Primeira Impressão
www.scoretrack.net

Título Original: MIO FRATELLO É FIGLIO ÚNICO 
Gênero: DRAMA

Duração: 100 MIN. 
Pais/Ano: ITÁLIA / 2007 
Diretor: DANIELE LUCHETTI 
Produção: MARCO CHIMENZ 
Roteiro: DANIELE LUCHETTI 
Fotografia: CLAUDIO COLLEPICCOLO 
Música: FRANCO PIERSANTI 
Distribuição: PLAYARTE 
Elenco: ELIO GERMANO, RICCARDO SCAMARCIO, ANGELA FINOCCHIARO, LUCA ZINGARELLI

26 de julho de 2008

MEU IRMÃO É FILHO ÚNICO

Entre o Bem e o Mal

No cartaz de divulgação do (aparentemente, promissor) filme italiano MEU IRMÃO É FILHO ÚNICO, que estréia dia 1º de agosto, lê-se: "Dois irmãos que discordam em tudo. Menos no seu amor pela mesma mulher". A assertiva é verdadeira mas, infelizmente, está longe de ser o foco central da realização do diretor Daniele Luchetti. Para decepção do espectador, o cineasta errou na mão, minimizou os aspectos românticos do filme, intensificou de forma excessiva seu viés político e acabou por transformar a realização na estória de um rapaz que tem que escolher entre o fascismo e o comunismo(!).

Apesar da diferença de idade entre os atores Elio Germano (intérprete do protagonista Accio) e Riccardo Scamarcio (que vivencia seu irmão Manrico) ser de apenas um ano, o filme mostra, em seu primeiro terço, Accio ainda como uma criança (então interpretado por Vittorio Emanuele Propizio), enquanto Manrico já tem, desde então, as feições adultas de Scamarcio. E é em seus momentos iniciais, quando nos revela a difícil infância de Accio, que acalentava o sonho de ser seminarista, que o filme traz sua maior quantidade de acertos. Introspectivo e religioso, Accio optou em não prosseguir com a carreira religiosa por não conseguir controlar a sexualidade e, portanto, não ter como ceder à norma do celibato. Também decepcionou-se nitidamente com a Igreja, ao perceber que em seu interior havia um foco comunista. Já seu irmão Manrico, rapagão por toda a metragem, nunca demonstrou culpa ou complexo por seus envolvimentos afetivos, nem tampouco teve muita devoção religiosa. Confuso com o seu próprio futuro e julgando-se incapaz de prosseguir na carreira que escolheu, o menino Accio não poucas vezes é espancado por seus pais e até mesmo por seu próprio irmão - encontrando apego apenas na companhia do vizinho Mario Nastri, defensor convicto do fascismo e dos ideais de Mussollini. Certamente devido a isso, antes mesmo de ingressar na fase adulta da vida Accio converte-se ao fascismo, enquanto Manrico, por sua vez, dedica-se a defender o comunismo.

O filme, nesse momento, paradoxalmente inicia e abandona o foco romântico que, a princípio, propõe-se criar como trama central - representado pela figura de Francesca, aliada política de Manrico que se envolve afetiva e sexualmente, também, com Accio. Claro que seria válido criar um filme sobre dilemas políticos, desde que o filme se definisse como seguidor desta (ou de qualquer outra linha) e caminhasse solidamente sobre esta opção. Porém, MEU IRMÃO É FILHO ÚNICO não segue uma linha nem outra e, ao caminhar pelo aspecto político, minimiza as próprias situações que apresentara - a religiosidade frustrada, o espancamento de uma criança por pais e colegas. Como se não bastasse, ao colocar seus personagens transitando entre o fascismo e o comunismo - dois sistemas totalitários condenados pela História e que não merecem defesa nem atenuação - Luchetti cria um filme onde, aparentemente, não há o Bem nem nenhuma forma de salvação (ou seja: faz um filme desnecessariamente negativo), elimina toda e qualquer empatia que poderia gerar a favor de seus personagens, e transforma MEU IRMÃO É FILHO ÚNICO em um filme onde nem mesmo torcer a favor dos personagens se consegue.

Carlos Dunham

PRIMEIRA IMPRESSÃO
VOLTAR PARA A PÁGINA INICIAL