A ONDA DOS SONHOS (Blue Crush, EUA, 2002)
Gênero: Aventura
Duração: 104 min.
Estúdio: Universal
Elenco: Kate Bosworth, Michelle Rodriguez, Matthew Davis, Sanoe Lake, Mika Boorem, Kala Alexander, Chris Taloa, Faizon Love 
Compositor: Paul Haslinger
Roteiristas: Lizzy Weiss, John Stockwell
Diretor: John Stockwell

Aventura assumida 

O filme é cheio de clichês, mas conquista a platéia por ser acima de tudo despretensioso e divertido

Uma das maiores surpresas do final de ano nos Estados Unidos, A ONDA DOS SONHOS agradou à crítica e ao público, conseguindo uma boa bilheteria. Foi então lançado um enigma: porque uma produção barata, sobre um tema já tão batido e explorado, conseguiu uma temporada tão boa? A resposta é mais simples do que se pode imaginar: a falta de pretensões. A ONDA DOS SONHOS é daqueles filmes que dão a impressão de que todos os integrantes da produção estão se divertindo, sem nenhum compromisso ou vontade de ser a "mega-produção" esportiva do ano.

Por isso, caímos desde o início em muitos clichês: vemos uma garota esforçada com um grande trauma do passado, lutando para conseguir seu grande sonho. Junto, as grandes amigas e o namorado, também esportista, porém bastante suspeito em um suposto passado de mulheres fáceis. No caso, a garota é Anne Marie (Kate Bosworth), ex-campeã amadora de surfe que tenta arrumar dinheiro para disputar a mais importante competição do mundo. As amigas, também surfistas, dão uma força, embora não tenham o mesmo talento. O namorado é um zagueiro de futebol americano, que vive rodeado pelas garotas consideradas "piranhas".

Como é perceptível, A ONDA DOS SONHOS não traz nada de inovador. O que realmente predomina é o clima de amadorismo e diversão nas pessoas apresentadas. Não há nenhum personagem "psicologicamente" analisado, sendo que todos ficam presos a dar risadas e torcer por aquelas que vão disputar o campeonato. Pena que todo esse "mar de rosas" não possa ser tomado em primeiro plano: o filme tem alguns defeitos gravíssimos que passam longe dos clichês, aceitáveis para um filme do gênero. Existem furos no roteiro incríveis, capazes de deixar qualquer espectador perdido, de uma maneira que nem um filme de David Lynch (que faz isso de propósito para responder no final) consegue!

Também acaba sendo inegável que John Stockwell (GOSTOSA LOUCURA) não tem nenhum talento para conduzir a projeção. Muitas cenas acabam desviando-se de suas intenções, sendo alongadas ou mal-contadas. Alguns furos também são culpa dele. E, pior ainda, a fotografia do filme (que no geral tem uma boa técnica, principalmente no som) é péssima. O maior problema mesmo é a superficialidade. Embora nada disso tire o eterno clima de “aventura despretensiosa e carismática” que o filme tem. Kate Bosworth pode não ser uma grande atriz, mas consegue dar o tom necessário ao filme – não se leva a sério e abre espaço para a diversão dos coadjuvantes.

Portanto, A ONDA DOS SONHOS merece o sucesso que conseguiu simplesmente por ser um filme divertido, uma aventura assumida. Em tempos de produções “aventurescas” que gastam zilhões em troca de cenas absurdas, é uma grande pedida.

Cotação:
Carlos Massari
FILME EM DESTAQUE