ESCORREGANDO PARA A GLÓRIA (Blades of Glory, EUA, 2007)
Gênero: Comédia
Duração: 93 min.
Elenco:
Will Ferrell, Jon Heder, Will Arnett, Amy Poehler, Jenna Fischer, William Fichtner, Craig T. Nelson, Romany Malco, Nick Swardson, Rob Corddry, William Daniels, Luke Wilson
Compositor: Theodore Shapiro
Roteiristas: Jeff Cox, Craig Cox, John Altschuler, Dave Krinsky
Diretores:
Josh Gordon, Will Speck

Para só eles rirem

Nova comédia da turma do "frat pack" mantém o padrão dos seus filmes anteriores - não é ruim mas falta mais humor

E acabei indo ao cinema assistir ESCORREGANDO PARA A GLÓRIA (2007) mais para ver a Jenna Fischer em tela gigante. E também para dar mais uma chance a essa nova turma que está fazendo a atual comédia americana, o "frat pack". Confesso que não sou exatamente um admirador do trabalho deles, mas pelo menos os filmes não são ruins e o elenco é bom. O que está faltando, na minha opinião, nesses novos trabalhos é o principal para uma boa comédia funcionar: fazer rir. Claro que isso é muito subjetivo. Há quem ria com facilidade de uma coisa que outra pessoa vai considerar completamente idiota ou sem importância e vice-versa. Na sala em que eu assisti o filme, por exemplo, acho que só tinha uma menina que ria a valer. A maior parte do público ficou bem calado.

Em ESCORREGANDO PARA A GLÓRIA, temos um encontro entre Will Ferrell e Jon Heder (novo no "grupo") como protagonistas e uma participação bem pequena de um outro membro da turma: Luke Wilson. Ben Stiller é um dos produtores. Assim como ZOOLANDER (2001), dirigido pelo Stiller, era uma zoação ao universo da moda, esse novo filme faz rir do mundo dos patinadores no gelo e daquelas coreografias que eles fazem, que muitos confundem com frescura ou "gayzice" (existe mesmo essa palavra?). Dos dois protagonistas, é Heder que faz o papel do mais sensível, aquele que patina com a graciosidade de uma mulher. Já Ferrell faz o tipo rude e machão, o que é até uma contradição em se tratando desse tipo de esporte. Mas aí é que está a graça da coisa. Uma das melhores coisas do filme é mesmo ver Ferrell naqueles trajes colantes ao lado (ou atrás, em cima etc) de Heder.

No filme, Ferrell e Heder são dois inimigos das pistas que, anos depois, são obrigados a se tornarem parceiros para poderem voltar a competir e a fazer o que mais gostam e sabem. Além da dificuldade que existe na construção do relacionamento dos dois, há também uma dupla de patinadores que querem fazer de tudo para derrubar o novo "casal". Aí é que entra a Jenna Fischer, num papel meio ingrato e pequeno, para quem gosta dela e é fã de THE OFFICE. (Vi no IMDB que em breve ela aparecerá como protagonista num filme chamado WALK HARD, de Jake Kasdan.) No mais, e encerrando, ESCORREGANDO PELA GLÓRIA talvez pudesse ser melhor, mas até que o filme não escorrega em seus bem narrados noventa minutos de duração que passam voando, e ainda traz a cena memorável dos dois patinando ao som de "Flash's Theme", do Queen.

Cotação:
Ailton Monteiro
FILME EM DESTAQUE