ANTES SÓ DO QUE MAL CASADO (The Heartbreak Kid, EUA, 2007)
Gênero: Comédia
Duração: 115 min.
Elenco:
Ben Stiller, Michelle Monaghan, Jerry Stiller, Malin Akerman, Carlos Mencia, Rob Corddry, Stephanie Courtney, Ali Hillis, Kathy Lamkin, Joel Bryant, Lauren Bowles, Leslie Easterbrook, Roy Jenkins
Roteiristas: Leslie Dixon, Bobby Farrelly, Peter Farrelly, Kevin Barnett, Scot Armstrong
Diretor: Peter Farrelly, Bobby Farrelly

Delicioso destino

Nova comédia romântica dos irmãos Farrelly, além de ser uma garantia de boas risadas, é um bonito filme sobre a força do acaso como elo de união entre homens e mulheres

Levei sorte no cinema esse final de semana. Além de me divertir a valer com PLANETA TERROR, tive o prazer de ver mais uma pérola de Peter e Bobby Farrelly, esses sim os verdadeiros mestres da comédia americana contemporânea. Não tem pra ninguém. Nem a turma de Judd Apatow nem o "Frat Pack" conseguem fazer comédias melhores que esses dois irmãos. Claro que a cada filme que passa eles vêm se mostrando mais suaves, mais românticos, o que tem sido motivo de algumas reclamações por parte de alguns críticos ou fãs mais radicais da primeira fase da dupla, mas eu não importo. Ao contrário, eu adoro comédias românticas e os Farrellys, ainda que continuem exercitando suas piadas "nojentas" ou de "mau gosto", já conseguiram me fazer chorar em pelo menos duas ocasiões: na cena da garotinha de pele queimada em O AMOR É CEGO (2001) e no clímax de AMOR EM JOGO (2005). O novo filme, ANTES SÓ DO QUE MAL CASADO (2007) quase me pegou de novo. É bastante envolvente, principalmente para quem é solteiro e se identifica ao menos um pouco com o personagem.

O filme é uma refilmagem de CORAÇÕES EM ALTA (1972), de Elaine May. Como não vi o filme original, não sei o quanto os Farrelly modificaram, mas acredito que muita coisa foi modificada, tanto que o nome dos dois irmãos aparecem nos créditos de roteiro. Uma cena, por exemplo, como aquela do close da genitália da noiva do protagonista escondida por uma tarja preta não devia estar no filme original. Talvez nem mesmo as piadas relativas ao desvio de septo da moça, que tanto renderam momentos engraçados ao filme. Enfim, apesar de ser um remake, ANTES SÓ DO QUE MAL CASADO é um autêntico Farrelly movie.

O filme já me conquistou logo na seqüência inicial, com Ben Stiller passeando na rua ao lado de seu pai, Jerry Stiller (mais conhecido pelo papel do pai de George Constanza em SEINFELD, é mesmo pai de Ben Stiller). E não tem como não gostar desses dois atores, cada um à sua maneira. O pai chega para o filho e pergunta sobre as "novidades". Na verdade ele quer saber se o filho anda "traçando" alguém. Ele desconversa e diz que está apenas saindo com algumas moças de vez em quando. Mas na verdade, ele está mesmo é sozinho e ainda por cima vai para a cerimônia de casamento de sua ex-noiva em pleno Dia dos Namorados (Valentine's Day). E só para passar vergonha. Mas o destino tem planos para o rapaz de quarenta anos. Sua vida muda quando ele conhece uma bonita loira (Malin Akerman) e os dois começam a namorar. Devido a uma eventualidade, ele acaba antecipando o casamento e os dois vão passar a lua-de-mel em Los Cabos, México. Mas aos poucos, ele vai percebendo que a mulher é meio louca e que acabou se precipitando com o casamento. Ela toma uma insolação violenta e, em plena lua-de-mel, ele acaba se descobrindo apaixonado por outra mulher, vivida pela encantadora Michelle Monaghan.

ANTES SÓ DO QUE MAL CASADO é muito bem equilibrado, tanto nas cenas escatológicas - se é que o termo se aplica ao filme - quanto nas cenas mais ternas e românticas. Eu diria que é um dos filmes mais redondos e bem acabados dos Farrelly, embora seja também o que mais se utiliza dos clichês básicos das comédias românticas para conquistar o público comum. Uma das cenas mais bonitas do filme é aquela em que Stiller e Monaghan estão sentados na praia, dividindo um baseado e conversando sobre discos voadores. Na verdade, pouco importa sobre o que eles estão conversando. Estarem juntos e sentindo-se bem um ao lado do outro é que é o importante. É esse tipo de relação que todos buscam e que não existe apenas nos filmes. Ainda bem. Os Farrelly acabam fazendo, mais uma vez, um filme sobre a força do acaso, ou do destino, como elo de união para aqueles que procuram alguém. E de bônus, garante muitas risadas, coisa rara na comédia atual americana. Salve os Farrellys!

Cotação:
Ailton Monteiro
FILME EM DESTAQUE