A música de Superman III

Hugo Moya Arancibia

A trilha sonora de Superman III pode ser qualificada perfeitamente como uma obra de Ken Thorne. Neste trabalho as referências à trilha sonora original diminuíram significativamente, sendo utilizadas somente quando absolutamente necessário. Como veremos adiante, podemos notar claramente que nesta película a quantidade de música composta por Thorne foi muito superior à de sua predecessora. Ainda que, ao mesmo tempo, também notemos que a quantidade total de música é muito inferior à de Superman II: 55 minutos de música, dos quais 33:33 são de autoria de Thorne, 15:33 são novos arranjos de temas de John Williams, 03:03 consistem de re-execução de temas já existentes e 24 segundos foram extraídos da gravação da trilha original do primeiro filme. Ou seja, Thorne compôs 66% do total da música ouvida no filme. Dos 34% restantes, uma porcentagem majoritária corresponde à utilização de segmentos do “Tema de Superman”, mais algumas referências de outros temas compostos por Williams para a trilha sonora original. Há de se registrar que nesta película a aparição de Lois Lane é apenas simbólica, por isso nunca ouvimos algum segmento do “Love Theme” da trilha sonora original. Igual situação ocorre com o tema “The March Of The Villains”, devido à ausência de Lex Luthor. Ambos os temas, mais o “Tema de Superman” foram os mais inspiradores e de maior utilização nos dois filmes anteriores, pelo que seu desaparecimento reduziu bastante o espectro de música original possível de utilizar. Nos créditos do filme, as referências ao aspecto musical são as seguintes: “Music by Ken Thorne”, e logo em seguida “Original Songs Composed by Giorgio Moroder”. Apenas na seqüência de créditos finais aparece a seguinte referência “Superman Themes composed by John Williams”. Com respeito às canções originais compostas por Giorgio Moroder, apenas posso assinalar que correspondem a algumas canções que são ouvidas durante o filme, especialmente nas cenas de Gus Gorman. Não me parece que, dada a natureza destas películas e sua música, estas canções mereçam um espaço tão destacado nos créditos iniciais. Além do mais estas canções estão absolutamente fora de contexto dentro do filme e somente podem ser perfeitamente identificadas no disco (LP) da trilha sonora, cujo lado B está quase completamente dedicado a estas canções, em detrimento da inclusão de uma maior quantidade de música incidental. Segue a análise detalhada de cada composição ouvida no filme.

Análise por tema (nome e duração da faixa):

1- As ruas de Metrópolis: 05:18
Este tema corresponde à música incidental que acompanha a seqüência de créditos iniciais. Devo confessar que quando vi Superman III pela primeira vez, esta seqüência foi minha primeira desilusão ao comprovar que já não teríamos os majestosos créditos iniciais dos filmes anteriores, acompanhados pelo poderoso “Tema de Superman”. Nada disso ficara. Agora tínhamos uma sucessão de seqüências cômicas absolutamente fora de contexto para um filme de Superman, acompanhadas por uma composição integralmente composta por Ken Thorne, a qual não tinha nada a ver com anteriores composições feitas para Superman. Porém reconheço que provavelmente este tema seja o melhor que Thorne compôs para a película, já que, se nada tem a ver com Superman, consegue dar um bom complemento à seqüência. Em outras palavras, abstraindo do filme que estamos analisando, a música resulta funcional par a cena. Este tema é quase simbólico por ser o mais representativo de Thorne, não apenas para este filme, mas para toda sua participação na série. De qualquer modo, como não se pode lutar contra o óbvio, igualmente há duas breves referências ao “Tema de Superman”, a primeira quando aparece o título do filme e a segunda quando efetivamente Superman faz sua primeira aparição durante esta seqüência. Este tema foi muito bem interpretado, ainda que com algumas variações, no disco “Superman The Ultimate Collection”.

2 - Lucro para Gus: 01:04
Corresponde à seqüência em que Gus manipula no computador os centavos que sobram nos salários de seus empregados, para creditá-los a si mesmo. Nesta composição se começa a vislumbrar qual será a tendência da música composta por Thorne para o filme. Logo no início escutamos os primeiros acordes do tema característico de Gus Gorman e a seguir temos uma música medíocre. A qualidade do som é muito pobre e quase não estamos falando de uma orquestra, mas sim de alguns poucos instrumentos. O primeiro sinal do desastre que se aproxima.

3 - Superman salva a fábrica química: 06:04
Corresponde ao incêndio da fábrica de substâncias químicas e à participação de Superman para ajudar a controlá-lo. Esta deve ser a seqüência mas complexa e espetacular do filme e me parece que Thorne quis compor uma música à altura dela, mas infelizmente ele não conseguiu. Não o fez porque compôs um híbrido que combinou desordenadamente temas próprios com alguns segmentos provenientes de temas compostos por John Williams para a trilha sonora original. O tema combina segmentos de “Superman Theme”, “Superfeats”, “The Big Rescue”, “Turning Back The World” e “The Fortress of Solitude” da trilha sonora original, os quais se encontram enlaçados ou intercalados por composições próprias de Thorne, que não fazem mais do que minimizar ou quebrar os estilos dos outros segmentos. Em Superman II elogiei alguns segmentos que Thorne compôs para unir trechos provenientes da trilha sonora original, mas desta vez estes segmentos não funcionaram. Os arranjos baseados no “Tema de Superman” não foram muito felizes, falhando em dar maior emoção à seqüência. Em resumo, a composição como um todo definitivamente não funcionou.

4 - Clark e Lana: 00:36
Corresponde ao encontro entre Clark e Lana Lang no dia seguinte ao da festa. Supostamente este deveria ser o tema romântico da película, mas sua brevidade não permite uma analise maior. Nesta cena Clark toca piano, e quase não se consegue distinguir entre a música incidental e o piano. Em resumo: irrelevante.

5 - Superman salva Ricky: 01:40
Cena em que Superman salva Ricky de ser morto por uma colheitadeira de trigo. Na maioria das cenas em que Superman salva alguém, a música começa com um preâmbulo que anuncia a transformação de Clark em Superman e termina com algum segmento do “Tema de Superman” durante o resgate. O preâmbulo deste tema é o mesmo que Thorne compôs em Superman II quando o herói salva um menino nas Cataratas do Niágara. No entanto, o acabamento deste tema é muito inferior ao da película anterior, o que não seria tão dramático se não fosse a fanfarra do “Tema de Superman”, que é interpretada horrivelmente. Esta cena poderia ter sido uma das mais emocionantes, mas a música a impediu se sê-lo.

6 - Gus encontra um jeito: 00:56
Corresponde à cena em que Gus trata de fazer funcionar o computador junto a um bêbado Brad. Poderíamos definir este tema como o característico de Gus Gorman. Trata-se de uma breve e cômica melodia ao mas puro estilo das comédias americanas. Não é uma grande composição, mas pessoalmente gostei.

7 - Caos informático: 02:20
Ouvida durante o caos que ocorre em diversos sistemas de informática da cidade, graças à intervenção de Gus. Este tema é uma espécie de valsa graciosa que acompanha uma sucessão de seqüências cômicas decorrentes da desordem computacional. A música, mais uma vez, não tem nada que ver com Superman, mas funciona no acompanhamento da seqüência.

8 - Gus acessa Vulcão / Catástrofe na Colômbia: 01:52
Corresponde à seqüência imediatamente seguinte à anterior, na qual Gus finalmente acessa o Satélite Vulcão, provocando uma catástrofe atmosférica na Colômbia. Este tema é uma mistura que inicia com uma variação do tema de Gus, para continuar com uma duvidosa referência folclórica colombiana e termina com a música que acompanha o desastre meteorológico. Diria que este tema é um dos mais satisfatórios do filme, especialmente pela música do desastre atmosférico. Pena que uma uma andorinha só não faz verão.

9 - Kriptonita: 00:50
Lorelei, dizendo a Ross, Vera e Gus que a kriptonita pode destruir Superman. A música utilizada para esta cena é realmente inacreditável, já que Thorne simplesmente utilizou um segmento de “Destruction Of Krypton” da trilha sonora original. Em Superman II, Thorne utilizou bastante este tema para as seqüências dos três supervilões ou na Fortaleza da Solidão, associação que resultava bastante lógica em função das referências ao planeta Kripton e seus sobreviventes. Contudo, neste filme sua utilização é quase ridícula, no contexto de uma trilha sonora que quase não recorre à música original da séries, além de ser incompreensível a associação entre a música e os protagonistas da seqüência.

10 - Gus procura Kriptonita: 01:00
Gus tratando de obter kriptonita no espaço exterior através do satélite Vulcão. Este tema começa com um tênue arranjo cuja reminiscência do tema “Destructión Of Krypton” da trilha sonora original é bastante evidente. Posteriormente continua com um arranjo facilmente esquecível. A estas alturas a débâcle musical parece inevitável, todo a competência que Thorne mostrou em Superman II esta absolutamente ausente neste filme.

11 - Superman chega tarde: 00:52
Corresponde à seqüência em que Superman começa a mostrar os primeiros sintomas de sua transformação em um ser perverso. Nesta cena Superman chega tarde demais para resgatar um caminhão, que finalmente cai de cima de uma ponte. Este tema é uma combinação de dois temas provenientes da trilha sonora original. Inicia com um breve segmento do tema “The Planet Krypton”, para continuar com outro segmento do tema “Chasing Rockets”. Curiosamente, este último segmento jamais foi utilizado nos dois filmes anteriores.

12 - A Torre de Pisa: 00:50
Superman transformou-se em um ser do mal, e uma de suas primeiras maldades é endireitar a Torre de Pisa. Outra musicalização inacreditável. Desta vez Thorne incorpora a música que utilizou em Superman II para identificar os três supervilões. Este tema é um dos que mais celebrei em Superman II, mas que agora me deixou perplexo. Neste momento comecei a compreender aqueles detratores de Thorne, que duvidam de sua capacidade para perceber as motivações musicais.

13 - Gus pede seu supercomputador: 01:00
Nesta cena Gus pede a seu chefe que lhe construa um supercomputador, para que continue a trabalhar para ele. Musicalmente, novamente escutamos referências ao tema de Gus, mais uma acertada composição que acompanha o crescimento da crise energética, produto da manipulação que Webster está fazendo com o petróleo. É bom dizer de vez em quando: bom tema.

14 - Faça-me um pequeno favor: 02:16
Lorelei pedindo a Superman que lhe faça um pequeno favor. Outra seqüência inacreditavelmente musicada. No princípio, na cena entre Superman e Lorelei, se escuta um tênue tema com um toque de erotismo, mas às vezes com referências a um dos temas dos supervilões de Superman II. Posteriormente, se ouve uma mescla de arranjos baseados em “The Fortress Of Solitude” e “Turning Back The World” da trilha sonora original, além da música que Thorne compôs para os três supervilões em Superman II. Novamente fica em evidência a ausência de motivação musical de Thorne.

15 - A retribuição ao favor: 00:58
Depois do favor, Superman deve cobrar sua recompensa, os serviços eróticos de Lorelei Ambrosia. Um solo de trompete verdadeiramente sensual. Música atípica para Superman, em uma seqüência claramente questionável, considerando a natureza da película. O tema não é ruim, mas é difícil assimilá-lo para Superman. A música lembra muito algumas composições de Bill Conti, especialmente pelo solo de trompete.

16 - Peças do supercomputador: 00:35
Um helicóptero levando containeres repletos de peças para montar o supercomputador de Gus. Tema breve mas muito substancioso. Nota-se um pouco mais da orquestra. Uma das boas composições de Thorne para o filme, pena que seja tão curta.

17 - O conflito interior de Superman: 02:10
Primeiros sintomas de questionamento por parte do Superman perverso, a respeito de seu comportamento. Um dos poucos temas do filme baseados integralmente na trilha sonora original composta por John Williams. O tema combina fragmentos de “The Planet Krypton” e “Leaving Home” da trilha sonora original. Ainda que não me fique claro o acerto da seleção de Thorne, pelo menos a interpretação é de muito boa qualidade e o som convence. Um oásis dentro deste deserto musical. Graças a... Williams, mais uma vez.

18 - Clark vs. Superman: 02:46
Primeira parte da confrontação entre o Superman mau e o bom Clark Kent. O tema começa com uma referência ao tema “The Planet Krypton” da trilha sonora original. Posteriormente se incorpora uma breve composição de Thorne que já havia sido utilizada em Superman II. Logo em seguida se retorna à música da trilha sonora original, desta vez o mesmo fragmento de “Chasing Rockets” utilizado no tema “Superman chega tarde” comentado anteriormente, além de um grande trecho do tema “Destruction Of Krypton”. Mesmo que seja uma mistura bastante heterogênea, Thorne logra dar-lhe uma continuidade surpreendente e bem sucedida, convertendo este tema em um dos melhores da película, talvez o melhor.

19 - Superman vs. Clark: 02:19
Continuação do confronto anterior. Este tema segue a linha do anterior, combinando vários fragmentos musicais utilizados na película original, acrescidos de alguns segmentos compostos por Thorne. O tema inicia com una breve referência do tema “The Big Rescue”, logo continua com o mesmo fragmento de “Chasing Rockets” utilizado no tema “Superman chega tarde”. Em seguida temos uma composição de Thorne que já havia surgido em Superman II para acompanhar os três supervilões, para continuar com um breve segmento de “The Fortresss Of Solitude” e culminar com um arranjo baseado no tema “The Planet Krypton”. Novamente Thorne consegue dar uma continuidade muito boa a estes fragmentos, ainda que este tema não supere ao anterior.

20 - Vitória Final: 02:05
Culminação do confronto, com o triunfo definitivo do Superman do bem. Possivelmente o tema mais comovedor da película em função do sentido de triunfo do Bem sobre o Mal. Este tema é uma combinação que inicia com um fragmento de “Turning Back The World” da trilha sonora original, para continuar com a fanfarra e marcha do Tema de Superman. Pela primeira (e única) vez no filme a música provoca emoção e ajuda a impulsionar uma cena.

21 - Rumo ao supercomputador: 01:50
Ross, Vera e Lorelei se dirigem rumo à caverna onde foi construído o supercomputador. Uma boa criação de Thorne, fácil de se ouvir e apropriada para a seqüência. Adicionalmente, este tema é intercalado um par de vezes com a fanfarra do tema de Superman. Satisfatória composição.

22 - Superman enfrenta os mísseis: 03:05
Superman é atacado por mísseis do supercomputador, quando se aproxima da caverna. Este tema demonstra a enorme distância que há entre Ken Thorne e John Williams. Se esta seqüência tivesse sido bem musicada seria espetacular, mas a pobríssima composição, digna de série de televisão, simplesmente a converte em uma cena ridícula. Adicionalmente este tema contém horríveis arranjos de breves fragmentos do Tema de Superman. Este tema de alguma maneira resume a falta de senso motivacional e musical de Ken Thorne. Por esta música podemos avaliá-lo, conhecer sua sensibilidade musical e concluir que sua escolha não foi a correta.

23 - Superman na bolha / Kriptonita: 02:23
Superman é aprisionado em uma bolha sem ar e posteriormente atacado por kriptonita verdadeira, o que gera uma situação bastante dramática. Horrível música para esta seqüência. Sem um sentido que realmente possa transmitir o drama do momento. Inclusive até contém momentos cômicos. Definitivamente, a estas alturas a bússola aponta para qualquer direção. Lamentável.

24 - A máquina vive: 02:04
O supercomputador adquiriu vida própria, atacando a tudo que cruze à sua frente, incluindo seus criadores. O primeiro minuto deste tema resulta bastante convincente, logrando dar alguma emoção à seqüência, e por alguns segundos se ouve um fragmento de tema “The Planet Krypton” da trilha sonora original. Da segunda parte é melhor nem falar, já que é tão fraca que não vale a pena perdermos nosso tempo, salvo para reiterar o indicado no tema anterior.

25 - Confronto Final: 02:45
Fase final do confronto entre Superman e o supercomputador. Apenas uma frase: Cena culminante acompanhada por música digna de série de televisão. Mais do mesmo, já não há mais nada a fazer.

26 - Obrigado irmão: 01:15
Superman resgata Gus das ruínas e voa com ele. Este tema começa com um arranjo baseado no tema “Lois and Clark” da trilha sonora original, para continuar com um arranjo livre de Thorne baseado no mesmo tema. Uma composição agradável de se escutar.

27 - O anel: 00:45
Clark presenteia Lana com um novo anel. Este tema corresponde a uma reiteração do tema romântico entre Clark e Lana, que havia sido ouvido brevemente no início da película. Nada mais a declarar.

28 - Créditos Finais: 03:55
Mistura desordenada de fragmentos do Tema de Superman. Excluiu-se desta seleção todas as referências ao segmento “Can You Read My Mind”. Este mix é um pequeno alívio depois de haver escutado a trilha completa do filme, basicamente pela estranha mescla que Thorne fez de distintos fragmentos do tema. Ao menos temos uma curiosa versão do Tema de Superman.

Conclusão
Bem amigos, devo reconhecer que analisar esta trilha não foi algo muito prazeroso. A música deste filme não fez mais que demonstrar ser ela um elemento apenas secundário da produção. Os únicos temas complexos foram criados com base na música de Williams e quase todo o trabalho de Thorne se caracterizou pela falta de criatividade, escassos recursos musicais e carência de motivação para dar um sentido épico à música. Este trabalho, à diferença do anterior, demonstra que dar a Thorne passe livre para desenvolver suas próprias composições não foi uma decisão acertada. Adicionalmente, ficamos com a impressão que a equipe de produção pouco se importou com isso. Como resultado, a pior trilha sonora da séries. Na película seguinte Alexander Courage tomou nota deste desastre e ao menos teve a intenção de voltar às origens.

Análise da trilha sonora original de Superman III
Enquanto escrevia meus comentários sobre a música ouvida em Superman III, também pude obter o LP com o registro original desta. Novamente a situação que mais chama a atenção é a reduzida quantidade de música que foi considerada. Somente cinco temas instrumentais, o que parece muito pouco em relação aos outros seis que pouco ou nada tem a ver com o filme. A seguir especifico os temas incluídos no álbum:

1. Main Title (The Streets of Metropolis): 5:23 
2. Saving The Factory-The Acid Test 6:09
3. Gus Finds a Way :58
4. The Two Faces of Superman 2:50
5. The Struggle Within-Final Victory 4:16
6. Rock On - by Marshall Crenshaw 3:35
7. No See, No Cry - by Chaka Khan 3:18
8. They Won't Get Me - by Roger Miller 3:20
9. Love Theme - Helen St. John 3:14
10. Main Title March 4:20

Os cinco primeiros já foram comentados ao analisar a música da película, inclusive creio que usei os mesmos nomes, pelo que não me referirei novamente a eles. Abaixo indico a que tema de minha análise corresponde cada uma das faixas instrumentais do disco: 

Trilha Sonora

Análise

1. Main Title (The Streets of Metropolis)

1.  As ruas de Metrópolis

2. Saving The Factory-The Acid Test

3.  Superman salva a fábrica química

3. Gus Finds a Way

6.  Gus encontra um jeito

4. The Two Faces of Superman

18. Clark vs. Superman

5. The Struggle Within-Final Victory

19. Superman vs. Clark
20. Vitória Final
 

Somente resta assinalar que no disco se percebem melhor algumas interpretações e o som de alguns instrumentos, ainda que não haja nenhuma diferença com o que é ouvido no filme, salvo o último tema que para efeitos de minha análise foi separado em dois temas distintos. A respeito do resto do disco, a seguir exponho meus comentários:

6. Rock On - by Marshall Crenshaw
7. No See, No Cry - by Chaka Khan
8. They Won't Get Me - by Roger Miller

Comentarei de uma só vez estas três canções:
A única canção destas três que reconhecemos dentro do filme é “They Won't Get Me”, que podemos ouvir claramente na seqüência em que Gus e Brad se embriagam nos escritórios de Webscoe em Smalville. O estribilho de “No See, No Cry” creio que é ouvido brevemente apenas uma vez durante a película, na seqüência em que Gus Gorman chega a Smallville. A respeito de “Rock On”, jamais a escutei no filme. Comentário à parte é se realmente foi uma boa decisão incluir estas canções no disco, as quais, dada sua escassa relevância, me parece que nunca deveriam ter sido consideradas.

9. Love Theme - Helen St. John 
Este tema corresponde ao típico estilo de Giorgio Moroder em suas composições da década de oitenta. (A Marca da Pantera, Expresso da Meia-Noite, Flashdance). Mas esta composição jamais é utilizada no filme. Outro espaço de disco desperdiçado.

10. Main Title March
Corresponde a uma versão em sintetizador do “Tema de Superman”, particularmente o arranjo utilizado para a seqüência de créditos principais de Superman II. Este sim é um insulto ao tema, mas que felizmente não foi incluído no filme. Chama atenção que a maioria da música instrumental incluída no disco corresponde a arranjos baseados em temas compostos por Williams para Superman, situação que parece bastante ilógica se analisarmos a influência deste autor na música utilizada no filme. Pelo menos teria sido mais honesto incluir mais música composta por Thorne, já que desta vez se tratava de sua trilha sonora.

Em resumo: teria sido melhor que, ao invés de incorporar temas jamais utilizados, constassem no LP temas instrumentais que efetivamente se escutam na película. De qualquer modo o resultado final não seria muito melhorado.


INTRODUÇÃO
A MÚSICA DE SUPERMAN II
A MÚSICA DE SUPERMAN IV
Superman: The Music (The Blue Box)
VOLTAR À PÁGINA INICIAL