OLGA (Olga, Brasil, 2004)
Gênero: Drama
Duração
: 141 min.
Elenco: Camila Morgado, Caco Ciocler, Fernanda Montenegro, Mariana Lima, Renata Jesion, Osmar Prado, Luis Mello, Eliane Giardini, Werner Schünemann, Floriano Peixoto, Murilo Rosa, José Dumont.
Compositor: Marcus Viana
Roteiristas: Rita Buzzar
Diretor: Jayme Monjardim

O cinema nacional se fortalece

Mesmo com a direção por vezes vacilante de Monjardim e alguns furos no roteiro, OLGA é mais uma prova da evolução cinematográfica brasileira

Alguns anos atrás o nosso cinema era composto de tal paradigma: feio, sujo, sem qualidade técnica, cheio de palavrões e povoado de sexo. Eis que Walter Salles, num já distante 1998, surge com Central do Brasil e quebra essa visão estereotipada. O filme premiadíssimo deu a largada pelo interesse dos brasileiros às produções nacionais, que antes eram dominadas pelas produções estrangeiras e as bobagens da Xuxa.

Vieram O Auto da Compadecida, Caramuru, Amarelo Manga e o ciclo chegou no seu ápice com Cidade de Deus (quatro indicações ao Oscar), para provar que a mentalidade estava mudando. Qualidade técnica, unida com grande criatividade e talento, contribuíram para essa renovação.

OLGA é mais um exemplar dessa boa safra. O filme conta a história de uma militante comunista que foge para Moscou, onde é perseguida pela polícia. Tempos depois ela retorna para acompanhar Luís Carlos Prestes na realização da Intentona Comunista. Com Camila Morgado, Caco Ciocler e Fernanda Montenegro no elenco, Olga é a maior bilheteria de um filme nacional de 2004, até o momento.

O filme, dirigido por Jayme Monjardim e baseado no livro de Fernando Morais, é um primor técnico. A fotografia é soberba, nos remetendo à frieza e à angústia dos campos de concentração, e os figurinos impressionam. Infelizmente o mesmo não pode ser dito do roteiro, que por sua vez tem alguns de furos e que nos mostram Vargas e seu comparsa Muller como dois vilões de desenhos animados. A direção de Monjardim por vezes é vacilante e comprova que ele não está bem habituado com a linguagem do cinemão. 

Colocando os acertos e erros na balança, o saldo é positivo. Camila Morgado prova que é uma atriz que veio pra ficar, a qualidade técnica dos filmes brasileiros vem se aperfeiçoando cada vez mais e o filme, como já disse, é sucesso de público. Olga é mais um passo adiante que a indústria cinematográfica brasileira dá. Que venham os próximos.

Cotação:
Ailton Monteiro
FILME EM DESTAQUE