RESIDENT EVIL 2: APOCALIPSE (Resident Evil: Apocalypse, EUA, Alemanha, Inglaterra, 2004)
Gênero: Terror, Ficção Científica
Duração
: 94 min.
Elenco: Milla Jovovich, Sienna Guillory, Oded Fehr, Thomas Kretschmann, Sophie Vavasseur, Razaaq Adoti, Jared Harris, Mike Epps
Compositor: Jeff Danna
Roteirista: Paul W. S. Anderson 
Diretor:
Alexander Witt

Gatas e zumbis

Filme do estreante Alexander Witt não é uma Brastemp, mas contando com um par de protagonistas muy gostosas e personagens da famosa série de games, diverte mais que "Hóspede Maldito"

Com o risível subtítulo nacional de O HÓSPEDE MALDITO, a aguardada adaptação cinematográfica da famosa série de games da Capcom RESIDENT EVIL chegou às telas em 2002, e teve uma resposta morna dos fãs. O filme do diretor Paul W. S. Anderson, apesar de conter elementos dos games, apresentava história e personagens novos - na verdade era uma prequel dos jogos - e nada era particularmente original ou memorável. À exceção, talvez, dos relances da nudez de Alice (Milla Jovovich).

Mas o filme, que possuía um final em aberto, rendeu o suficiente para gerar uma continuação, que chegou às telas na forma deste RESIDENT EVIL 2: APOCALIPSE. Anderson, envolvido com ALIEN Vs. PREDADOR, limitou-se a escrever o roteiro, deixando a direção a cargo do novato Alexander Witt. Que, diga-se de passagem, demonstra segurança ao filmar os zumbis de um jeito bem estiloso.

Alice sobrevive aos eventos do filme anterior, porém é submetida às experiências da multinacional Umbrella Corp. com o vírus T, capaz de reativar células mortas e transformar cadáveres em zumbis. Ocorre que este vírus, aplicado em pessoas vivas e sob condições controladas, é capaz de provocar mutações genéticas. Alice, então, torna-se uma arma biológica - um soldado geneticamente aprimorado, com espantosas habilidades de combate.

Fugindo do hospital da Umbrella, Alice descobre que toda Raccoon City estava em quarentena e sua população, contaminada pelo vírus T, havia sido transformada em uma horda de zumbis canibais. Ela junta-se a um grupo composto, entre outros, pela policial da S.T.A.R.S. (a polícia de elite da cidade) Jill Valentine (Sienna Guillory) e os comandos da Umbrella liderados por Carlos Olivera (Oded Fehr, de A MÚMIA), que devem salvar a filha do criador do vírus, Dr. Ashford (Jared Harris), ganhando em troca passe livre para saírem da cidade. O que eles não sabem é que a Umbrella planeja utilizar o caótico cenário para testar outra de suas armas biológicas, o mutante Nêmesis, em um confronto com Alice, antes que a cidade seja riscada do mapa por um míssil nuclear.

RESIDENT EVIL 2: APOCALIPSE certamente ainda não é o filme dos sonhos dos fãs da série de games, mas apresenta algumas vantagens sobre o seu predecessor, em especial um primeiro terço onde podem ser reconhecidos vários personagens e situações dos jogos. O destaque sem dúvida é a durona e gostosa Jill Valentine, encarnada pela não menos Sienna Guillory, que interpretou o papel título da produção televisiva HELENA DE TRÓIA. Milla Jovovich, que também não é de se jogar fora, continua defendendo com garra (e, às vezes, sem roupa) seu papel de Alice. Quanto à música, o filme apresenta uma trilha incidental de ação superior à do filme anterior, a cargo de Jeff Danna - novato neste tipo de filme e música.

Infelizmente, a partir da entrada de Nêmesis em cena, os zumbis são relegados a segundo plano e o filme perde força. O monstrengo é uma mala no game, e no filme continua sendo. E o visual dele, que mais parece um fugitivo dos POWER RANGERS, não ajuda em nada. Aliás, é uma pena que este filme baseie-se livremente em Resident Evil 3, para mim o jogo mais fraco da série. No mais, há algumas decisões acertadas, como assumir aquele certo ar trash-cômico que todo filme de zumbi deve ter. Dá para rir na cena em que L. J. (Mike Epps), distraído pela visão de duas prostitutas-zumbi de topless, bate com o carro.

Bom, se você é capaz de se divertir por uma hora e meia assistindo a duas gatas detonando zumbis e monstros, RESIDENT EVIL 2: APOCALIPSE é uma boa pedida. Ah, e o final novamente fica em aberto. Pelo jeito lá por 2007 teremos novas notícias de Alice, Jill & Cia.

Cotação:
Jorge Saldanha
FILME EM DESTAQUE