Primeira Impressão
www.scoretrack.net

Título original: NIGHT AT THE MUSEUM 2
Gênero: COMÉDIA

Tempo de Duração: 105 MIN.
Ano de Lançamento (EUA): 2009
Distribuição: Fox Filmes
Direção: SHAWN LEVY
Produção: SHAWN LEVY, CHRIS COLUMBUS, MICHAEL BARNATHAN
Roteiro: ROBERT BEN GARANT, THOMAS LENNON
Fotografia: John Schwartzman
Desenho de Produção: CLAUDE PARÉ
Montagem: DON ZIMMERMAN, Dean Zimmerman
Efeitos Visuais: Dennis Briest, Sireesha Gadiraju, Nicholas Hiegel, Joel Whist
Música: ALAN SILVESTRI
Elenco: BEN STILLER, Amy Adams, Owen Wilson, Hank Azaria, Robin Williams, Christopher Guest, Alain Chabat, Steve Coogan, Ricky Gervais, Bill Hader, Jon Bernthal, Patrick Gallagher, Jake Cherry, Rami Malek, Mizuo Peck

19 de maio de 2009

UMA NOITE NO MUSEU 2

Divertido e simpático. Ou divertido e (ligeiramente) antipático?

Todos aqueles que assistiram ao primeiro UMA NOITE NO MUSEU, de 2006, além de se divertirem bastante certamente ficaram com a sensação que - ao contrário de muitas franquias cinematográficas que se vêem por aí - a bem bolada trama do guarda que descobre que as figuras do Museu de História Natural ganham vida durante a noite tem potencial para muitas outras aventuras. Imaginem se, por exemplo, os personagens saíssem do museu e começassem a circular por Nova York? Ou se o Presidente Teddy Roosevelt decidisse liderar uma caminhada a Washington para retomar a Casa Branca? Sâo situações que comprovam como os personagens de UMA NOITE NO MUSEU permanecem, e bem, no imaginário do público.

Infelizmente, o que se observa nesta primeira continuação do filme de 2006, UMA NOITE NO MUSEU 2, é uma total falta de criatividade, e até mesmo de competência, por parte dos roteiristas Robert Ben Garant e Thomas Lennon (os mesmos do primeiro filme) em aproveitar seus personagens e dar a eles a empatia que, na verdade, principalmente os personagens históricos já têm pela própria obra que construíram em vida. Nesse sentido, a verdade é que UMA NOITE NO MUSEU 2 é quase um desserviço a pessoas muito importantes à humanidade.

É particularmente constrangedor ver um pilar da aviação como Amelia Earhart ser transformada em uma mulher antipática, que se julga onipotente e é até mesmo agressiva - em determinada cena, Earhart dá dois tapas no rosto de Larry Davey, vivido por Ben Stiller, que, não é sequer necessário lembrar, é o protagonista e defensor do Bem (curioso como, em cena posterior, Davey é igualmente esbofeteado por dois macaquinhos e revida a agressão, mas aceita sem reagir o ato violento de Earhart). Quase pior é observar que uma cena que tinha tudo para ser antológica, como aquela em que se dá o retorno de Abraham Lincoln à vida, é subitamente destruída porque a mesma Earhart tem o topete de dar ordens naquele que foi, e é, um dos seres humanos mais importantes da História da Terra. A cena ofende Lincoln mas, acima de tudo, Earhart que, mesmo não sendo necessário, fazemos questão de repetir ser um dos maiores nomes de toda a história da aviação e, talvez, até mesmo da história dos meios de transporte.

Além desse lamentável destrato com nomes importantes da História (acrescente-se ao dito acima o fato do filme ridicularizar o General Custer - embora, sejamos justos, meritoriamente o dignifique no final), há um erro na forma como o diretor Shawn Levy (também o mesmo do primeiro filme) conduz a narrativa, tornando-a desnecessariamente tristonha principalmente em seus primeiros vinte minutos. Tal gesto nitidamente não é uma opção do cineasta, mas um erro em seu trabalho, o que já no início da metragem evidencia ao público, de forma flagrante, que UMA NOITE NO MUSEU 2 é um filme com problemas de realização.

De qualquer forma, seria injusto apontar apenas as coisas ruins: à medida que o filme se desenvolve o ritmo se acelera - e, portanto, se acerta, os efeitos especiais são de primeira linha e a maior parte do elenco está afiadíssima (raras exceções são o próprio Ben Stiller, que vem decaindo muito, e o francês Alain Chabat, fraquíssimo como Napoleão - papel que já derrubou vários atores, Marlon Brando entre eles). No cômputo final, UMA NOITE NO MUSEU 2 é um filme cuja maior façanha não foi a cometida por nenhum de seus personagens, mas sim o ato de superar seus vários defeitos e tornar-se uma aventura bastante agradável de se ver.

Carlos Dunham

PRIMEIRA IMPRESSÃO
VOLTAR PARA A PÁGINA INICIAL