TAXI DRIVER (EDIÇÃO DEFINITIVA)
Direção: Martin Scorcese
Elenco:
Robert De Niro, Cybill Shepherd, Peter Boyle, Albert Brooks, Harvey Keitel, Jodie Foster, Murray Moston, Richard Higgs, Leonard Harris, Steven Prince, Martin Scorsese
Distribuidora: Sony
Duração: 114 min.

Região: 4

Lançamento: 19/09/2007

Nº de discos: 2
Cotações:
Filme
DVD

Comentários de
Jorge Saldanha

O FILME
Travis Bickle (Robert De Niro) é um motorista de táxi emocionalmente perturbado, que à noite dirige por uma Manhattan cada vez mais dominada pela pornografia, por prostitutas e drogados. Tenta sem sucesso manter um namoro com Betsy (Cybil Shepperd), que trabalha no comitê de campanha de um político, mas seu comportamento estranho afasta a moça. Travis conhece Íris (Jodie Foster), uma prostituta de 12 anos, começa a pensar em fazê-la sair das ruas e se convence de que, para mudar as coisas, deverá realizar um ato de grande repercussão.

É seguro dizer que Taxi Driver (1976), que consagrou o diretor Martin Scorcese, é um dos melhores filmes norte-americanos já feitos. É presença obrigatória nas listas de qualquer crítico, e seus méritos são indiscutíveis. Ele consegue agregar à típica produção de Hollywood aquela característica de obra com estilo pessoal, típica dos melhores filmes europeus. Paul Schrader, antes de tornar-se diretor, escreveu o roteiro descrevendo a progressiva degradação mental de um homem solitário, que ao final do processo resolve realizar um ato de desespero. É uma espécie de ensaio das razões que levam norte-americanos aparentemente normais (ou, pelo menos, pacíficos) a, de uma hora para outra, começarem a dar tiros nas pessoas. Memoráveis são os monólogos que ouvimos enquanto o perturbado motorista de táxi dirige à noite pelas ruas, expressando seus sentimentos sobre a degradação urbana que presencia. Em um deles há uma citação ao ensaio de Thomas Wolfe God’s Lonely Man, que trata da solidão na existência humana. Mas as frases mais célebres do filme não são de Schrader. Na cena em que Travis pratica com suas armas na frente de um espelho, que pelo roteiro não deveria ter qualquer fala, o diretor Scorcese encorajou Robert De Niro a improvisar, e o ator teve a idéia de fazer Travis falar com uma pessoa imaginária. Como resultado, a seqüência onde Travis pergunta a si mesmo várias vezes “Você está falando comigo?” tornou-se a assinatura do filme. Aliás, a interpretação antológica de Robert De Niro foi um dos grandes trunfos do filme e firmou a parceria do ator com Scorcese – que, aliás, aqui faz uma ponta como um dos passageiros de Travis. Outros inestimáveis méritos da produção são a jazzística trilha musical composta pelo grande Bernard Herrmann, que faleceu logo após concluir as gravações, a fotografia de Michael Chapman, que soube transferir para filme o visual único e impressionista da paisagem noturna imaginada por Martin Scorsese, e o excelente elenco de apoio formado por Jodie Foster (à época ainda pré-adolescente), Cybil Sheperd, Peter Boyle e Harvey Keitel, que tiveram as carreiras alavancadas a partir de Taxi Driver. O clímax sangrento, que em produções posteriores revelou ser uma marca registrada do diretor, à época foi muito debatido. O filme teve quatro Indicações ao Oscar® de 1976 (incluindo as de Melhor Filme e de Melhor Trilha Sonora Original) e não levou nenhum – o que prova que clássicos prescindem dessas premiações. Para finalizar, uma pequena nota para aqueles que acham que a discussão sobre a influência de filmes no comportamento violento das pessoas é algo relativamente novo: Em 1981 John Hinckley, que assistiu Taxi Driver várias vezes e ficou obcecado por Jodie Foster, disparou várias vezes contra Ronald Reagan, ferindo o então presidente e mais três pessoas. Apesar de todos terem sobrevivido, uma das vítimas, o Secretário de Imprensa James Brady, ficou permanentemente incapacitado. Hinckley, que com esse atentado quis chamar a atenção da atriz, para quem mandara anteriormente várias mensagens e não recebera resposta, foi colocado numa instituição psiquiátrica.

O DVD
Taxi Driver já recebera duas edições prévias em DVD, e não há dúvida de que esta com dois discos é a de melhor qualidade técnica e mais completa, no que se refere aos extras. Já quanto a ser definitiva, parece que isto é algo que simplesmente não existe em se tratando de DVD... mas é inegável que se trata de um dos lançamentos mais caprichados de 2007, trazendo tudo que o similar da Região 1 possui. Os dois DVDs estão acondicionados em nossa conhecida Amaray transparente para dois discos. A transferência widescreen anamórfica 1.85:1 é de ótima qualidade, e sempre é bom lembrar que se trata aqui de um filme com mais de 30 anos, filmado principalmente à noite. Pela primeira vez o som está disponível em Dolby 5.1, tanto no áudio original em inglês como nas dublagens incluídas, o que ajuda sobremaneira na ambientação sonora e valoriza a partitura musical de Bernard Herrmann, que destaca o sax alto. As legendas disponíveis são português, inglês, espanhol, japonês e coreano, e aqui se encontram os maiores problemas deste DVD. A tradução é muito ruim, às vezes deixando de fora muita coisa do diálogo original, outras simplesmente alterando o sentido do que é dito. Já as legendas em português simplesmente somem em vários momentos.

OS EXTRAS
Nesta nova edição em DVD, Taxi Driver recebe um aporte considerável de extras, que sem dúvida fazem jus ao filme:

Disco 1

  • Comentários em áudio – Podemos assistir ao filme ouvindo duas faixas de comentários em áudio (ambas com a opção de legendas em português): uma com o professor Robert Kolker e outra com o roteirista Paul Schrader. Os comentários de Kolker possuem a característica didática de um acadêmico. Já Schrader, que foi crítico de cinema, depois foi roteirista e finalmente dirigiu alguns filmes, coloca nos comentários sua experiência pessoal. É interessante contrapor a opinião de ambos em relação a certos aspectos do filme, como a controvérsia sobre os cinco minutos finais: seriam eles reais (intenção de Schrader) ou não passariam de uma ilusão na mente de Travis (posição de Kolker)?

  • Roteiro original  – Temos aqui o roteiro em inglês de Taxi Driver, que inclui cenas não filmadas e que pode ser acessado na ordem do acontecimento dos fatos (página a página) ou por índice. Há um recurso que permite navegar do filme para o capítulo correspondente do roteiro, e também do roteiro para o filme. Em qualquer ponto do filme é possível voltar ao início do capítulo no roteiro pressionando o botão "Title" do controle remoto. 

  • Trailers– Com áudio original, vídeo anamórfico e sem legendas, destacam outros lançamentos da Sony em DVD, como a nova edição de Contatos Imediatos do Terceiro Grau;

 Disco 2

Temos neste disco uma quantidade considerável de extras, em sua maioria documentários e featurettes de ótima qualidade, com áudio em inglês 2.0 e quase todos com vídeo anamórfico. Ao contrário do que chegou a ser comentado antes do lançamento, a Sony legendou todos os extras (que necessitavam de legendas, obviamente). São eles:

  • Martin Scorsese sobre Taxi Driver (16:52 min.) – Talvez o melhor extra do DVD seja este featurette com as opiniões do diretor sobre seu próprio filme. Ele diz que se Taxi Driver tem de ser classificado em algum gênero, que seja no de Filme Noir. Como influências ele identifica várias produções norte-americanas e européias, que vão desde Hitchcock até Louis Malle; 

  • Produzindo Taxi Driver (9:52 min.) – Featurette onde o produtor Michael Phillips descreve a seqüência de eventos ocorridos desde que leu o roteiro de Schrader até a aprovação do projeto pela Columbia Pictures; 

  • O Homem Solitário de Deus (21:40 min.) - Excelente featurette que consiste principalmente numa entrevista com o roteirista Paul Schrader, que identifica as inspirações literárias para a criação de Travis Bickle. Temos também observações feitas pelo professor Robert Kolker, autor do livro A Cinema of Loneliness; 

  • Influência e Reconhecimento: Tributo a Martin Scorsese (18:29 min.) – Interessante tributo ao diretor Scorsese feito por várias pessoas, como seus colegas Oliver Stone, Oliver Stone e Roger Corman; 

  • Histórias de Taxi Driver (22:21 min.) – Featurette sobre os verdadeiros motoristas de táxi de Nova York, pelo jeito feito para esclarecer que nenhum deles é como Travis Bickle; 

  • Criando Taxi Driver (10 min.) - Este excelente documentário, de mais de uma hora de duração (o único dos extras em fullscreen) foi feito originalmente em 1999 por Laurent Bouzereau, para uma edição anterior em DVD simples de Taxi Driver. Fornece praticamente todas as informações necessárias sobre a produção, e inclui depoimentos dos principais integrantes do elenco: Robert De Niro, Jodie Foster, Cybill Shepherd, Peter Boyle, Albert Brooks e Harvey Keitel;

  • A Nova York de Taxi Driver (6:13 min.) – Extra sobre como a cidade melhorou desde 1975. Parece propaganda turística; 

  • Lugares de Travis em Nova York (4 min.)- Pequenos vídeos sobre como eram nove locações vistas no filme, e como elas estão hoje. Podem ser vistos isoladamente ou em conjunto;

  • Comparação filme / storyboard (8:21 min.) - Scorsese é um dos muitos diretores que desenha storyboards de cenas antes de filmá-las, e neste featurette temos algumas comparações dos desenhos com as cenas filmadas. Com um extra em separado, antes das comparações, o diretor faz uma introdução de 4:30 min.;

  • Galerias de imagens – Tratam-se, na verdade, de quatro vídeos curtos que, vistos separadamente ou em conjunto, apresentam as imagens em slideshow tendo ao fundo a trilha sonora do filme: em Partitura de Bernard Herrman (2:21 min.), ouvimos o tema principal enquanto acompanhamos a partitura escrita pelo punho do próprio compositor; Na locação (2:49 min.) traz imagens das filmagens; Material de divulgação (1 min.) reúne imagens publicitárias (posters, cenas de premiéres, etc.); e Scorsese Trabalhando (2:45 min.) mostra cenas do diretor em ação nas filmagens.

MENUS
Os menus são estáticos, oferecendo fácil acesso às principais funções e recursos.

DVDs COMENTADOS