com o logo dos "Shaw Bros.", que por anos produziram em Hong Kong centenas de filmes de baixo orçamento; o traje amarelo de Uma Thurman é uma réplica do usado por Bruce Lee, o maior astro das artes marciais, em Bruce Lee no Jogo da Morte; as máscaras dos membros da gangue "Crazy 88" são iguais à que Lee utilizava no seriado de TV O Besouro Verde; a participação do ator Sonny Chiba como o fabricante de katanas (espadas de samurai), muito popular no Japão; David Carradine, que encarna o Bill, era o astro da famosa série de TV Kung Fu; e as homenagens ao diretor japonês Kinji Fukasaku (a atriz Chiaki Kuriyama repete aqui praticamente o mesmo papel de assassina que viveu no último filme de Fukasaku, Battle Royale, de 2000). Há referências a outros gêneros, até mesmo Jornada nas Estrelas é homenageada: o provérbio "klingon" que abre o filme ("A vingança é um prato que se come frio") foi retirado do melhor filme da série, Jornada nas Estrelas II: A Ira de Khan (1982). Tudo isso é complementado por uma profusão de mortes, cabeças e membros decepados, combates corporais e sangue espirrando em uma escala tão grande que provoca risos, ao invés de chocar. Também não faltam os cenários fake e os deliciosos diálogos tolos, típicos de seus filmes. Complementando todo o arsenal de referências visuais, Tarantino (como de hábito) acentua as homenagens e referências a gêneros como os westerns spaghetti e os filmes blaxploitation através da música (leia o comentário da trilha sonora AQUI). Enfim, para quem conhece as inúmeras referências visuais e sonoras, Kill Bill Vol. 1 é uma delícia de se ver e ouvir, e um divertido filme de ação para os mais jovens.

O DVD
Não, você não está enganado: este não é o DVD que a Imagem lançou para locação no Brasil, mas sim a edição norte-americana. Para começar, não há justificativa para tamanho atraso no lançamento das duas partes deste filme de Tarantino no Brasil, primeiro nos cinemas, e depois em DVD. Para que tenham idéia, este Vol. 1 saiu em DVD nos EUA em abril de 2004, e o Vol. 2 já em agosto (quando esta segunda parte ainda nem mesmo tinha passado nos cinemas nacionais!). Por tudo isso, e sabedor das deficiências técnicas dos DVDs lançados pela Imagem, fui buscar lá fora os DVDs dos dois volumes. E, mesmo pagando mais caro, creio que valeu a pena. Apesar de, em matéria de extras, ser um lançamento anêmico (como será mencionado mais adiante), por outro lado é tecnicamente ótimo. O filme está no formato widescreen anamórfico 2.35:1 (o nacional é fullscreen), e são oferecidas duas faixas de áudio digital em inglês - DD 5.1 e DTS 5.1, além de francês DD 5.1. Há legendas em inglês, espanhol, japonês, coreano e chinês. O detalhe interessante é que este DVD da Buena Vista, apesar de oficialmente ser Região 1, também roda em players Região 4. Isso, além do fato de ser superior tecnicamente à versão nacional, faz deste DVD uma opção interessante para quem domina o inglês.

OS EXTRAS
Para o lançamento em DVD deste aguardado retorno de Tarantino, o material bônus é decepcionante. Mas como é certo que virão novas edições, em box-sets reunindo o Vol. 1 e o Vol. 2 e, possivelmente, uma nova montagem reunindo as duas partes em um longo filme (e esperem sentados que a Imagem as lance por aqui), o melhor dos extras ficará reservado para elas. Até lá, isto é o que nos oferece este DVD:

The Making of Kill Bill, Volume 1 - Documentário promocional da Miramax com 21 min., incluindo cenas de bastidores e depoimentos do diretor, elenco e outros envolvidos;
Clipes musicais do "The 5, 6, 7, 8's" -  Dois clipes do grupo feminino descoberto por Tarantino em Tóquio, com as músicas "I Walk Like Jane Mansfield" e "I'm Blue". O cenário dos clipes é o restaurante onde ocorre o confronto entre "A Noiva" e a gangue "Crazy 88". Este cenário custou 1 milhão de dólares, e ao final da luta estava praticamente destruído;
Trailers - São seis trailers e teasers dos filmes de Tarantino: Cães de Aluguel, Pulp Fiction, Jackie Brown, trailer e teaser de Kill Bill Vol. 1 e teaser de Kill Bill Vol. 2.

MENUS
Os menus animados são muito bonitos, no estilo "animê.

DVDs COMENTADOS