REINO DE FOGO (Reign of Fire, EUA, 2002)
Gênero: Ficção Científica, Aventura
Duração: 100 min.
Estúdio: Touchstone
Elenco: Christian Bale, Matthew McConaughey, Izabella Scorupco, Gerard Butler, Scott Moutter, David Kennedy, Alexander Siddig, Ned Dennehy
Compositor: Edward Shearmur
Roteiristas: Gregg Chabot, Matt Greenberg, Kevin Peterka 
Diretor: Rob Bowman

O melhor dragão do cinema

Premissa e situações inverossímeis não são suficientes para tirar a força desta original aventura de ficção científica

O cinema já nos apresentou muitas visões de um futuro apocalíptico, com a humanidade à beira da extinção. Guerras nucleares, catástrofes naturais e até invasões alienígenas eram, via de regra, os elementos causadores de nossa destruição. Mas agora, com REINO DE FOGO, surge mais uma versão do tema, e que talvez seja a mais absurda (e curiosa) de todas por envolver uma criatura mítica: o dragão. No filme se descobre que, ao contrário do que todos pensavam, os dragões realmente existem, e surgem na Terra em ciclos. Num desses ciclos, teriam sido eles que transformaram os dinossauros em cinzas, e não um asteróide.

O filme inicia nos dias de hoje, quando o garoto Quinn descobre, em uma escavação sob Londres, um gigantesco dragão adormecido. O monstro desperta e escapa, logo surgem milhares de outros dragões e em poucos anos a civilização está em ruínas, graças à ação das feras aladas e às próprias armas de destruição que os homens usaram sem sucesso contra elas. Em 2020, Quinn (Christian Bale, de PSICOPATA AMERICANO) lidera uma comunidade de sobreviventes que abriga-se em um castelo próximo ao que sobrou de Londres. Sua rotina é quebrada pela chegada de uma unidade do exército norte-americano liderada por Van Zan (o anabolizado Matthew McConaughey), uma espécie de matador de dragões munido de caminhões, tanques e até mesmo de um helicóptero. 

Van Zan e sua unidade, com a ajuda de Quinn e após uma eletrizante perseguição aérea, abate um dos dragões. O militar então revela que existe apenas um dragão macho, exatamente aquele que fora descoberto em Londres - os demais são todos fêmeas. Bingo! Mate o macho e a espécie se extinguirá em poucos anos... Pausa: aqui caberia um esclarecimento sobre como o primeiro dragão macho conseguiu reproduzir-se e dar origem às milhares de fêmeas que surgiram depois... ou será que elas também estavam adormecidas sob o solo e ele as acordou? Continuando: Van Zan recruta os melhores homens de Quinn para atacar o grande dragão que ainda vive nas ruínas de Londres. Quinn protesta, mas mesmo assim Van Zan reúne homens e equipamentos, vai até Londres e o monstro destrói a tudo e quase a todos - apenas Van Zan e um soldado sobrevivem. Não satisfeito, o dragão voa até o castelo e o destrói, provocando inúmeras mortes. Em desespero, Quinn, Van Zan e a piloto do helicóptero Alex (Izabella Scorupco) reúnem o arsenal restante e dirigem-se, apenas os três, de volta a Londres, onde enfrentarão sozinhos a fera.    

Apesar da inverossimilhança de algumas situações, o diretor Rob Bowman (ARQUIVO X - O FILME) consegue dar credibilidade suficiente à premissa e realiza uma aventura de ficção científica original, ainda que utilizando elementos retirados de outros filmes pós-apocalípticos, como MAD MAX II. À exceção do ótimo Bale e de McConaughey, este exagerado ao tentar convencer como um personagem obcecado, nitidamente baseado no pescador Quint de TUBARÃO, o elenco apresenta atuações discretas e homogêneas. Mas quem rouba mesmo o show são os dragões: se você gosta de filmes com esses monstros lendários, então REINO DE FOGO é imperdível. Pela primeira vez é dada uma boa explicação para o fato dos bichos expelirem fogo, e com bem dosados e excelentes efeitos especiais, temos aqui simplesmente o melhor dragão da história do cinema.

Cotação:
Jorge Saldanha
FILME EM DESTAQUE