PLANO DE VÔO (Flightplan, EUA, 2005)
Gênero: Suspense
Duração: 98 min.
Elenco: Jodie Foster, Peter Sarsgaard, Sean Bean, Kate Beahan, Michael Irby, Assaf Cohen, Erika Christensen, Shane Edelman
Compositor: James Horner
Roteiristas: Peter A. Dowling, Billy Ray
Diretor: Robert Schwentke

Pânico no Jumbo

Na sua estréia em Hollywood, o diretor alemão Robert Schwentke demonstra uma segurança que muitos dos seus colegas mais experientes não têm

Espécie de atualização de A DAMA OCULTA (1938), de Alfred Hitchcock, PLANO DE VÔO (2005), dirigido pelo alemão Robert Schwentke, é desses filmes que deixam a gente com o olho grudado na tela do começo ao fim. Eletrizante, e com um trabalho de câmera digno de nota, o filme conta a história de uma técnica de aviões (Jodie Foster), abalada pela morte do marido e em viagem com a filha da Alemanha para os EUA. As duas estão a bordo de um mega jumbo com capacidade para 600 passageiros, quando no meio da noite a filha desaparece. A mulher fica ainda mais perturbada ao perceber que nenhum dos passageiros ou membros da tripulação afirma ter sequer visto a menina. Embora muito da força do filme esteja em Jodie Foster, dois atores também contribuem com personagens de grande impacto: Peter Sarsgaard, como o policial pouco confiável, e Sean Bean como o comandante da nave. Não dá pra falar mais muita coisa, sob o risco de estragar as surpresas para quem ainda não viu o filme.

Depois de VÔO NOTURNO, de Wes Craven, PLANO DE VÔO é o segundo título do ano que se passa quase que inteiramente no interior de um avião. O filme causou polêmica nos EUA, por trazer uma visão nada confiante de uma comissária de bordo. Ainda assim, o filme fez bastante sucesso lá, e é bastante representativo da atual paranóia americana - há, inclusive, árabes suspeitos dentro do avião. O filme faz com que uma simples viagem aérea se transforme num pesadelo aterrador. O som do filme é outro elemento de destaque. Os ruídos que ouvimos de diversas partes do avião são perturbadores.

Recentemente temos visto muitos diretores estrangeiros aportando na indústria americana. Robert Schwentke é mais um bom exemplo do que os olheiros de Hollywood são capazes. Já conheço alguns desses cineastas de seus trabalhos em seus próprios países, como é o caso de Hideo Nakata (RINGU, DARK WATER) e de Alexandre Aja (HAUTE TENSION); outros já me deixaram bastante curioso para conhecer a sua filmografia, como foi o caso dos franceses Jean-François Richet (ASSALTO À 13ª D.P.) e Florent Emilio Siri (REFÉM), e agora deste Robert Schwentke. Quem será esse sujeito de sobrenome complicado que entrou em Hollywood pela porta da frente, abusando dos travellings num ambiente apertado e passando uma segurança que experientes diretores americanos parecem não ter? Schwentke só dirigiu dois longas-metragens na Alemanha: um filme de serial killer chamado TATOO (2002) e uma comédia de humor negro, EIERDIEBE (2003). Para se prestar atenção.

Cotação:
Ailton Monteiro
FILME EM DESTAQUE