BATMAN BEGINS (Batman Begins, EUA, 2005)
Gênero: Aventura
Duração: 141 min.
Elenco: Christian Bale, Michael Caine, Liam Neeson, Katie Holmes, Gary Oldman, Cillian Murphy, Tom Wilkinson, Rutger Hauer, Ken Watanabe, Linus Roache, Morgan Freeman
Compositor: Hans Zimmer, James Newton Howard
Roteiristas: Christopher Nolan, David S. Goyer
Diretor: Christopher Nolan

Nascido das Trevas

Esqueça até mesmo a boa realização de 1989: graças ao diretor Christopher Nolan, este é o filme que o Homem-Morcego merecia desde o início

Para começar este comentário, nada melhor do que declarar: Batman sempre foi meu herói dos quadrinhos predileto. Quando criança, me divertia na frente da TV assistindo aos SOCK! KAPOW! da velha série com Adam West e Burt Ward. Nos anos 70, testemunhei o nascimento da melhor fase do Homem-Morcego nos gibis desenhados por Neal Adams, a gênese do que anos mais tarde resultaria nas obras-primas de Frank Miller O Cavaleiro das Trevas e Batman: Ano Um. Em 1989 estava no cinema para ver o Batman de Tim Burton, que com Michael Keaton e tudo, até agora era a melhor transposição do personagem para as telas. E, obviamente, fiquei irado quando assisti em 1997 ao crime perpetrado por Joel Schumacher chamado BATMAN & ROBIN.

Graças às bem sucedidas adaptações da Marvel para o cinema, a D.C. Comics e a Warner tardiamente decidiram retomar sua valiosa franquia cinematográfica. Mas depois da "obra" de Schumacher não havia outra saída: todos os outros filmes foram esquecidos, e este BATMAN BEGINS reconta a história do Cavaleiro das Trevas. No início vemos o jovem e problemático bilionário Bruce Wayne (Christian Bale, de PSICOPATA AMERICANO e SHAFT, muito bem no papel), que abandonara sua cidade de Gotham City (menos estilizada que nos outros filmes) após o assassinato dos pais, preso em uma cadeia asiática. De lá ele é libertado por Ducard (Liam Neeson), o segundo em comando da Liga das Sombras liderada pelo misterioso Ra's Al Gul (Ken Watanabe). Treinado nas artes ninjas pela organização, mas discordando de seus métodos para combater o crime, Wayne rompe com a Liga e retorna para Gotham decidido a livrar a cidade do crime e da corrupção.

Vestindo o capuz e a armadura de Batman e tendo como aliados seu mordomo Alfred (Michael Caine), a Promotora Pública Rachel Dawes (Katie Holmes), o Sargento Jim Gordon (Gary Oldman) e Lucius Fox (Morgan Freeman), este o funcionário das indústrias Wayne que lhe fornece todo o aparato tecnológico que precisa, o herói combaterá os planos do chefão do crime Falcone (Tom Wilkinson) e do psiquiatra do asilo Arkhan Dr. Crane (Cillian Murphy), que utiliza uma máscara de espantalho e uma droga indutora do medo para aterrorizar suas vítimas. E mais não dá para contar do filme, sob pena de estragar suas surpresas. O fato é que, graças ao trabalho admirável do diretor Christopher Nolan (AMNÉSIA, INSÔNIA), do co-roteirista David S. Goyer (trilogia BLADE) e de um elenco excepcional, saímos do cinema esquecendo todos os filmes anteriores da série, e desde já esperando ansiosamente pela provável continuação que trará, como vilão, ninguém menos que... Nada disso, vá ao cinema para descobrir!

Desde o início, com a escolha de um diretor como Nolan, não havia dúvidas de que este seria um projeto sério que trataria o nascimento da lenda com o respeito que sempre mereceu. Em seus outros filmes, Nolan investiu pesado na psicologia de seus personagens, e este é o fator essencial onde BATMAN BEGINS triunfa. Obviamente que, dado o gênero do filme de que  estamos falando, não dá para esperar um filme de profundidades "bergmanianas", mas o roteiro, centrado no uso do medo tanto para explorar a fraqueza dos inimigos como para reunir forças para sobre eles triunfar, é um prato cheio para o talento de Nolan.

Assim, temos uma história muito bem elaborada, ação e efeitos visuais sem exageros, um elenco com ótimas atuações e um diretor mais do que competente fornecendo toda a credibilidade que, em suma, é a base sobre a qual o filme se sustenta. Já vimos antes filmes em que alguém, após uma tragédia pessoal, decidiu combater o crime como forma de vingar a perda de entes queridos. Mas acredite, isto nunca foi contado de forma tão convincente e realista como aqui. Tanto que a primeira metade do filme, onde vemos a história de Wayne e toda a sua preparação para tornar-se Batman, é bem mais resolvida e interessante do que a segunda, quando o filme entra no padrão "vilão quer destruir a cidade e o herói tem que impedí-lo". E nada foi esquecido no segmento inicial: o porquê do jovem milionário Bruce Wayne vestir uma roupa de morcego; como ele consegue realizar suas façanhas, apesar de ser uma pessoa comum; de onde saem as engenhocas fantásticas que utiliza em sua cruzada; e por aí vai.

Claro que BATMAN BEGINS não é imune a falhas: a atriz Katie Holmes (atual namoradinha de Tom Cruise) não é páreo para gigantes como Caine, Neeson, Freeman e até o próprio Bale. E a trilha sonora a cargo de Hans ZimmerJames Newton Howard, apesar de funcionar bem no filme, fica devendo - no que parece ser uma maldição dos exemplares atuais do gênero - uma assinatura musical marcante. De qualquer modo, não é nada que prejudique demais a minha avaliação.

Cotação:
Jorge Saldanha
FILME EM DESTAQUE