SHREK 2 (Shrek 2, EUA, 2004)
Gênero: Animação
Duração: 93 min.
Elenco: Mike Myers, Eddie Murphy, Cameron Diaz, Julie Andrews, Antonio Banderas, John Cleese, Rupert Everett, Jennifer Saunders
Compositores: Stephen Barton, Harry Gregson-Williams
Roteiristas: William Steig, J. David Stem, Joe Stillman
Diretor: Andrew Adamson, Kelly Asbury, Conrad Vernon

Contraditório mas engraçadíssimo

Novo filme do ogro verde, ainda melhor que o anterior, continua fazendo troça da Disney - apesar de às vezes ser muito parecido com as animações do estúdio do Mickey

Shrek 2 tem uma mesma característica do primeiro filme: é estranhamente contraditório. É uma paródia de contos-de-fada animados, um desenho que subverte alguns ícones Disney mas que, no final das contas, parece querer fazer parte desse grupo de qualquer maneira. Não é como O Jovem Frankenstein, por exemplo, que faz troça dos filmes do monstro mas que, ao mesmo tempo, tem enorme respeito por eles. Shrek 2, como o primeiro, tem respeito pelos contos-de-fada em si, pelas histórias mundialmente conhecidas, e não pelos desenhos famosos ou pela maneira Disney de contá-los - e é esse o alvo das piadas do filme. 

O problema é que Shrek muitas vezes SE PARECE com um desenho Disney. O final do primeiro filme, com o casamento de Fiona e do ogro, ou mesmo toda a história de amor do casal nesta continuação, lembram os momentos mais piegas das produções dos estúdios do Mickey. Não sou suficientemente esperto pra decidir se isso é mesmo um problema do filme ou uma maneira que ele encontrou de ser "sarcástico-mas-nem-tanto-assim". 

Ao mesmo tempo (pois, d'oh, é contraditório), o filme continua extremamente sacana com esses personagens e tramas típicas de desenhos fofinhos. O reino mágico aqui é Hollywood (Cinderela tem uma mansão enorme), a Fada Madrinha é uma vilã meio perua e mãe superprotetora do Príncipe Encantado, talvez o primeiro personagem de cinema que parece saído diretamente de Queer Eye For the Straight Guy.

Shrek, Fiona e Burro dessa vez ganham a companhia do Gato de Botas (respectivamente, na dublagem original, Mike Myers, Cameron Diaz, Eddie Murphy e Antonio Banderas), um felino que, apesar de saber lutar, vence seus oponentes na base da apelação: sua "carinha fofinha" é muito mais eficiente do que sua espada. No entanto, o astro continua sendo o Burro, mais genial do que nunca, principalmente na cena em que ele, entediado durante uma longa viagem, tenta assustar Shrek e Fiona. 

O ápice da graça do filme, no entanto, parece ser a cena à lá Missão: Impossível, que conta com a participação do Boneco de Gengibre, Lobo Mau, Três Porquinhos e Pinóquio. A revelação de boneco de madeira é inesperada e politicamente incorretíssima, até mesmo para um desenho como esse. 

Provavelmente a coisa mais engraçada, ainda que contraditória, vista em 2004.

Cotação:
Diego Sapia Maia
FILME EM DESTAQUE