Sci Files
www.scoretrack.net

DUNA: A Saga

Edição original de Duna em inglês

O filme de David Lynch

A primeira minissérie do Sci Fi Channel


Duna (Dune) é um romance de ficção cientifica, escrito por Frank Herbert e publicado em 1965. O livro ganhou os prêmios Hugo e Nebula no ano de sua publicação, e hoje é considerado uma obra tão influente quanto O Senhor dos Anéis.

Duna foi um grande sucesso e por isso rendeu uma série de mais cinco livros. São eles:
 

  • O Messias de Duna (1969)

  • Os Filhos de Duna (1976)

  • O Imperador-Deus de Duna (1981)

  • Os Hereges de Duna (1984)

  • As Herdeiras de Duna (1985)

Brian Herbert, o filho de Frank Herbert, lançou junto com Kevin J. Anderson uma série de livros anteriores à história passada em Duna baseando-se em anotações pessoais do pai. Estes livros ainda não foram publicados em português. Entre eles estão Dune: House Atreides e Dune: House Harkonnen.

A trama de Duna desenvolve-se em um futuro muito distante, provavelmente daqui a 30.000 anos. No desértico planeta Arrakis, conhecido como “Duna”, situado numa galáxia distante e onde a água é moeda corrente, é extraída e produzida uma droga poderosa usada pelos viajantes do espaço conhecida como especiaria laranja. Duas famílias rivais, os Atreides e os Harkonnen lutam pelo controle das operações de mineração em Duna.

Quando o Duque Leto Atreides é assassinado pelo cruel Barão Vladimir Harkonnen, seu filho Paul e sua mãe Lady Jessica fogem para o deserto, onde forjam uma aliança com os nativos Fremen. Jessica pertence à irmandade Bene Gesserit, uma ordem feminina secreta de guerreiras mortais e intelectos perigosos, que vem conduzindo há séculos um programa de melhoramento genético que pretende produzir um macho humano, de poder supremo. Os Fremen são fanáticos religiosos, que tratam os os gigantescos vermes da areia que dominam o planeta desértico como se fossem deuses. Sob a influência da poderosa droga, Paul descobre que é o ser especial de uma antiga profecia, o “Kwisatz Haderach”, que trará luz a Duna e à galáxia.

Paul "Muadib" se torna um líder político e religioso, e junto com Jessica, transforma os Fremen num poderoso exército que ataca as operações de mineração, até paralisá-las. O corrupto imperador Shaddam IV vai até Duna para restabelecer a mineração, mas ele e os Harkonnen são derrotados por Paul "Muadib".

Em toda a saga literária são mostrados eventos até 3000 anos depois do primeiro livro. Existem muitos grupos de fãs de Duna ao redor do mundo, inclusive na internet. Mas a obra não ficou restrita aos livros, e em 1984 chegou aos cinemas na forma de um longa-metragem sob a direção do cultuado David Lynch. O filme custou entre 38 e 40 milhões de dólares, levou seis anos para ser produzido, teve 80 cenários e foi rodado no México.

David recusou o convite para dirigir Star Wars: O Retorno de Jedi (1983) para poder dirigir Duna. Mesmo com um elenco de primeira linha que incluía Max Von Sydow, o cantor Sting e Patrick Stewart, o filme foi mal na bilheteria e massacrado pela critica.

Patrick Stewart já atuava em filmes desde 1974, e pouco depois de Duna protagonizou a série Jornada nas Estrelas - A Nova Geração (1987 a 1994). Depois ele participou de outros longas até 2006, com o fraco X-Men 3, paralelamente a uma bem sucedida carreira teatral na Inglaterra. Há rumores de que David Lynch chegou a produzir cinco horas de material. Em 1988 foi exibido numa rede de televisão dos EUA uma versão extendida com 40 minutos extras, lançada há alguns anos em DVD. Em 2000 o Sci Fi Channel produziu a mini-série duna, com ótima qualidade, que foi bem aceita pela critica.

Uma das principais características da série Duna é possuir uma ambientação bem diferente da tradicional Space Opera. O universo de Duna é feudal, com Casas nobres governando cada sistema estelar (os feudos). Não há robôs nem computadores, e toda a tecnologia existente é analógica ou biológica. Assim há uma valorização da figura humana e da parte social e política. O jogo de intrigas e a reputação norteiam a tomada de decisões dos personagens.

Na parte militar há ainda outra particularidade: a invenção dos escudos de força pessoais fez com que todas as armas de longa distância (incluindo lasers) perdessem a efetividade. Por isso o combate em Duna é corpo-a-corpo, as únicas armas efetivas são facas e espadas. Isso exige que os exércitos sejam muito bem treinados.

Duna também aborda questões como o poder da mente, a manipulação genética, religião, seitas, etc.

Em suma, Duna é uma obra prima da ficção científica, que recomendo para ser lida e assistida.

Fonte: http://pt.wikipedia.org/wiki/Duna_(livro)

Guilherme da Costa Radin

VOLTAR PARA SCI FILES