Sci Files
www.scoretrack.net

DESMONTANDO O
CÓDIGO DA VINCI

O livro O Código da Vinci (2003- Doubleday), de Dan Brown, foi traduzido para mais de 40 países, e vendeu mais de 25 milhões de cópias. É uma ótima obra de ficção que mistura vários elementos históricos sem conexão, e os liga de forma a montar uma conspiração milenar. E aí reside a chave para o sucesso da obra, que manipula o leitor de forma sem precedentes na literatura. Por exemplo, o autor engana seus leitores nesta passagem:

“O Priorado de Sião - sociedade secreta européia fundada em 1099- existe de fato. Em 1975, a Biblioteca Nacional de Paris descobriu pergaminhos conhecidos como "Os Dossiês Secretos", que identificavam inúmeros membros do Priorado de Sião, inclusive Sir Isaac Newton, Botticelli, Victor Hugo e Leonardo da Vinci.

A Prelazia do Vaticano, conhecida como Opus Dei, é uma organização católica profundamente conservadora, que vem sendo objeto de controvérsias recentes, devido a relatos de lavagem cerebral, coerção e uma prática perigosa conhecida como ‘mortificação corporal’. A Opus Dei acabou de completar a construção de uma sede nacional em Nova York, ao custo de aproximadamente 47 milhões de dólares.

Todas as descrições de obras de arte, arquitetura, documentos e rituais secretos neste romance correspondem à realidade”.

De acordo com a pesquisadora Tracy Twynman, o Priorado de Sião existia na Idade Média, mas não existem provas de que o Priorado atual tenha conexão com o antigo. Este tem como ano de fundação 1681 (mas é uma data imprecisa), e o Priorado atual teria surgido aproximadamente em 1956.

Vemos que Dan Brown acredita (ou quer levar o leitor a fazê-lo) na autenticidade dos "Dossiês Secretos" que contêm os nomes de todos os supostos Grão-Mestres do Priorado e que se encontram arquivados na Biblioteca Nacional de Paris - porém, na verdade, eles não passam de uma fraude. O fato que Brown não menciona é que o líder do Priorado, Pierre Plantard (1920-2000), conhecido como um mascate, anti-semita, católico e fraudulento, foi quem criou os falsos "Dossiês Secretos" e os depositou na Biblioteca. Portanto, os ditos "pergaminhos conhecidos como os Dossiês Secretos" foram uma invenção de Pierre Plantard, conforme desmascarado no programa The History of a Mystery (A História de um Mistério) levado ao ar pela Time Watch BBC em 1996.

E mais, o próprio Pierre Plantard confessou à justiça francesa em 1992 ter sido o criador de todas as peças do Priorado de Sião, com o intuito de pô-lo no trono da França como um suposto descendente Merovíngeo e de Jesus Cristo. Há na França três locais onde qualquer pessoa pode obter documentação judicial e criminal sobre Pierre Plantard, a saber: a Prefeitura de Polícia de Paris, a Sub-Prefeitura de St. Julien em Geneveis e o Tribunal de Grande Instância de Thonon Les Bains. Portanto o Priorado de Sião, do qual o autor nos transmite a imagem de ser uma sociedade secreta séria, não passa de uma farsa armada pelo senhor Pierre Plantard.

Não existe nenhum documento histórico que conecte o Priorado antigo ao novo. Mas Brown, ainda por cima, conecta o Priorado aos misteriosos Cavaleiros Templários. Segundo Brown, os Cavaleiros enriqueceram após encontrar o Santo Graal, e usá-lo para chantagear à igreja. Atualmente existe farta documentação histórica mostrando que os Cavaleiros Templários criaram o primeiro sistema bancário do mundo, e foi dessa forma que enriqueceram. Existem diversas narrativas sobre os Cavaleiros Templários, uma das mais conhecidas foi escrita entre 1175 e 1185 por Guillaume de Tyre, onde é afirmado que ela foi fundada em 1118 pelo nobre Hugues de Payne.

O romance Parzival, escrito no século 12 por Wolfran Von Eschenbach, liga os Cavaleiros ao Santo Graal. Tanto Percival quanto o Santo Graal são mitos franceses que se incorporaram à mitologia inglesa durante a Idade Média. Existe a suposta derivação de que Santo Graal vem de Sangreal (sangue real), onde supostamente os Merovíngios seriam descendentes de Cristo. O romance Conte Del Graal, escrito no século 12 por Chertien de Troyes, era centrado em Percival e na busca do Graal. A obra A História do Graal, de Robert de Boron, é que insere Percival e o Graal na saga do Rei Arthur. A dinastia Merovingia foi a primeira Casa Real da França, que emergiu dos escombros do Império Romano. Teria sido fundada em 450 pelo rei guerreiro Mérovée, e em 751, o ultimo rei Merovingio é deposto, tendo a ascensão da Dinastia Carolíngia. Dan também liga Leonardo da Vinci ao Priorado, mas não existem documentos que comprovem isso. Ele também descaracteriza a Opus Dei, que foi fundada em 1928 pelo padre Josemaria Escrivã, que mais tarde foi canonizado pelo papa João Paulo II.

Transforma uma organização religiosa numa organização política, e nela insere práticas medievais arcaicas. No livro, não cita as fontes que usou para fazer todas essas conexões. Também descaracteriza Maria Madalena, sem apresentar evidências de sua suposta viagem com Jesus, para se esconder na França. A polêmica sobre Maria Madalena tomou força com o filme A Paixão de Cristo, de Mel Gibson. A única forma de se provar que existam descendentes de Cristo é encontrando o corpo, retirando e comparando DNA. Fora isso, qualquer alegação desse tipo não tem base cientifica.

O livro, por conectar fatos históricos sem conexão, e na sua introdução, ao tentar dar um panorama histórico a tudo isso, na verdade esta fazendo um serviço de desinformação. O autor foi acusado de ser anticristão. Isso até pode ser verdade ou apenas um exagero, mas nota-se com toda certeza que fã do Cristianismo é que ele não é. Suas obras anteriores Digital Fortress (2000) e Deception Point (2001) também tinham um panorama de conspirações,  então temos um padrão no seu estilo literário. E conspirações com certeza atraem multidões, como a série Arquivo X bem mostrou.

Em 2005 o diretor Ron Howard realizou uma adaptação fraca do livro, embora tivesse um elenco de grande calibre nas mãos. Diria que Dan Brown criou uma obra divertida e muito bem escrita, mas suas conexões fantasiosas devem ser descartadas para um melhor entendimento histórico dos elementos ali utilizados. Quem quiser aprender sobre Leonardo da Vinci, Merovíngios, Santo Graal, Cristianismo, Opus Dei, Cavaleiros Templários, Maria madalena e Priorado de Sião, deve procurar ler livros de história ou revistas especializadas.

Fontes:

  • O Código da Vinci, Dan Brown, Editora Sextante, 2006, página 9

  • Revista Superinteressante, edição 205, outubro 2004, Editora Abril

Sites:

  • http://www.historianet.com.br/conteudo/default.aspx?codigo=734

  • http://www.mundodosfilosofos.com.br/cristianismo.htm

  • http://www.saindodamatrix.com.br/archives/2005/04/evangelho_de_ma_1.html

  • www.opusdei.org.br

  • http://www.escrivaworks.org.br/

  • http://www.opusalegria.com.br/

  • http://www.chamada.com.br/mensagens/codigo_da_vinci_2.html

  • http://www.ordemdostemplarios.org/

  • http://www.spectrumgothic.com.br/ocultismo/misterios/templarios.htm

  • http://www.rosanevolpatto.trd.br/graal.html

  • http://www.maconaria.net/index.shtml

  • http://www.mundosites.net/artesplasticas/davinci.htm

  • http://www.historianet.com.br/conteudo/default.aspx?codigo=516

Guilherme da Costa Radin

VOLTAR PARA SCI FILES