Um papo Estelar com MARCOS KLEINE

Trilhas sonoras instrumentais ainda dão pouco "IBOPE" no Brasil, assim, devem ser louvados e incentivados aqueles que não apenas as apreciam, mas também as adaptam e as interpretam. É o caso do instrumentista, compositor e produtor musical Marcos Kleine, líder da banda Kleine Project, que adapta músicas-tema de séries de TV e de filmes. Um CD promocional foi gravado por Kleine, sendo que as músicas estão disponíveis para download na home page do Kleine Project em formato MP3 e Midi. Leia a seguir uma entrevista exclusiva para o ScoreTrack.Net, realizada em junho de 2001, na qual o músico falou um pouco sobre sua carreira e de seus planos para o futuro.

ScoreTrack: De onde você é?
Kleine: De São Paulo. Descendente de alemães e Italianos, mas nasci em São Paulo.
 

ScoreTrack: Você é identificado com o universo de Jornada nas Estrelas, assunto de suas colunas nos sites da Frota Estelar Brasil e do Canal USA. O que veio primeiro, a paixão pela música ou pela obra de Gene Roddenberry?

Kleine: O mais importante com certeza é a música, pois é o Dom que Deus me deu, mas comecei a gostar de Jornada com 8 anos de idade, meu pai fazia “Enterprises” com pedaços de papelão, pegava tudo que era “pisca pisca”e montava a ponte da Enterprise na minha casa. Desde o primeiro filme, vou em estréias de Jornada no cinema.

Kleine é convocado por uma ordenança 
da Frota Estelar 

ScoreTrack: Série Clássica ou A Nova Geração?
Kleine: Pelos personagens a Clássica, mas a Nova Geração era completa, inesquecível.

ScoreTrack: Qual foi a primeira trilha que lhe chamou a atenção?
Kleine: Com certeza foi a de Star Wars, lembro que tinha 7 anos e pedi aos meus pais uma fita cassete da trilha de John Williams.

ScoreTrack: Qual seria, então, o seu compositor preferido? Williams?
Kleine: Gosto muito do John Williams, ele é surpreendente!

ScoreTrack: Com quantos anos você começou a aprender música?
Kleine: Aos 10 anos já era baterista, mas aquele baterista que ficava “batucando” em tudo que era coisa, panela, almofada, toquei “batera” até os 15 anos, e com essa idade descobri minha paixão que é a guitarra, foi instantâneo. Cresci em meio de músicos, sou amigo de infância do pessoal do Viper, e quando peguei uma guitarra foi uma loucura, dias depois comecei a entregar pizza para comprar uma. Isso foi há 16 anos atrás.

ScoreTrack: Quantos e quais instrumentos você toca?
Kleine: Toco bateria razoavelmente, tenho ótimas idéias mas nem sempre consigo tocá-las; teclado, também razoavelmente; a guitarra é o meu instrumento principal, e toco baixo sem problemas.

ScoreTrack: Quando você decidiu fazer versões de temas de filmes e séries?
Kleine: Há 3 anos, montei um estúdio em minha casa, e estava impressionado com a melodia do tema do filme de Jornada nas Estrelas: Primeiro Contato, que é do Jerry Goldsmith. Estava dando uma analisada na harmonia e resolvi fazer um Midi, gostei tanto do resultado que resolvi gravar a guitarra solando o tema, aí comecei a viajar e pensei, por que não tocar nas convenções? Sempre ia nas convenções da Frota. Entreguei uma fita ao pessoal da Frota, eles gostaram e aí começou tudo, comecei fazendo o tema de Primeiro Contato, Generations e da serie Clássica.

A banda em velocidade de dobra

ScoreTrack: Fale um pouco sobre o seu processo criativo: você compõe direto no teclado ou guitarra e depois faz anotações, ou vice-versa? Como é feita a orquestração?
Kleine: Bem, no Kleine Project eu primeiro ouço muito o tema para me acostumar com ele, depois vou no ouvido mesmo; ouço instrumento por instrumento e vou tirando no ouvido e gravando no teclado as harmonias principais. Depois eu monto a base rítmica, pois umas das características do meu trabalho é adicionar bateria às orquestrações. Por último tiro o tema principal, toco-o bastante para poder adicionar aquele feeling que é necessário. O interessante é que você não pode tocar os temas de qualquer jeito, tem que passar a emoção e o feeling, isso é bem difícil.

ScoreTrack: Ainda assim, à primeira vista parece mais fácil adaptar uma música já existente do que compor algo novo. Ou não? Você não tem medo de descaracterizar demais as músicas originais?
Kleine: No caso de adaptar orquestras e obras-primas é bem difícil. É muito mais fácil compor uma música, lembro quando tive que tirar o tema de Star Wars ou do Besouro Verde, nossa, é tanto detalhe, tanta nota que ficava até tonto, mas compor é muito mais fácil, e nunca tive medo de descaracterizar, sempre quis ousar. O Neil Norman já segue um padrão mais fiel, eu quis mudar mesmo, principalmente no aspecto rítmico.

ScoreTrack: Qual foi a versão que mais lhe agradou?
Kleine: Adoro a primeira que fiz, a que iniciou a idéia, Primeiro Contato. É esta que vocês estão ouvindo de fundo, e ao vivo com a banda, é uma das melhores.

ScoreTrack: Certamente você tem composições próprias já gravadas. Quais são?
Kleine: Bem, ainda não está no mercado grande parte do meu trabalho, tenho uma banda intitulada KLEINE, que é de musicas próprias, com 3 vocalistas. Tenho meu trabalho instrumental próprio, também produzi algumas bandas e acompanhei artistas em shows. Agora estou dando mais ênfase ao meu trabalho próprio, mas no geral tenho mais de 350 músicas próprias.

O Kleine Project 

ScoreTrack: A partir de que momento você resolveu apresentar-se ao vivo, e montar uma banda?
Kleine: Quando eu vi que a aceitação do meu trabalho estava grande, resolvi montar uma SUPER banda, e tocar tudo ao vivo. Foram 3 meses de ensaio até a nossa estréia no Metrópolis no ano passado, tudo foi acontecendo naturalmente.

ScoreTrack: Fale um pouco de seus companheiros do Kleine Project.
Kleine: Bem, são antes de tudo amigos, e poderei falar mais sobre isso em breve, pois talvez tenha que fazer umas mudanças. Mas sempre opto por pessoas que já conheço, e sérias, pois para mim a música é minha vida. No Kleine Project não aceito nem meia pisada na bola.

ScoreTrack: Faça um paralelo do seu trabalho com o do americano Neil Norman, dono da gravadora GNP Crescendo e que esteve há algum tempo no Brasil com a sua Cosmic Orchestra. Você o conhece pessoalmente?
Kleine: O Neil faz algo mais tradicional, é um grande músico. Eu mandei minhas primeiras versões à GNP, foi aí que fiquei sabendo que existia o Neil, eles vieram ao Brasil, e fiquei bastante amigo do baterista, o Kevin Karamitos. Conheci o Neil, entreguei meu CD a ele, ele brincou dizendo que poderia me “processar”, e ficou espantado que na época eu já havia feito uma versão do tema do Insurreição, pois eles estavam no Brasil para divulgar essa trilha. Foi legal isso, pois eu fui o primeiro cara no mundo a criar o Midi do tema do filme. Aliás, quando sair Star Trek X, vou fazer o mesmo.

ScoreTrack: Você já editou um CD independente, e tem realizado várias apresentações com a banda. O que mais vem por aí?
Kleine: Bem, estou fazendo a trilha do Sev Trek, a minha banda com músicas próprias vem aí, assim como a banda instrumental. Além do Kleine Project pretendo fazer várias apresentações, estamos atrás de um empresário para agendar e viabilizar os shows.

ScoreTrack: Falando em Sev Trek, sabemos que é uma animação em 3D internacional, uma espécie de sátira/homenagem a Jornada nas Estrelas que será lançada até o final do ano. Como você se envolveu neste projeto?
Kleine: Foi na raça, fiquei sabendo que eles estavam procurando um cara para fazer os barulhos do desenho, tipo porta abrindo, barulho de laser, etc., e disse que toparia fazer a trilha. Eles já tinham um cara, mas pedi para eles ouvirem o meu material, eles adoraram e me colocaram no projeto. Mandei um preview que foi aprovado por todos os envolvidos, e fechamos negócio.

Aventuras e piadas em Sev Trek 

ScoreTrack: Na composição tradicional para o cinema ou TV, grosso modo, o compositor inicialmente assiste ao filme, compõe a música e a grava em sincronia com as imagens que são exibidas em uma tela. No entanto, Sev Trek ainda não está pronto, e você já está compondo a trilha. Nos fale um pouco sobre como está sendo este processo de composição.
Kleine: Na verdade eles estão me mandando as cenas, os atos 1 e 2 já estão prontos, falta só o ato 3. Nesse processo, ou a música inspira a imagem ou o contrário, não há como não haver esse elo. Eu tenho que esperar as cenas para criar, tudo é sincronizado e com o clima da cena, é um trabalho de alta precisão.

ScoreTrack: Você acha que, algum dia, estará compondo para algum filme ou produção para a TV?
Kleine: Bem, isso seria um sonho com certeza. Quem sabe, estou aí, pronto para o que der e vier. O que falta às vezes é chance, quando ela aparecer estarei pronto; mas fazer o tema de um filme para cinema seria um sonho.

ScoreTrack: Qual o seu maior ídolo?
Kleine: Jesus Cristo.

ScoreTrack: Para finalizar, o que você teria a dizer aos "scoretrackers", e aos apreciadores de trilhas sonoras instrumentais?
Kleine: Agradecer a todos, a quem conhece meu trabalho. Tenho que dizer muito obrigado pela força, agradecer a vocês do ScoreTrack pelo trabalho de divulgação de trilhas e pelo espaço que estão me dando! Logo estaremos com novidades, prometo que vocês ouvirão em breve minha trilha do Sev Trek, e espero um dia poder levar o Kleine Project em cada ponto do Brasil, e quem sabe lá fora também para mostrar aos gringos esse trabalho.

ScoreTrack: Também agradecemos a você, Marcos, não apenas por esta entrevista, mas principalmente por levar tantas trilhas e temas memoráveis a um número cada vez maior de pessoas. Continuaremos dando a maior força ao seu trabalho, divulgando-o da melhor forma possível. Temos certeza que este é apenas o início de uma promissora carreira de sucesso. Vida Longa e Próspera!