A música de Superman - O Retorno

Hugo Moya Arancibia 

Devo reconhecer que quando foi confirmado o retorno de Superman à tela grande, tive minhas dúvidas e temores a respeito do resultado que se poderia obter. Era difícil imaginar que se pudesse atingir o impacto e a transcendência com este tipo de continuidade, quase trinta anos depois do original Superman The Movie. A escolha de Bryan Singer como diretor tampouco indicava, a priori, nada especial, e ainda que seu trabalho para os dois primeiros X-Men tivesse sido muito bem recebido, a conexão com Superman não era muito evidente. À medida que o projeto foi sendo desenvolvido, e que foram sendo conhecendo aspectos específicos da produção, comecei a acreditar que este tipo de continuidade poderia ser possível.

Contudo, o fator que definitivamente me convenceu foi a orientação que Singer quis dar ao filme, mantendo a mesma essência que Richard Donner deu a Superman The Movie, além dos próprios acréscimos e atualizações que o novo diretor incorporaria à nova produção. No dia 13 de julho de 2006 assisti à estréia de Superman - O Retorno e devo reconhecer que por momentos retrocedi 28 anos de minha vida, revivendo as mesmas emoções e sensações que tive quando vi pela primeira vez Superman The Movie e Superman II. Ver na tela novamente a seqüência de títulos principais ao melhor estilo (quase idêntico) do que vimos nas duas primeiras películas, recordar frases e situações dos filmes originais, rever Marlon Brando, ver um Superman que de alguma maneira evocava o grande Christopher Reeve e, obviamente, escutar novamente a música de Superman.

Se havia uma coisa que se poderia prever com a designação de Singer como diretor de Superman - O Retorno, é que a edição e partitura do filme ficariam a cargo de John Ottman, que é seu habitual colaborador neste tipo de funções (uma espécie de sociedade no estilo Spielberg – Williams, ou Besson – Serra). E aqui vem a primeira grande pergunta: Um novo som para Superman ou a manutenção da música tradicional? Ottman não tardou muito em dissipar qualquer dúvida a respeito: reconhecendo ser um admirador da música de John Williams para Superman, declarou que não pretendia criar um novo tema. No é imaginável um filme de Superman sem seu tema característico.

E quanto ao resto dos temas originais? Ottman disse que avaliaria se eles funcionariam para este novo filme. Uma coisa ele deixou bem clara, não se trataria de uma adaptação ou reorquestração da trilha sonora original de John Williams. O que Ottman relata na contracapa do CD de Superman - O Retorno é o que melhor descreve o que foi seu trabalho para este filme:

John Ottman

“… Para Superman Returns os egos foram deixados de lado em favor de uma quase religiosa obrigação de preservar algo sagrado”

 “… juro que John Williams apareceu a mim como Obi Wan Kenobi, movendo seus dedos e dizendo… .Não vá fazer besteira…”

“… esta era uma oportunidade de escrever uma partitura original que seria nova, mas fiel ao Tema de Superman de Williams”

“… Assim foi o que fiz para Superman Returns, recorrendo à minha própria sensibilidade e novas idéias temáticas...”

Em resumo, com um diretor e um compositor declaradamente admiradores do filme original, a expectativa do que seria este novo filme melhorava substancialmente.

AnálisE da trilha sonora

Diferentemente dos meus comentários sobre a música das outras seqüências de Superman, desta vez o farei com base no CD da trilha sonora de Superman Returns. A partitura se sustenta principalmente em três motivos musicais: “Tema de Superman”, “Tema Pessoal de Superman” e “Música de Lex Luthor”.

Tema de Superman

Em uma clara homenagem ao filme original de 1978, Superman Returns começa com uma seqüência de créditos principais quase idêntica a de Superman The Movie. Obviamente esta seqüência está acompanhada pelo majestoso, icônico e inesquecível “Tema de Superman”, que nesta versão soa quase igual à sua versão original. A seqüência não começa com a habitual fanfarra, mas sim com o mesmo ostinato ouvido no filme original, que desemboca na tradicional marcha de Superman que desta vez é ouvida apenas uma vez, passando de imediato a um segmento de “Can’t You Read My Mind”; a partir dali continua com sua execução tradicional, salvo leves variações.

Certamente a razão para omitir a repetição da marcha, o segmento que vem imediatamente a seguir e a repetição da fanfarra, se deveu à necessidade de ajustar a música à duração da seqüência (o tema dura no total 2:40 minutos). Ainda assim a interpretação comove e emociona, nos transporta ao passado. Para consolo dos fãs podemos assinalar que a versão do CD dos Títulos Principais (“Main Titles”) inclui os segmentos omitidos, por isto no disco podemos ouvir uma versão mais completa, ainda que esta também inicie com o ostinato. A seqüência de créditos finais (não incluída no disco) começa a partir do segmento que vem na continuação da marcha de Superman, e o resto do tema é executado normalmente até o final.

No desenrolar do filme, cada seqüência em que Superman realiza alguma proeza heróica foi habitualmente musicada pelo tradicional ostinato que desemboca na simbólica fanfarra do Tema de Superman. Em cada ocasião onde se recorreu a este segmento, o resultado foi comovedor, conseguindo dar à cena o sentido épico e heróico necessário para ressaltar a entrada em cena do super-herói. Esta combinação pode ser escutada claramente nas faixas “Rough Flight”, “Not Like The Train Set” e “Saving The World”. Se quisesse associar esta seqüência musical a algum tema conhecido da trilha sonora original, diria que é muito similar ao ostinato e fanfarra de tema “The Big Rescue”.

Em outro par de temas, podemos escutar versões mais tênues ou dissimuladas da fanfarra, alusivas a alguma aparição de Superman (“Memories” e “Bank Job”). Sem dúvida o grande mérito de John Ottman a respeito do uso deste trecho musical é tê-lo incorporado nos momentos apropriados, com a emoção e majestade requeridas, e também por complementá-lo acertadamente com suas próprias composições. Que também se ajustam ao sentido épico da película, trazendo um som sinfônico próprio das grandes epopéias.

Tema Pessoal de Superman

Sem dúvida, este tema é a contribuição de maior porte de John Ottman à música de Superman. O filme se sustém fortemente nas sensações internas do herói após seu regresso de uma viagem fracassada a Kripton, quando encontra aqui uma realidade bem diferente da que deixou antes de desaparecer, principalmente no que diz respeito a Lois Lane. É por isso que existen muitas seqüências onde Superman deve enfrentar seus conflitos internos, dores e/ou frustrações, o que tornou necessária a criação de um novo tema para abordar esta nova realidade. Não existe nenhuma faixa que se chame “Tema Pessoal de Superman”, no entanto esta melodia está presente na maioria dos temas da trilha sonora, seja de forma predominante (“Little Secrets - Power Of The Sun”, “How Could You Leave Us”, “You're Not One Of Them”, “I Wanted You To Know”, “In The Hands Of Mortals” e “Reprise - Fly Away”), como acessória (“So Long Superman”, “The People You Care For” e “Saving The World”).

Este tema corresponde a uma bela e intima melodia plena de harmonia e freqüentemente acompanhada por um coral suave, que incrementa sua emotividade. O maior mérito desta composição é que toda vez que é utilizada, consegue complementar de forma quase perfeita o senso dramático da cena relacionada.

Música de Lex Luthor

Não se poderia dizer que esta trilha sonora contém um “Tema de Lex Luthor”, como havia “A Marcha dos Vilões” nos filmes originais. À diferenças destas, onde a música de Lex Luthor se relacionava exclusivamente com “A Marcha dos Vilões”, em Superman - O Retorno existe uma série de curtos motivos musicais associados a este personagem, e que predominam em cada seqüência onde ele aparece. Mas definitivamente não existe O TEMA, que identifique o vilão. Antes de escrever este comentário li algumas críticas sobre a música deste filme, e quase todas se referiam ao novo tema de Lex Luthor. Após ter ouvido em várias ocasiões a trilha sonora e ter-me detido a analisar os temas associados ao vilão, definitivamente pude reconhecer uma seqüência de seis notas que se ouve muito brevemente em “Tell Me Everything”, “Not Like The Train Set” e “Saving The World”, e que poderiam ser entendidas como o Tema de Lex Luthor.

No entanto, sou mais partidário de me referir à música de Lex Luthor, como uma série de breves motivos musicais que aparecem em cada tema relativo ao personagem, e que respondem a uma sensibilidade conectada a motivos relacionados com o criminal ou o vilanesco. Em todo caso deve ser assinalado que toda esta música tem um sentido muito mais serio e ameaçador, que a orientação cômica que tinha “A Marcha dos Vilões” dos filmes originais. Outra boa contribuição de Ottman à música de Superman.

Outros Temas

A nova realidade que Superman encontra no seu regresso à Terra não lhe permitirá (pelo menos de forma explícita) reatar o antigo e idílico romance que mantinha com Lois Lane. Ao contrário dos filmes originais, em que cada encontro entre Superman/Clark com Lois era acompanhado pelo já clássico “Can´t You Read My Mind”, ou “Love Theme From Superman”, desta vez há apenas um encontro a sós entre os dois, e John Ottman optou por compor uma bela, romântica e emotiva melodia para acompanhar esta bela seqüência de reencontro, denominada “How Could You Leave Us”.

Na minha opinião este é o melhor tema da trilha sonora, não apenas por sua beleza mas também pela emoção e senso de intimidade que ele dá a toda a seqüência. Sua composição é verdadeiramente surpreendente, começando com um breve fragmento do tema “The Planet Krypton” seguido por segmentos do “Tema Pessoal de Superman”, para passar à melodia principal cheia de doçura, corais e romantismo, que nos conduz suave e intencionalmente até o clássico “Love Theme From Superman”, interpretado magistralmente pela orquestra... Tremendo tema.

John Ottman, também rende tributo a alguns temas da trilha sonora original, como são o tema característico da fazenda dos Kent em Smallville, “A Fortaleza da Solidão” e “Can´t You Read My Mind”. Consciente do desafio e as expectativas que gerou nos fãs a nova trilha sonora de Superman, John Ottman obtém um adequado equilíbrio entre o passado e o presente, mantendo quase intacto o que ele mesmo definiu como “uma quase religiosa obrigação de preservar algo sagrado”.

Ainda que de forma diferente de seus predecessores (Ken Thorne (Superman II e III) e Alexander Courage (Superman IV), Ottman contribuiu com nova música, novos temas e novas sensibilidades, o que sem dúvida é uma raridade neste tipo de franquia, mas que neste caso funcionou adequadamente, correspondendo às expectativas. Em resumo, um trabalho muito bom de John Ottman, demonstrando que é possível compor música nova para Superman sem ter que renunciar ao clássico, e mantendo os temas consagrados pela trilha sonora original.

Leia também:

A MÚSICA DE SUPERMAN II, III E IV

VOLTAR À PÁGINA INICIAL