REENCARNAÇÃO (Birth, EUA, 2004)
Gênero: Suspense
Duração: 100 min.
Elenco: Nicole Kidman, Cameron Bright, Danny Huston, Lauren Bacall, Alison Elliott, Arliss Howard, Michael Desautels, Anne Heche
Compositor: Alexandre Desplat 
Roteiristas: Milo Addica, Jean-Claude Carrière, Jonathan Glazer 
Diretor: Jonathan Glazer

Horror sem clichês

Novo filme do diretor de SEXY BEAST evita os clichês do gênero, enfatizando um clima de mistério e estranheza muito interessante

REENCARNAÇÃO (2004) é o primeiro filme que vejo do diretor Jonathan Glazer. Não vi SEXY BEAST (2000), que teve uma distribuição bem discreta nos cinemas e que até já passou na TV paga, mas não dei muita bola para gravar ou assistir. O diretor é mais um que vem dos vídeoclipes. Mas os vídeos que ele dirigiu são bem respeitáveis: "Street Spirit" e "Karma Police", do Radiohead; "The Universal", do Blur; "Virtual Insanity", do Jamiroquai; "Karmacoma", do Massive Attack. Ainda há um certo preconceito dentro da crítica de cinema com diretores vindos dos vídeoclipes, mas acredito que aos poucos isso irá desaparecer conforme diretores como Michel Gondry, Mark Romanek, Spike Jonze e David Fincher forem fazendo bons filmes. 

Apesar de privilegiar o visual, com a bela fotografia de Harris Savides (que já trabalhou com David Fincher e Gus Van Sant), REENCARNAÇÃO não tem o ritmo acelerado dos vídeos musicais. Ao contrário, o ritmo é lento e estabelece um clima de mistério e estranheza bem interessante. Não se trata aqui de um clima típico de filme de horror, apesar de o tema inicialmente tratar de um assunto ligado ao mundo espiritual. O roteiro é do grande Jean-Claude Carrière, antigo colaborador de Luis Buñuel em algumas de suas obras-primas. Não via um filme com roteiro dele desde o fim dos anos 80, com A INSUSTENTÁVEL LEVEZA DO SER (1988) e VALMONT (1989). Não que ele tenha estado parado: os filmes que ele roteirizou, em sua maioria franceses, é que não têm chegado aqui.

Na intrigante história de REENCARNAÇÃO, Nicole Kidman é uma mulher que, depois de ter sofrido muito com a morte do marido que amava, aceita se casar de novo. No dia em que é anunciado o casamento, durante a festa de anivesário da matriarca Lauren Bacall (ótima), um menino de dez anos (Cameron Bright) chega até o apartamento dela e lhe diz que é Sean, o seu marido morto há dez anos, e pede para que ela não se case novamente. As pessoas aos poucos vão começando a acreditar no garoto, à medida que ele vai mostrando saber de muitas coisas.

Talvez por causa da recepção fria da crítica eu tenha me surpreendido com as qualidades desse filme, de estranha beleza. Numa das seqüências mais memoráveis, a câmera fica estática, focalizando em close o rosto perturbado de Nicole Kidman quando ela vai com o noivo para o teatro. Não contei o tempo, mas acredito que ficamos olhando para o rosto de Nicole por mais de dois minutos. Com essa cena, vemos a excelência da performance de Nicole, variando suas expressões faciais e mostrando sua apreensão e mal estar diante daquele garoto que dizia ser o seu amado marido. Ela não aparece bonita no filme. Até lembra a Mia Farrow em O BEBÊ DE ROSEMARY, com aquele cabelo curtíssimo. Há quem diga que esse negócio de se enfeiar é estratégia para mostrar que é boa atriz - lembrando que ela já tinha colocado uma prótese no nariz para fazer AS HORAS -, mas acredito que, no caso de Nicole, ela não precisa mais provar nada.

REENCARNAÇÃO também tem o mérito de fugir dos clichês dos filmes de horror ou do melodrama. Até por ter optado em não se enquadrar em nenhum desses gêneros.

Cotação:
Ailton Monteiro
FILME EM DESTAQUE