OS INCRÍVEIS (The Incredibles, EUA, 2004)
Gênero: Aventura
Duração: 115 min.
Elenco: Craig T. Nelson, Holly Hunter, Samuel L. Jackson, Jason Lee, Dominique Louis, Teddy Newton, Jean Sincere, Wallace Shawn
Compositor: Michael Giacchino
Roteirista: Brad Bird
Diretor: Brad Bird

Incrível e humana aventura

Nova animação da Pixar, uma grande diversão também para adultos, sem dúvida é o melhor filme de super-heróis do ano

O estúdio de animação digital Pixar vem se superando a cada filme, afastando-se cada vez mais do padrão ingênuo ou infantil dos desenhos da Disney (conglomerado do qual faz parte) e entregando ao público produções que, de fato, agradam a toda a família. Ou seja, os pais que levam seus filhotes para um filme desses podem ficar tranqüilos - sua inteligência será respeitada. 

Essa tendência atinge seu ápice neste OS INCRÍVEIS, que ao que tudo indica será um sucesso ainda maior do que a realização anterior da Pixar, o impagável PROCURANDO NEMO. O diretor e roteirista Brad Bird (O GIGANTE DE FERRO) criou uma bela homenagem aos super-heróis que, de lambuja, é o melhor filme do ano no gênero, superando até mesmo HOMEM-ARANHA 2. É a primeira realização da Pixar com protagonistas humanos (apesar de serem caricatos, não seguindo a linha do foto-realismo buscado em O EXPRESSO POLAR, por exemplo), o que, aliado a uma trama que aborda temas incomuns para uma animação, ajuda o filme a atrair também o público adulto. 

Após os super-heróis terem sido rejeitados pela sociedade, o ex-Sr. Incrível (voz de Craig T. Nelson) tem uma vidinha pacata e insignificante como o barrigudo Beto Pêra (Bob Parr, no original), sua identidade secreta. Casado com a ex-Mulher Elástica (voz de Holly Hunter), com a qual tem três filhos – a adolescente Violeta, o garoto Flecha e o bebê Zezé (todos com superpoderes em desenvolvimento), Pêra é um sujeito frustrado com sua rotina, que sonha em voltar a usar seu uniforme para combater o mal. A oportunidade surge quando uma misteriosa organização o contrata para uma missão que eventualmente irá levá-lo, juntamente com sua família e outro super-herói, Gelado (voz de Samuel L. Jackson), a combater o vilão Síndrome, que pretende eliminar os paladinos remanescentes. 

Desenvolvendo essa idéia básica, Bird discute temas humanos e familiares dificilmente encontrados em desenhos animados, como crise da meia idade, problemas matrimoniais, violência infantil, preconceito, e por aí vai. E adicionando-se a isso muito humor, aventura traduzida em cenas de ação alucinantes que somente poderiam ser criadas em computação gráfica, e muitas referências a gibis, séries de TV e filmes dos anos 60, temos uma produção superior tanto no aspecto técnico como em conteúdo. 

As referências mais óbvias são a graphic novel de Alan Moore Watchmen (a aposentadoria forçada dos "supers" e sua progressiva eliminação), os clássicos super-heróis da Marvel e da D.C. Comics (a família Pêra é, praticamente, o Quarteto Fantástico com poderes trocados) e os filmes de James Bond (o esconderijo do vilão, a capanga que ajuda o herói, a música de Michael Giacchino, mais do que inspirada nas trilhas de John Barry para 007). As crianças e os mais jovens poderão perder estas e outras referências, como a impagável homenagem à mais famosa figurinista de Hollywood, Edith Head, mas ainda assim sobrará muita coisa para eles apreciarem. 

Então, se você ainda não viu, não espere mais: embarque na aventura de OS INCRÍVEIS (se você já for crescidinho, dê preferência a uma cópia legendada), sem dúvida a melhor diversão deste final de ano nos cinemas.

Cotação:
Jorge Saldanha
FILME EM DESTAQUE