Cine & Música
www.scoretrack.net

18 de março de 2008

Projeto "Músicos do Futuro" dá show Cristão no Teatro Jardim SÃO PAULO

No dia 16 de março ocorreu no Teatro Jardim São Paulo uma apresentação do musical “Jesus Cristo Superstar”, de Andrew Lloyd Webber e Tim Rice. A adaptação para o português foi apresentada por estudantes do colégio Jardim São Paulo e pela orquestra dos “Músicos do Futuro”. Confesso que fui para o teatro esperando um belo show, mas o que vi foi um musical digno de profissionais como o do “Mágico de Oz” que havia assistido alguns anos atrás no Teatro Alfa.

Os estudantes que formavam o elenco eram jovens talentosos que, além de afinados e sincronizados com a música, eram lindos, tanto as garotas quanto os garotos, algo realmente prazeroso de se assistir. O evento, que tem como intuito reforçar o projeto “Músicos do Futuro” e apresentar o bom trabalho dos estudantes do colégio Jardim São Paulo, era inicialmente para atrair empresários que tivessem interesse em patrocinar cada vez mais a boa cultura de que nosso país tanto necessita; contudo, devido o resultado de alto nível, a apresentação foi divulgada e aberta ao público que, para assistir o consagrado musical, necessitava apenas de levar 1kg de arroz ou feijão e trocar por uma entrada.

O musical será exibido novamente no final de semana que vem, dia 22 e 23 de Março, mas infelizmente as entradas já estão esgotadas. Resta torcer agora para um novo espetáculo dessa turma.

O EVENTO

O Teatro Jardim São Paulo, de responsabilidade do coordenador Luciano Carvalho, não é muito grande, mas possui uma  ótima acústica e é muito aconchegante aos que lá vão. A orquestra, formada pelos “Músicos do Futuro”, foi regida pelo simpaticíssimo maestro Edison Ferreira. Como o evento tinha como idéia mostrar o trabalho que está sendo realizado por essa equipe, antes do início do espetáculo um curta metragem muito interessante sobre os “Músicos do Futuro” foi apresentado, mostrando em cada sorriso a esperança nascer naqueles que não podem pagar uma escola particular para ingressar no meio fantástico que é a música.

A peça começa com um clima muito legal, alunos correndo de fora do palco para o palco e tendo, assim, um contato maior com o público. A iluminação estava ótima e o som dos microfones (de alta qualidade) também estava de tirar o chapéu. Não estou elogiando por elogiar, o fato é que fiquei muito impressionado com o resultado atingido por todos os envolvidos no projeto. Jesus foi muito bem interpretado por Nicolas, um rapaz de pele não muito clara e cabelo não muito liso, o que eu achei fantástico, visto o que recentemente foi levantado por pesquisas que contradizem o belo e velho Jesus de olhos claros e cabelos loiros.

Algumas alterações foram feitas no musical, não só no roteiro, mas também em personagens. Pilatos, por exemplo, foi interpretado por uma aluna e não um aluno como seria o normal, mas eu achei o resultado excelente. Porém, entre todos os elogios eu destaco o papel de Herodes, que foi brilhantemente interpretado por um aluno que passou com fidelidade o lado “homossexual” do personagem. Suas falas, trejeitos, expressões faciais foram perfeitas, além de possuir uma bela voz, cantar bem e dançar como o resto do elenco. Apesar da maioria das pessoas que lotavam o teatro parecerem ser parentes e amigos dos atores, pude perceber que parte deles não o eram (como eu), e ficaram bem satisfeitos com o produto final.

Parabéns a toda a equipe e que venham novos musicais.

Lucas Vandanezi
Lvandanezi@scoretrack.net


Sobre a associação Músicos do Futuro

No Ano 2006 o Projeto social completa 10 (dez) anos de atividade implantado pelo maestro Edison Ferreira do Nascimento Junior. É uma entidade voltada à cultura e educação musical, que tem como objetivo promover o desenvolvimento humano e a qualidade de vida de crianças, jovens e adolescentes com vulnerabilidade social. Por meio da educação musical gratuita, busca-se promover a cultura, a defesa e a conservação do patrimônio histórico e artístico. A associação visa formar e capacitar os alunos para exercerem sua cidadania dignamente, proporcionando conhecimentos de música em geral para o mercado de trabalho. Sua intenção é promover a qualidade do ensino da música erudita e popular, oferecendo uma formação que permita potencializar a criatividade dos alunos e o crescimento profissional. Neste período foram realizados inúmeras apresentações em teatros, concertos didáticos em escola Municipais da região, no anfiteatro e outros eventos, com apoio da Faculdade Integral Cantareira e da Prefeitura Municipal de Taboão da Serra. Há reuniões mensais e avaliações semestrais aplicadas pelos professores

Maestro Edison Ferreira

Edison Ferreira teve em sua infância a sonoridade o envolvendo, seu contato com a música o despertou para a percussão, já aos 10 anos convivia com a responsabilidade de coordenrar a percussão da Banda Marcial da Escola Antonio Figueiredo Navas; no município de Promissão interior do Estado de São Paulo. Se dedicou ao estudo do trompete, instrumento de sua formação. Aos 25 anos decidiu-se pela regência, e iniciou sua nova trajetória organizando uma banda no município de Taboão da Serra, sentindo que já nascera naquele momento a primeira semente para formação da Associação Músicos do Futuro. Atualmente é regente e diretor artístico da Banda Sinfônica da Faculdade Cantareira, regente da Banda Marcial do Colégio Jardim São Paulo e da Banda Sinfônica de Taboão da Serra. Há três anos, assumiu a assistência da coordenação da Escola Superior de Música da Faculdade Cantareira. Em dez anos como regente e presidente fundador da Associação Músicos do Futuro; Edison sente-se feliz e realizado com as conquistas, pois goza do respeito e da amizade daqueles com quem convive. Como reconhecimento de sua trajetória obteve títulos e destaque além de seis indicações a melhor regente em concursos no qual participou. Na sua trajetória teve como professor de regência orquestral o maestro norte americano Ira Levin, e atualmente é orientado pela maestrina Naomi Munakata. Estudou no conservatório Beethoven, Souza Lima e vem se graduando em regência pela Universidade da Cantareira.

TODAS AS COLUNAS
VOLTAR PARA A PÁGINA INICIAL