CORRIDA MORTAL (Death Race, EUA, 2008)
Gênero: Aventura
Duração: 105 min.
Elenco: Joan Allen, Ian McShane, Jason Statham, Tyrese Gibson, Natalie Martinez, Max Ryan, Jason Clarke, Frederick Koehler, Jacob Vargas, Justin Mader, Robert LaSardo
Compositor: Paul Haslinger
Roteirista: Paul W. S. Anderson
Diretor: Paul W. S. Anderson

Refilmagem B

Nova versão de filme B de Roger Corman acaba sendo profética, já que lançada em plena crise que ameaça levar os Estados Unidos a uma nova Depressão

E continua a fase de vacas magras no circuitão. É sempre assim nos meses que antecedem as mostras internacionais do Rio e de São Paulo. Há perspectivas de melhoras a partir de novembro. Enquanto isso, a gente vai aturando, com alguma boa vontade, filmes como este CORRIDA MORTAL (2008), de Paul W. S. Anderson, livremente baseado no filme B CORRIDA DA MORTE – ANO 2000 (1975). Uma das qualidades deste novo exemplar é que há mais dinheiro para quebrar mais carros e explodir mais coisas.

Até que eu gosto de cenas de batidas de carro. Mas eu prefiro aquelas que pegam a gente de surpresa, que geralmente acontecem em filmes de horror. Do jeito que elas são mostradas em CORRIDA MORTAL, com o tempo vai ficando tudo banal, muito barulho por nada. Um dos aspectos interessantes do filme é mostrar os Estados Unidos no futuro, passando por uma crise braba, como se o país tivesse voltado aos tempos da Grande Depressão e onde as redes de televisão aproveitam para angariar fundos com os torneios sangrentos realizados, já que as prisões tornaram-se gerenciadas pelas empresas privadas. Nesses torneios, os pilotos têm toda a liberdade, aliás, têm o dever, de bater no carro do outro e a morte faz parte do espetáculo. Nesse sentido, o filme é quase profético, em tempos de bancos americanos quebrando, bolsas de valores em queda vertiginosa e redes de televisão cada vez mais desesperadas com os downloads de séries e conseqüentes quedas de audiência.

Nesse cenário, sem perder muito tempo, o prólogo mostra, em poucos minutos, a dificuldade financeira do personagem de Jason Stathan, quando, ao levar os poucos trocados que ganha para casa, tem sua esposa assassinada e é levado como culpado para uma penitenciária. Como ele já foi um corredor famoso no passado, o fato de ele substituir o mascarado Frankenstein faz com que ele suspeite de que ele estar ali naquele presídio foi algo predestinado pela diretora, interpretada por Joan Allen, a grande vilã do filme. A corrida é dividida em três etapas, como num videogame, e os corredores dirigem ao lado de co-pilotos, em sua maioria, mulheres gostosas com trajes que valorizam os decotes, que serve como maneira de o filme se tornar mais apelativo para a platéia masculina. Pena que a adrenalina não corra solta no filme, que é esquecido rapidinho assim que saímos do cinema. Por enquanto, os melhores da curta filmografia de Paul W. S. Anderson continuam sendo RESIDENT EVIL - O HÓSPEDE MALDITO (2002) e O ENIGMA DO HORIZONTE (1997).

Cotação:
Ailton Monteiro
FILME EM DESTAQUE