JASPION: A MÚSICA DE UM METAL HERO

Jaspion: salto de até 70m, soco de 300Kg, sua espada
laser é capaz de atravessar uma chapa de aço com
2m de espessura!

É incontestável o valor da música em qualquer produção audiovisual. É certo que nem sempre a música é boa ou faz a imagem saltar da tela, mas com sua ausência não há vida do outro lado dela, tudo se torna comum e sem o brilho necessário para que possamos enxergar além de meros movimentos. Em muitos casos a música fala pelas imagens, e um desses casos é o que veremos a seguir: a série de TV Jaspion, produção que não saiu da fábrica anglo-saxônica de sonhos, mas nem por isso ela significa, para seus milhares de fãs, algo menor. Produção japonesa de 1985-1986 dos estúdios TOEI (semelhante à Globo no Brasil ou à Disney nos EUA), Jaspion foi exibido pela primeira vez no Brasil no início da década de 90 pela extinta Rede Manchete, e mantinha em frente à TV telespectadores infanto-juvenis durante as tardes da semana. Na época, a série abriu as portas do Brasil para uma leva de outros seriados com temática semelhante, da mesma produtora, que acabaram saturando a programação vespertina.

O enredo segue a linha de outros seriados antigos de super-heróis japoneses, como National Kid e Ultra-Man. Jaspion, cuja grafia correta é Juspion (Justice+Champion), tem como título original em japonês Kyoju Tokuso Juspion (tradução: Investigador Especial de Monstros). O herói foi a única criança sobrevivente do acidente com uma nave interplanetária, que colidiu com o planeta onde vive Edin, grande sábio que criou o menino orfão e mais tarde desenvolveu para ele uma armadura especial, a ser usada em momentos de perigo. O lado maléfico fica por conta de Satan Goss e de seu filho Mac Garen, o primeiro conhecido como o Satanás da Galáxia por despertar a fúria em monstros até então adormecidos, o outro responsável por tornar a Terra o paraíso dos monstros, mas nosso metálico herói cruzará em seu caminho.

Michiaki Watanabe

A trilha sonora instrumental do programa, ou BGM, é de Michiaki Watanabe, conhecido no meio também como "Chumei" Watanabe. Na época em que compôs o score, ele já tinha nada menos que treze anos de colaboração para séries de TV japonesas, quase todas da produtora TOEI. Mas o que é BGM? Se você já jogou video game, provavelmente está familiarizado com este termo, nas opções de som dos jogos mais recentes há um indicador de nível de volume para BGM (Background Music), a música de fundo. No Japão as trilhas sonoras instrumentais de suas produções levam esse nome, mas o termo é um pouco vago, se considerarmos tudo o que ouvirmos de música no seriado, por certo esse material, o qual amalisaremos adiante, estaria nesses CDs. A fim de facilitar a análise, dividirei o score por material temático.

Quietude / Viajando Pelo espaço / Tudo OK! (1)
Temas descontraídos, reforçando algumas situações cômicas, invariavelmente ocorrendo no início dos episódios. O tema mais utilizado tem solo de saxofone, acompanhado de contra-baixo, bem carecteristico de época, também usado enquanto Jaspion anda pela cidade descobrindo coisas terráqueas. Apenas uma faixa é dedicada a essa temática.

Satan Goss planeja transformar
a Terra num habitat de monstros.

Investigação / Suspeita / Tensão (2)
Percussão marcante e ritmo lento, adicionando mais dramaticidade e obscuridade às ações do herói. Em alguns momentos, geralmente quando estão na cidade, há passagens jazzisticas, realçando o perigo que ronda a cidade.

Os Monstros / Satan Goss / Mac Garen (3)
Para esta temática, pode-se observar a característica das produções da TOEI daquela época, e que se torna comum após os primeiros episódios: a rotatividade dos temas. Quando Satan Goss aparece pela primeira vez o tema só é tocado quando ele está presente, mas isso só ocorreu no início; após, o tema acabou sendo dividido para os vários monstros gigantes. Como se fosse uma marcha não desenvolvida, de curta duração, é eficaz, por mostrar ao ouvinte que alguém a quem se deve temer está por perto ou chegou, mas satura depois de alguns episódios.

Daileon: no espaço é uma nave, mas quando
Jaspion chama:  Gigante Guerreiro... Se
transforma num robô capaz de combater
os piores monstros.

Batalhas / Perseguindo o Inimigo / Duelo de Gigantes (4)
Nesses temas são utilizados basicamente trompetes - aliás toda a trilha sonora, incluindo as canções, é marcada pela onipresença desse instrumento. A princípio funciona bem, depois torna-se cansativo.
São a fusão de temas relacionados diretamente a Jaspion, tendo como contra-ponto violinos e um pouco de percussão típicamente latina-americana, dando magnitude às lutas. Quando Daileon está se transformando e lutando, na maioria dos episódios é usado o tema cantado, no inicío da série foi utilizado um tema instrumental que não é a versão instrumental da versão cantada, ele funciona melhor, tem grandiloqüência e tom  épico. Outro tema, pouco usado e geralmente para musicar perseguições, difere bastante do resto da trilha por basicamente ser interpretado por violinos e apoiado por contra-baixo, e dá ao tema caracteristica de época. Quando o gigante guerreiro luta com monstros mais poderosos que, portanto, precisam ser derrotados duas vezes, a seqüência musical geralmente segue essa ordem: Transformação e Início de Combate-Canção do Daileon-->Tema Original Instrumental-->Canção do Jaspion com variação entre cantado e solo de guitarra.

Mya surgiu quando Jaspion
estava  sendo atacado numa
floresta, duas "Myas" apareceram
para ajudá-lo, mas uma  delas
morreu na ocasião.

Jaspion Sempre Vence / Reflexões / Final Feliz (5)
Nessa atmosfera se encontra o tema de abertura instrumental, num arranjo mais rápido e alegre, alternado também com o tema de encerramento com arranjo mais leve e descontraído, sendo a primeira com interpretação de trompete e trombone e esta última somente com trompete.
Em vários finais de episódios, Jaspion olha para o horizonte e faz indagações como: "O que Satan Goss está tramando?" Logo após, na cena, é interrompido por Anri e Mya, para voltarem à nave. Em sua  maioria, estes momentos são musicados com a versão instrumental da canção "Kyojuu Tati yo" num arranjo mais alegre, com característica típica da música popular tradicional japonesa.

Faixas do score que já foram lançadas em CD no Japão:

1-Ore ga Seigi Da! Juspion
(TV Version) [1:14] ("Main Title" TV version)

2-Demon Hunter [5:02] (2)
3-
Metaltec Suit [5:19] (3)
4-
Galaxy Bible [4:24] (2)

5-Roaming [5:26]
(1)
6-The Enemy [5:12]
(3)
7-Desperate War [3:51]
(4)
8-
Change for Daileon [5:59] (4)
9-
Dreamers [4:54] (5)
10-
Ore ga Seigi Da! Juspion (Eletric Guitar Solo) [3:10] (4)

11-Space Wolf Juspion
(Trumpet Solo) [2:48]
(4)
12-Space Wolf
* [1:22]
(5)
13-Kotohen wo Kanjiru ze
* [3:32]
(5)
14-Kyojyu Shutsugen
* [1:28]
(5)
15-Juspion Action
* [1:14] (5)
16-Ginga no Heiwa wo Wagaate
* [4:37] (5)

17-Space Wolf Juspion
(TV Version) [1:17] ("End Title" TV version)

18-Juspion Yotsuhen Ongakai [0:32]
(Para musicar "cenas do próximo episódio")

* Quando a gravadora lançou em CD o score, em 1997, não foram localizadas as master tapes com o áudio que originalmente havia sido gravado em estéreo, e acabaram por utilizar as master tapes utilizadas para musicar o seriado, na época, em mono.
Os números entre parenteses são para definir sua temática.

                                         As Canções em Jaspion

Sem dúvida, muitos dos que assistiram o seriado na TV se lembram mais das canções do que do score, isso porque o modo de musicar a série privilegiou as canções, que conseqüentemente são ouvidas a todo momento. Os nomes entre ( ) se referem aos seus respectivos intérpretes.

Ore Ga Seigi Da! Juspion[3:07] (Ai Takano)--> É o "main title" apresentado na abertura, não seria muito afirmar que foi o melhor tema de heróis nipônicos já exibidos no Brasil. Teve uma péssima versão em inglês e também versão karaokê.
Kyojuu Tati yo[4:00] (Space Minstrels)--> Como característica principal, pouca intervenção de sintetizadores e privilegiando o quinteto de vozes. Não existe o "love theme" propriamente dito, então esta canção, bastante inspirada, faz o papel dele. Geralmente é dedicada às cenas onde crianças estão envolvidas nas ações malévolas de Mac Garen.
Mabushi Aitsu[3:43] (Akira Kushida)--> Apresentado pela primeira vez em "Gordon Em Busca da Mãe", arranjo mais elaborado e pouca intervenção de música sintetizada. Destaque para o coral infantil, bem colocado, que acompanha Akira Kushida, arranjo mais elaborado entre as demais.
Nefuu Yarou Juspion[3:43]
(Desconhecido)--> Pende para o rock, a maioria das canções vai por esse estilo, com guitarra, para musicar as lutas.
Powerful Fighter Juspion[3:24]
(Akira Kushida)--> Forte presença de sintetizadores, voltada para os combates. O contra-ponto da flauta, em certo momento, foi bem absorvida pelo rápido ritmo apresentado.
Itsu no Hi Heiwa ga[4:06]
(Desconhecido)--> É uma mistura desordenada de rock dos anos 70 com vocais sem cadência.
Ryusei no Senshi[3:04]
(Ai Takano)--> De todas canções que tentam atravessar os limites do estilo "TV Soundtrack", essa é a que melhor se saiu, com marcante solo de guitarra típico da segunda metade da década de 80, funciona bem como música pop (japonesa, é claro!).
Ginga no Tarzan[3:07]
(Akira Kushida)--> A mais desastrosa, usada para lutas, o erro foi seguir o estilo "Disco", e por isso fora de contexto.
Space Wolf Juspion
[2:45] (Ai Takano)--> É o "end credits", não é tão melodioso como o "main title", também teve péssima versão em inglês e karaokê.

Todas canções possuem arranjo de Michiaki Watanabe.

                                               Aspectos Gerais

Nos seis primeiros episódios, já é possível conhecer toda BGM que será utilizada nos episódios posteriores. Foram 46 episódios, cada um com uma média de 23 minutos de duração, 90% desse tempo é musicado. Como o score tinha temas fixos, ou seja, não houve composição "sob demanda", toda music score foi usada num curto intervalo de tempo. Se a série fosse adaptada para cinema, o score de Watanabe não se adequaria, pelo menos não totalmente, numa abordagem cinematográfica. O escasso ambiente sinfônico certamente seria a primeira deficiência em relação à música original; a segunda é o excessivo uso do trompete como instrumento solo, ele torna tudo marcial e de certa forma apocalíptico. Houve uma versão para cinema de Jaspion, não exibida no Brasil, mas na realidade trata-se da compilação de vários momentos da série.

Porém, esse é o estilo que provavelmente os produtores ou o próprio compositor consideraram adequado para o gênero Metal Hero, exaustivamente explorado na década de 80, no Japão. Mesmo que por vezes tenha seus excessos, é inegável que a música se adequa perfeitamente às ações e faz com que as histórias ganhem algo mais do que efeitos especiais fajutos. Comparando-a com outras obras do compositor como Sharivan (1983, pré-Jaspion) e Spielvan (1986, pós-Jaspion), nota-se maior intervenção de música sintetizada - e quanto à própria natureza das composições, Jaspion é incisivo, Sharivan foi enérgico e Spielvan melódico; este último tem o dobro de ambiente sinfônico de Jaspion e com passagens que nos remetem à New Age. Também utilizou reservadamente como contra-ponto, em várias ocasiões, temas originalmente desenvolvidos para as lutas em Jaspion.

Em Jiban consta o nome do compositor, porém muito da music score dessa série foi retirada de Jaspion e Spielvan, a fim de reduzir gastos com a trilha sonora. Atualmente o compositor vem musicando animês - desenho animado japonês - como Godanner. Diante dessa insólita trilha sonora, só me resta dizer: Arigatô, Michiaki Watanabe!

                                  Os Lançamentos Discográficos

LP da Top Tape

Mesmo no Japão, CDs com esse tipo de música entram e saem de catálogo rapidamente, em sua maioria são edições limitadas. O último CD de Jaspion relançado em junho/2004, com suas 10 faixas, não traz toda a trilha sonora, o restante está nos albúns TOEI Metal Hero Music Collection, TOEI Metal Hero Battle Music e TOEI Metal Hero BGM Collection. São compilações dedicadas geralmente a três séries do gênero, ou seja um mesmo CD possui BGMs de Sharivan, Spielvan e Jaspion por exemplo, e são títulos que há muito estão fora de catálogo. Outra característica importante a destacar é a forma como são apresentados os temas no albúm: como a maioria deles é de curta duração (em média 1 minuto), foram mixados diversos temas para formar uma única faixa, a média é de 3 temas por faixa, respeitando sempre a temática, não destoando da atmosfera sugerida. No CD, não há qualquer menção da regência ou estúdio onde foram realizadas as gravações. As músicas que não tiveram edição discográfica, tratam-se de source music ou música de apoio sem qualquer relação com o contexto da obra. A qualidade do áudio é boa, mas em algumas faixas nota-se o efeito bubbler, o mesmo efeito que sofrem fitas cassete gravadas já há algum tempo.

Na época, enquanto a série estava sendo exibida no Brasil, foram lançados vários produtos relacionados ao herói, sendo um deles um LP lançado pela Top Tape, contendo regravações das canções em português. Os arranjos foram refeitos, resultando numa música inferior em relação a seus originais.

PARA OUVIR AMOSTRAS DAS MÚSICAS DE JASPION, CLIQUE AQUI

Ricardo RASS

VOLTAR PARA A BIBLIOTECA