Cine & Música
www.scoretrack.net

31 de agosto de 2004

Caros Leitores,

Devido à polêmica causada pelas declarações do Celso Sabadin, na coluna da semana passada, eu resolvi escrever, esta semana, sobre o grande, o único, o genial, o fantástico... John Williams!

Divirtam-se!

John Williams

A trilha sonora é algo tão importante e valorizado hoje em dia, que muitos diretores não abrem mão de contar sempre com o mesmo compositor em seus filmes. Vejam o caso de Steven Spielberg, que sempre escolhe o mesmo maestro em suas realizações. Sabem quem é este homem? Se você disse John Williams, acertou!

John Williams é, hoje, um dos compositores de cinema mais consagrados do mundo. E não é à toa. Quem não se lembra de sua composição em Tubarão, Indiana Jones, Star Wars, Jurassic Park, A Lista de Schindler, Inteligência Artificial, As Cinzas de Ângela, E.T. e muitos outros filmes famosos?

Este gênio já recebeu 41 indicações ao Oscar, inclusive por Harry Potter, tendo conquistado cinco prêmios. Nascido dia 8 de Fevereiro de 1932 em Nova York, John se mudou para Los Angeles em 1948 com a família, onde começou a ter aulas de composição particulares com um maestro.

Alguns anos depois Williams voltou para Nova York, onde passou a ter aulas de piano e tocava em bares noturnos de jazz. Mais tarde, voltou para Los Angeles e acabou entrando na indústria do cinema, trabalhando ao lado de vários compositores famosos.

Nos anos 60 compôs várias trilhas e músicas para programas de TV, e como recompensa ganhou quatro prêmios Emmy. Este fera já escreveu dezenas de peças para concertos, inclusive duas sinfonias (uma estrelada por Yo-Yo Ma). "Seven for Luck" é um ciclo de sete peças, que é um dos maiores destaques da carreira de John, e que deve ser lembrada.

Já foi maestro de várias orquestras e organizações, tendo assumido a regência da popular Boston Pops Orchestra em 1980 - função que desempenha até hoje. Uma grande quantidade de suas trilhas sonoras foi lançada em CD, onde vale lembrar a de Star Wars, que vendeu mais de 42 milhões de cópias, tornando-se um dos álbuns mais vendidos da história.

Abaixo, vários prêmios que John Williams já recebeu:

- 5 Oscars (Um Violinista no Telhado - Música Adaptada, Tubarão, Star Wars, E.T. e A Lista de Shlinder);
- 3 prêmios da British Academy;
- 18 Grammys;
- 3 Globos de Ouro;
- Vários Discos de Ouro e de Platina.

Falando nisso, Williams já assinou o contrato para compor as músicas de Indiana Jones 4, basta esperar que o filme saia mesmo...

Um abraço e até a próxima semana!

Lucas Duarte


24 de agosto de 2004

Celso Sabadin abre o jogo e revela tudo o que pensa sobre Trilhas Sonoras!


Caros leitores,

Celso Sabadin é, sem sombra de dúvida, um dos mais experientes críticos de cinema do Brasil. Em uma entrevista exclusiva para o Cine & Música (concedida antes da morte de Jerry Goldsmith), ele revela o que pensa sobre as trilhas sonoras, quais são seus compositores preferidos e muito mais.

Lucas Duarte: Celso, você é um uma pessoa com bastante experiência em cinema, em sua opinião qual o grau de importância da trilha sonora em um filme ?
Celso Sabadin: É difícil explicar, mas é fácil de exemplificar: tente ver um filme sem ouvir a sua trilha sonora, ficando apenas com os diálogos. Chato né? A trilha é, digamos, 50% do filme. Ela pode salvar uma cena mediana ou mesmo estragar uma cena boa.

LD: Muitos subestimam as trilhas sonoras brasileiras.Você acha que elas são tão boas quanto as internacionais ?
CS: Ainda não, mesmo porque temos o nosso eterno problema de verba. São tantas as despesas para se fazer um filme, que muitas vezes os produtores são obrigados a economizar um pouco na trilha. Mas eu queria dar uma dica de trilha sonora de filme brasileiro: a do desenho animado Cassiopéia. Tente ver.., ou melhor, ouvir...

LD: Você pode citar algumas das melhores trilhas que você já ouviu ?
CS: Para cinema, A Missão, Era uma Vez na América, Cinema Paradiso, Os Intocáveis. Todas do Ennio Morricone. Tendencioso, eu? Imagina...! (risos). Para televisão gostaria de destacar dois clássicos: as trilhas para os seriados Missão Impossível (do argentino Lalo Schifrin) e Os Waltons (Jerry Goldsmith). Memoráveis. Acho o John Williams um enganador. As trilhas dele são marcantes porque ganham muito espaço na mídia, são marteladas insistentemente e acabam ficando muito famosas. Acredito que ele fez uma belíssima trilha - Tubarão - e o que veio depois foi do estilo "fazer a fama e deitar na cama". Repare, por exemplo, como a trilha de Superman é muito parecida com a de Star Wars, que é muito parecida com tudo o que ele faz. Ele tem aquela formulinha pronta de fanfarra, ousa muito pouco, cria quase nada e pronto! Até a famosa
trilha do Contatos Imediatos do Terceiro Grau - já ficou provado - foi muito mais uma criação do Spielberg que propriamente do Williams.

LD: Quem você considera um bom compositor de trilhas sonoras?
CS: Em primeiro lugar, disparado, Ennio Morricone. Depois gosto muito de Bernard Herrmann, Nino Rota e de Jerry Goldsmith.

LD:Você tem uma última palavra para os fãs de trilhas sonoras?
CS: Não se esqueçam de OUVIR os filmes, além de VÊ-LOS. Como tivemos anos e anos de péssimas salas de cinema no Brasil, criou-se a cultura de não se OUVIR os filmes. Não caiam nesta: prestem atenção ao som dos filmes. É um mundo à parte.

LD: Obrigado pela colaboração! Agradecemos!
CS: O Prazer foi meu ! ! !

Bem pessoal, este foi Celso Sabadin, dizendo o que ele acha das trilhas sonoras. Até a próxima semana!
 

Lucas Duarte


10 de agosto de 2004

Introdução: A Primeira Coluna!


Caros leitores,

Em primeiro lugar, gostaria de me apresentar. Meu nome é Lucas Duarte e sou o novo colunista do ScoreTrack.net. É um imenso prazer poder escrever neste maravilhoso site! Gostaria também de agradecer ao nosso Jorge Saldanha por ter me dado esta grande oportunidade.

Aqui no Cine & Música vocês poderão ler tudo o que penso sobre trilhas sonoras, e cinema em geral. Para começar gostaria de pedir-lhes para me enviarem um e-mail sempre que tiverem uma dúvida, sugestão, reclamação ou algo parecido. O endereço é: cinemusica@scoretrack.net. E já que o assunto é Trilha Sonora e recentemente faleceu o compositor Jerry Goldsmith, eu gostaria de registrar o fato para a coluna e homenagear este grande homem, com o texto que segue:

Quarta-feira, 21 de Julho de 2004. Falece o grande e único compositor Jerry Goldsmith.

Jerry, nascido em 10 de fevereiro de 1929, foi indicado 17 vezes ao Oscar, mas ganhou somente uma vez pelo filme "A Profecia". Também foi indicado 5 vezes ao Emmy e compôs, entre outras trilhas, "Jornada nas Estrelas - O Filme", "Planeta dos Macacos" (1968), "Chinatown", "Rambo", "O Vingador do Futuro" e "A Múmia". Goldsmith morreu de câncer no pulmão, aos 75 anos, em sua residência em Beverly Hills. A última trilha sonora que compôs foi a de "Looney Toones: De Volta à Ação". Uma trilha que, mesmo não sendo uma de suas melhores, é muito boa, compensando o desastre que é o filme. É mais um astro da Música do Cinema nos deixa.

Pois é... Esta foi minha primeira minha coluna do ScoreTrack.net. E não esqueçam de me enviar um e-mail, se tiverem alguma dúvida ou sugestão.

Um abraço e até a próxima semana,
 

Lucas Duarte

TODAS AS COLUNAS
VOLTAR PARA A PÁGINA INICIAL